quinta-feira, 13 de setembro de 2018

A penitência do Bloco


Se certas situações não fossem muito tristes, acabariam por nos fazer dar uma bela gargalhada. A confissão católica e respectiva penitência, sempre me deixaram num grande incómodo. Não se tratava de ter de contar a um padre - no inicio da minha pratica religiosa, nem sequer sabia quem estava do lado de lá do confessionário - os meus "pecadilhos" mas, sobretudo, o facto de eles me serem perdoados "em troca" de umas tantas orações que constituíam a minha penitência. Com o tempo e um progressivo esclarecimento esta prática alterou-se e hoje há Igrejas onde descobrir um confessionário não é tarefa fácil. 
Assim, desde que Tolentino de Mendonça entrou na minha vida religiosa, não me lembro mais de penitências mas apenas e só de bênçãos recebidas.
Esta triste história do Sr Ricardo Robles era, a meu ver, suficiente para que o Bloco fizesse algum "luto" silencioso sobre a matéria. Mas não. Além da taxa Mortágua, o partido decidiu penitenciar-se - a feliz expressão foi brilhantemente usada por Carlos Cesar - e propor a criação de uma nova taxa talvez, quem sabe, para se redimir do caso e, em simultâneo, castigar o belo Robles e a irmã, caso tentassem, agora, vender o apartamento. 
Como diria um amigo meu que por lá navegou, ser bloquista tem sempre um alto preço...

HSC

8 comentários:

Sérgio Saraiva disse...

O sr. Robles fez mais pela especulação imobiliária neste país, que qualquer especulador imobiliário.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Subscrevo totalmente as suas palavras.

Os meus cumprimentos.

Irene Alves

Dalma disse...

HSC, “bem prega S. Tomás, olha para o que eu digo e não para o que eu faço”!!
Uma falta de honestidade!
Uma vez ouvi a um brasileiro a propósito de uma situação menos própria: “amigo, o jornal de hoje está a embrulhar o peixe amanhã, por isso não te preocupes, rapidamente se esquece...”

Pedro Coimbra disse...

Há assuntos que, até por uma questão de pura decência, devem ser evitados.
O Bloco falar em especulação imobiliária e taxas para combater o fenómeno é um óptimo exemplo dessa realidade.

Teresa disse...

Eu não sou do BE,mas fazer uma afirmação destas,é não ter a noção do que se passa! A Pastelaria Suíça fechou,há outro restaurante na Baixa q.vai fechar,porque "investidores estrangeiros",não renovaram os contratos. E casos de brasileiros e franceses são às dezenas! Não é por acaso que a Nova Zelândia, proibiu a venda de imobiliário a estrangeiros...

Anónimo disse...

Não têm é vergonha na cara, isso sim.

Fatyly disse...

Inteiramente de acordo quer em termos religiosos quer em termos políticos!

Um abraço e bom domingo

Anónimo disse...

Geringonça no seu "melhor" com este caso Robles.Mas há mais!
A visita de Costa a Angola,recebido com honras de estado,e em profundo respeito desfila de calça de ganga,camisa aberta e o casaco do irmão mais novo,já demasiado justo a pedir reforma.
Será desrespeito ou desleixo?
A Gonçalves