terça-feira, 8 de novembro de 2022

Fim de semana especial

Este ultimo fim de semana foi especial, porque fazia anos um grande amigo. E a celebração era dupla, porque se tratava da saída dos cinquenta e da entrada nos sessenta, do nosso Zé Agualuza. Os amigos próximos dele, medem-se pelas duas centenas e, desta vez, muito poucos faltaram.
Tudo se passa sempre em Aveiro, numa discoteca, na qual decorrem os jantares e o convívio musical que se costuma seguir. 
A "GRUPA", como chamamos a este núcleo de gente que vai do Sul e vem do Norte, tem por hábito alojar-se no mesmo hotel que fica quase por nossa conta. Assim, por volta das quatro da manhã, recebem-nos mortos de cansaço, para um pequeno almoço, que repetiremos de manhã por volta das 11h, mas ainda não totalmente refeitos do bailarico e da comezaina.
Este ano o Zé resolveu dar um presente a todos nós. Foi uma longa entrevista, feita pela Margarida Pinto Correia, na qual contou, com toda a naturalidade, o que foram as suas seis décadas de vida. A mim emocionou-me, sobretudo, porque quando o conheci ele teria quarenta e poucos anos  e já eram dados por adquiridos uma série de pedaços da sua vida anterior, por parte dos amigos de criança. Fiquei, portanto, a admira-lo ainda mais!
Depois foi o convívio com pessoas de quem gosto muito, mas vejo pouco, porque são do Norte e vivem no Norte. Desses matei saudades. 
Foi o caso do Miguel Vieira e da Susana sua irmã. Foi por isso que pude ver a lindíssima coleção de joias que ele desenhou. Um anel, um fio ou uma pulseira são tão delicados e elegantes que os estrangeiros que compram uma vez, não mais deixam de o visitar.
Eu que sou sua fã há muito tempo e uso muita coisa concebida por ele, quando as levo ao estrangeiro há sempre quem me pergunte de quem são. E eu, orgulhosa, lá respondo são do Miguel Vieira!
Claro que a alegria começou com a partida, porque fui com a Helena Isabel, a Sofia Grilo, e a Silvia Rizzo. Paramos para o café, paramos para comer e paramos para parar. Sempre na risota. 
Mas depois, para a festa, era ver o pessoal feminino, cheio de brilhos. E na ceia, as luzes da discoteca que voltaram a funcionar, a música não parou e o pessoal acompanhou.
Assim, as mais velhotas, pelas duas da madrugada, exaustas, voltaram para o hotel. E como se está tornar hábito, lá dei uma quedazita que só não foi maior, porque a Helena Isabel me deitou a mão!
Voltamos satisfeitas, porque o Zé esteve feliz e nós pudemos fazer parte dessa sua felicidade! Sabe muito bem, nesta espécie de degredo em que parece que caímos, ver um grupo, rir, dançar e dar abraços. Quase lembra o paraíso!

HSC

segunda-feira, 24 de outubro de 2022

Morreu Adriano Moreira


Era uma pessoa que admirava muito. Não vou aqui falar do Professor, nem do Homem, porque já tudo foi dito. De bom e de mau, mesmo na altura da sua morte, em que se espera sejamos parcos, para que a dor dos que são próximos, não seja maior.

Assim, as minhas palavras de compaixão vão para a mulher, por quem tenho grande ternura e para os filhos que sabem que o Pai, pese embora os desgostos que teve, considerava ter tido uma vida feliz! 

Que descanse em paz.

HSC

quinta-feira, 8 de setembro de 2022

The Queen

"Elisabeth Windsor, Queen of the United Kingdom, passed away. A role model of dedication to people and country. RIP"

A frase acima descreve, em poucas palavras, uma vida grandiosa de alguém que dedicou setenta anos da sua existência à frente dos destinos da Commonwealth. Quando nasci, ela tinha 10 anos e nada a preparava para o destino que viria a ter. Lembro-me bem dos momentos e situações que ditaram a sua vida.

E, não sendo monárquica - porque cresci numa família republicana -, esta forma de organização politica não me incomoda nada porque, entretanto, fui crescendo e aprendendo que são os países que devem escolher a forma como são governados. E, confesso, encontrei muitos príncipes entre os republicanos que conheci.

Então porque eram republicanos? A resposta a esta questão já deu origem a alguns bons livros que li. Mas cá bem no fundo, julgo que grande parte deles não o confessava por receio, medo mesmo, de ferir o "politicamente correto".

A rainha Isabel não poderia nunca ser uma Presidente da Republica. Deu, aliás, uma bela lição de como nós podemos, quando queremos, exercer um cargo para o qual não fomos preparados e exerce-lo de uma forma exemplar.

A rainha Isabel de Inglaterra foi rainha de outros países porque teve a suprema inteligência de nunca os abandonar. Para mim, representou uma rainha a nível mundial e , creio, como tal será sempre lembrada.

Que descanse em paz, ao lado do seu marido, já que sem ele, a viúva, apenas cumpriu os seus deveres de rainha!

HSC

sábado, 20 de agosto de 2022

Autopromoção


Não sou das pessoas que falam muito acerca do que escrevem, embora perceba quem o faça, porque os livros são escritos para serem lidos. Por isso, aqui venho eu dizer-vos que gostaria muito de ver na Feira, neste dia, aqueles que apreciam o que escrevo. Espero-vos muito contente.

Estarei igualmente no Stand da Penguin Random House pelas 16 horas, para quem queira ter os meus livros desta editora autografados.

A todos os que quiserem e puderem ficarei muito grata.

HSC

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Será uma questão de idade?

Durante muito tempo, convencionou-se que nas ligações sentimentais, o homem deveria ser mais velho do que a mulher. Ninguém discutia esse principio, nem mesmo, como no caso dos meus pais, um tinha o dobro da idade da outra.

Os tempos foram correndo e começámos a ter notícia de que, no outro lado do Atlântico, se dava inicio a um processo contrário, em particular no Brasil. Primeiro foram as atrizes, mas depois o movimento alargou-se e  começou a ser natural que tal acontecesse fora do meio artístico. 

Com a ligação especial que os dois países mantêm este posicionamento chegou cá, também. Hoje conheço vários casais nesta situação e a duração do matrimónio não dependeu do fator idade.

Amar tem um lado físico muito importante. A sexualidade é um dos vetores que convém ponderar, antes de uma união se tornar algo de mais sério. Mas essa sexualidade não depende da idade. Depende de um entendimento comum por aquilo que dá prazer a um lado e a outro. E mesmo esse prazer ir-se-á modificando ao longo dos anos. Melhorando nuns casos, piorando noutros. Por causa da idade? Não creio. É a nossa cabeça que comanda os nossos comportamentos. E se ela evoluir, em ambos, da mesma forma  teremos a chance de viver uma sexualidade fecunda e harmoniosa, porque qualquer deles procura cada vez mais, ter maior satisfação.

Claro que a idade traz, também, alguns problemas. Sobretudo, para a mulher cuja fertilidade tem limites. Assim, se para alguém ter filhos for uma prioridade, deve ter em atenção esse ponto. Mas também é verdade, que para os homens a partir de uma certa altura, a virilidade sofre, igualmente, alterações.

Todos nós sabemos isto. Mas não foi isto que impediu o jovem Macron, hoje com 44 anos, de casar com a sua professora, que vai fazer 70 anos, ou seja mais 24 do que ele. 

Escândalo? Na altura, claro que sim, embora se fosse o contrário, ninguém se admirasse. Depois, foi o ataque. O casamento teria sido o disfarce para uma eventual homossexualidade do marido. Depois, depois, habituaram-se e os franceses consideram, agora, que a sua primeira dama tem as mais belas pernas da França.

O amor é demasiado complexo para se adaptar a normas como esta. Como sempre, primeiro estranha-se e depois entranha-se. É mesmo isto que o amor é: algo que se entranha e apodera de nós!

HSC 

quinta-feira, 28 de julho de 2022

OS IL DIVO






Numa passagem por Lisboa, uns amigos arrastaram-me para o concerto dos IL DIVO, de quem sabiam  eu ser grande admiradora. 

Depois da trágica morte de Carlos Marín por Covid, os restantes membros dos Il DIVO – David Miller, Sebastien Izambard e Urs Bühler, depois de várias dúvidas – tinham cantado juntos 17 anos - decidiram prosseguir com a sua tournée, mas agora em tributo ao colega falecido.

A digressão, anteriormente chamada For Once in My Life Tour, avançou agora com um novo nome –Greatest Hits Tour e incluiu um convidado especial – o barítono americano Steven LaBrie. É este espetáculo tão especial que os IL DIVO trouxeram dia 24 à Altice Arena e que a mim me deixou deliciada.

LaBrie é um excelente barítono, mas não é espanhol, nem tem a presença física de Marín, que era um belíssimo homem. Mas trouxe à segunda parte do programa uma série de canções moderníssimas que mostraram bem a capacidade vocal dele e do grupo que o acompanhou.

Pode ter-se saudades do grupo inicial e eu tive. Mas senti-me refrescada por dentro, por ter amigos que se lembram, na minha ausência, daquilo que eu gosto.

Foi uma bela noite que terminou num passeio por uma Lisboa renovada, limpa, com casas modernas que eu não conhecia, porque não ando habitualmente por aquelas zonas que, agora, se tornaram bairros de elites.

E vivo eu, na fina Lapa, onde tudo parece estar igual há 30 anos, quando para aqui vim…

HSC 

terça-feira, 19 de julho de 2022

Adeus Maria de Lourdes


Fui totalmente apanhada de surpresa com a morte da minha querida Maria de Lurdes.

Será muito difícil explicar como a nossa amizade nasceu. Mas guardo bem presente o almoço que tivemos depois da saída de "A minha cozinha" e do que ela então me disse.

"Eu sei que você é economista, tem um emprego invejável, mas é uma pena se deixar de publicar receitas que são um misto da cozinha da sua avó  e da cozinha da própria Helena. Se o continuar a fazer com a qualidade, gosto e fotos deste, eu prometo que lhe o apresentarei!

Assim foi. Daí nasceu uma ligação que jamais esqueci, nem esquecerei. Obrigada, minha querida, por toda a força e sobretudo pela bondade de ouvir as minhas experiências gastronómicas, que sempre nos divertiram muito.

Eu continuarei a ser a sua "cozinheira" e a fazer experiências pensando em si!

HSC