quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Dias felizes


                        

Foi no Petit Vingtième - jornal católico belga - que Tintin se estreou, a 10 de Janeiro de 1929. Uma certa esquerda nunca lhe perdoou a sua viagem pelos sovietes e o seu anti-comunismo. Como se isso fosse defeito...
Teria hoje 90 anos, uma bela idade. Curiosamente, parece que o tempo não passa por ele. Continua com o mesmo aspecto enérgico e defensor dos pobres e desprotegidos. Mas tão actual que, quer eu, quer o meu filho e os meus netos continuamos a lê-lo com idêntico prazer, o que pode considerar- se um verdadeiro um espanto, de tão contemporâneo que é. A jovialidade que o caracteriza constitui, também, uma arte de associação que infelizmente se perdeu.
Estes livros acompanharam-me a vida inteira. E muitas vezes, posso garantir-vos, terão transformado dias pesados, nalgumas horas bem felizes!

HSC

2 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Com amigos comprava os fascículos que coleccionávamos religiosamente.
Companheiro de vida.
A banda desenhada sempre foi, e é, uma paixão.
Bom fim-de-semana

Anónimo disse...


Helena
Gostava tanto de ver os desenhos animados com ele.

Os livros dão horas felizes, os livros dão tanto!

Voltei a reler a sua entrevista na revista Cristina, é certo que a psicanalise ajuda a conhecer certos coisas em nós, a olharmos para a vida com outros olhos, a querermos mais da vida, ou a reconhecermos o bom que temos e não jogarmos fora.
Mas certos desgostos ficam cá dentro e só o tempo vai ajudar a atenuar, uma amiga minha vai-me enviar um texto onde o Padre Tolentino fala sobre isso.

Abraço
Carla