quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Esta Lisboa que eu amo...


Não me conformo com o desleixo e o mau aspecto do Rossio.
Cada vez que me tenho cruzado com o Presidente da CML, e nos últimos 4 anos tem sucedido haver encontros casuais, falo-lhe neste assunto. Simpaticamente e sempre com um sorriso, diz que concorda com a necessidade de haver uma intervenção, mas até à data nem sequer deverá ter dado uma volta a pé pela Praça, para se aperceber do seu estado lastimável.
Ainda há dias, ao atravessar a placa central, vi um casal um pouco mais novo do que eu, ainda certamente na casa dos 60 (que já não eu…), a observar detalhadamente a famosa Fonte Wallace (século XIX), a tal que está em frente ao NICOLA, semelhante a 16 que existem em Paris.
Só há pouco tempo soube que um tal Senhor Wallace também ofereceu uma a Lisboa. Pois meti conversa com eles que estavam desolados com a ferrugem qua a começa a corroer o ferro fundido, para além de não deitar uma gota de água. Chegámos á conclusão de que não deverá passar muito tempo até que, numa bela noite, a dita obra de arte seja “adoptada” por alguém que a levará para um sítio mais “digno”… de um jardim privado.”

 (Excerto da carta de um grande amigo que, como eu, ama o seu país)

Não é a primeira vez que aqui me insurjo contra o estado a que o nosso Estado deixou chegar a capital. Falo de Lisboa, onde resido, mas podia subir a Coimbra e ao Porto e detectar os mesmos defeitos.
É uma pena que se deixem chegar certos monumentos a uma tal degradação. É que um roubo ficaria logo justificado, se as fontes fossem "viver" em locais onde a sua manutenção estivesse assegurada.
Senhor Presidente Medina, passe pelo Rocio, a pé, e veja o que os seus municipes lhe pedem. Salve o que resta de um passado que, ele também, conta a nossa história.
Já agora convém lembrar-vos como surgiu a fonte a que me refiro acima.
A chamada Fonte Wallace compõe-se de uma série de obras de arte em ferro fundido para embelezamento de praças e parques públicos, de grande beleza e raridade, produzidas no final do século XIX.
O nome deve-se ao seu idealizador, o filantropo inglês Sir Richard Wallace que doou 100 exemplares da Fonte à cidade de Paris em 1872 e, posteriormente, o fez para outras grandes cidades pelo mundo afora.
Estas fontes foram fundidas na década de 1870 pela fundição Val d’Osne, em França, e o seu escultor, Charles Lebourg, captando o espírito de sua época (o período romântico francês), fez representar, através de quatro belas cariátides, algumas virtudes eternas: a Bondade, a Caridade, a Sobriedade e a Simplicidade. Sobre um pedestal destacam-se, pois, as quatro delicadas estátuas femininas, trajadas em vestes gregas, que sustentam uma cúpula.
Richard Wallace viveu de 21 de Junho de 1818 a 20 de Julho de1890 

HSC

6 comentários:

Anónimo disse...

Certos autarcas (e seus acólitos) parece que têm horror ao belo e a tudo aquilo que representam. Estão empenhados em substituir o que de mais antigo e bonito temos por trastes modernos, sem qualquer estética. É ver o centro de Guimarães, o Toural, como aquilo ficou, não há um vimaranense que o aprecie. No Porto, ocorre-me o Palácio de Cristal, cuja soberba paisagem atrai cada vez mais turistas, está negligenciado de forma inexplicável!
Se os cidadãos se manifestassem mais... está visto que sem cidadania activa não vamos a lado nenhum!
Maria

Margarida Palma disse...

Eu também não me conformo!Podemos fazer alguma coisa?

Que tenha um bom fim de semana - está quase a chegar!

Margarida Palma

rui soares disse...

pequena e modesta reparação : será "Rossio" e não rocio....

Anónimo disse...

... pelo Rocio...

Gralhas

Silenciosamente ouvindo... disse...

Subscrevo totalmente as suas palavras.

O que interessa é construir Hotéis…

Uma profunda decepção pelos autarcas

que dirigem certas C.M.!!!
Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Isabel Cortez disse...

Políticos, está tudo dito!
Promessas eleitorais e apenas isso.
Decoro e honestidade de carácter, muito poucos.
Um bom fim de semana.
Parabéns pelo novo livro.
Boa saúde e disposição.
Ana Cortez