quinta-feira, 22 de junho de 2017

E agora?

Terminaram os três dias de luto e o minuto de silêncio. Amanhã ou depois, os fogos terão eventualmente terminado. E ficará apenas a gente indispensável ao rescaldo dos mesmos. As televisões irão progressivamente voltando ao futebol e aos debates de arredonda mês. Por mais dois ou três dias ainda se citará o desastre.
Depois cada uma daquelas povoações ficará submergida num silêncio pesado, trágico, ensurdecedor. Os presidentes das câmaras virão a Lisboa tentar que se não esqueçam deles.
E no que resta de cada aldeia, algumas pessoas ficarão silenciosas à espera de que se lembrem delas. Outras irão, finalmente, cair em si e no drama de terem perdido tudo. Ficarão tristes e sem forças para reagir. Outras, ainda, irão para as Igrejas que restam, rezar ao Senhor.
E pouco mais se saberá desse pequeno mundo que, durante semana e meia, esteve sob os holofotes. Em compensação as " cabecinhas pensadoras", a elite que nos dirige, enfim, os especialistas, dedicar-se-ão a pensar o problema até ao próximo mês de Junho de 2018, porque há autárquicas e é preciso fecha-los num gabinete e calar o assunto.
E agora? Agora, é isto que se vai passar...

HSC

12 comentários:

Maria Silva disse...

Pois é.
Fala a clarividente experiência.
Muitos pensam o mesmo sem o verbalizar.
Obrigada por havê-lo feito.

Aniceto Carvalho disse...

QUEM SABE, SABE... A Doutora Helena tem a minha idade... faça favor de continuar a escrever por mais uns anos, que eu, prometo-lhe, vou fazer todos os possíveis para acompanhar as suas leituras. Saudinha da boa.

Pedro Coimbra disse...

O tão conhecido same same but different, infelizmente.

Silenciosamente ouvindo... disse...


Será mais ou menos isso que se vai passar, infelizmente.

Gostaria de saber,mas penso que não vou saber, se de

tanto dinheiro que foi dado, chegará algum ao bolso das

pessoas para reconstruiram as suas casas, e comprarem

de novo todo o seu recheio. Isso é que eu gostaria de

saber, que daqui a uns tempos as televisões fossem lá

perguntar às pessoas.

Os meus cumprimentos.

Irene Alves

Fatyly disse...

Não poderia estar mais de acordo!

Anónimo disse...

Subscrevo.

Virginia disse...



Não há reportagens in loco para sabermos como é que as pessoas estão a ser ajudadas, do que precisam na realidade, quem está no terreno a ajudar cada família a superar as suas perdas. Tambºem não vejo Tj, não aguento as Judites a chorarem lágrimas de crocodilo.

Raquel disse...

Sim, surge a tragédia e há a tendência a ser debatida meses e meses seguidos, o que se podia fazer, o que se poderá fazer... Talvez os diálogos tenham a sua utilidade, mas há algo que os afasta da situação real, a situação premente que foi e que, para muitos, continua a ser!

Anónimo disse...

Estoy tan agradecida a todas las amigas que me han llamado desde lejanos rincones de Europa y América para saber como estaba el infierno en que durante estos días se ha convertido mi querido Portugal...

Aparentemente todo está ya controlado, pero nada será igual. Quien repondrá los recuerdos, las fotografías, aquellos visillos de crochet hechos con tanto amor que protegían los cristales del exceso de la preciosa luz, las macetas coloreadas con geráneos de todos los color ...?

Espero que esto no se olvide; que todas estas vidas sean recordadas; que se repongan los Guardas Forestales para vigilar los posibles fuegos; que nadie haya muerto en vano.

Gracias Helena por aportar "tu granito de arena". Tengo aquí al lado tu libro "Caminos para Dios". Lo leo con frecuencia.

Nos conocimos en el homenaje a Carlos y me encantó poder saludarte. Carmita y Carlos me son muy queridos.

Anónimo disse...

Caríssima Dra Helena

O Futebol infelizmente não reza melhor sorte tenha a certeza.

Infelizmente há " cabecinhas pensadoras" que estipulam jogos e treinos entre as 11h e as 17 horas em horário de risco com temperaturas de 30 a 40 graus,sabia disto?
E os nossos Campeões do Mundo / Europa e outros jogadores que Dão tudo pela Arte sofrem em silêncio...
O que devia ser um gosto é Sacrifício.
Em Sesimbra outro dia já um se sentiu mal.E alguém faz alguma coisa?
Recebem medalhas para fotografia e Show OFF mas Condições dignas é que não!

Alguém imagina o que é ter de jogar á torreira do sol com 40 graus?
Admite-se isto num país evoluído?!

Estão á espera que aconteça o mesmo que aconteceu com os jovens do exército... Supostamente um golpe de calor e morreram no exercício de funções de treino.

Talvez quando uma tragédia acontecer venham os dias de luto e minutos de silêncio também no Futebol de Praia e etc.

É triste,revoltante é inadmissível que isto se verifique ano após ano.

A Comunicação Social devia preocupar-se e alertar os responsáveis desta prática.

Pois...

" Somente quando entendemos nos preocupamos
Somente quando nos preocupamos queremos agir
Somente quando agirmos podemos melhorar a vida dos nossos semelhantes"

De Norte a Sul do país no interior e nas praias vão realizar-se jogos ás

11h
Meio-dia
13 h
14 h
15 h
16 h..

E mais...saiba que os desportistas nem direito têm a um chapéu de sol quando estão no banco a descansar de uma modalidade extremamente exigente como é o Futebol de Praia.

E ganham a Honra de lutar pelo país,pela camisola.

Sabe Dra,eles dão o Máximo DESEMPENHO com CONDIÇÕES MÍNIMAS.

Que o Governo e os responsáveis olhem para o risco da saúde deles...ou não sabem que esse horário é propício para contrair um cancro de pele?!

É assim que o País lhes agradeçe a Glória?

Quem será depois o responsável?!

Tristeza profunda.







Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Anónimo das 22:44
Já aqui escrevi sobre essa insanidade, o ano passado. Mas fez muito bem em lembrar. Porque sou insistindo é que as cabecinhas pensadoras ligarão o neurónio que lhes resta!

Anónimo disse...

Caríssima Dra Helena

Se a insanidade tivesse cura eu ficava descansado.Assim não.
Aposto que para o ano estou a dizer o mesmo e a Sra Dra a concordar...infelizmente.
Estão certamente á espera que aconteça o pior.

A 22:44