terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Os "sacos legais"


Odeio prepotências, quase tanto como odeio o moralismo das "santidades políticas" que querem fazer de mim parva. Os dez centimos cobrados desde o dia 15 de Fevereiro passado pelos sacos de plástico legais, são uma prepotência e uma violência que vai trazer ao aplicador da infeliz norma mais custos do que benefícios,
Com efeito, antes as pessoas distribuiam os pesos por vários sacos que lhes eram fornecidos gratuitamente*, o que lhes permitia gerir o esforço físico dispendido da forma mais conveniente. Com a actual obrigação dos sacos reutilizáveis, enormes, fabricados no tal plástico consentido - e, claro, fonte de lucro para quem os vende - cada pessoa para poupar, tenta colocar todas as compras que efectua num só saco, o que os torna pesadíssimos. É ver o pessoal ajoujado com o peso...
O qual, a meu ver, pode muito bem vir a provocar umas belas distensões musculares que, é evidente, depois o Estado irá pagar através do SNS. E numa finíssima análise, poderemos, até, juntar mesmo uns dias de baixa que as ditas irão justificar.
Aqui temos, portanto, as vantagens dos sacos de dez centimos que o governo se lembrou de implantar. Valha-nos Deus com medidas destas. É a fiscalidade verde, é a defesa do ambiente, é a cidadania imposta à lei do martelo, é, enfim, é a idiotice chapada...
Então, se o que se pretende, com a medida, é educar para os malefícios dos anteriores, porque não serem gratuitos aqueles que obedecem às normas legais?!
Resta-me uma dúvida. E os sacos do lixo? Ainda não percebi qual a norma que se lhes aplica...

HSC

*Nalguns supermercados não eram gratuitos. Mas eram muito mais baratos....

27 comentários:

maria madeira disse...

Acredito que existe algum oportunismo por parte do governo, mas ao mesmo tempo acho estranho que em alguns países as pessoas tenham uma maior consciência em relação ao ambiente e em Portugal não. Não reciclamos ou reciclamos muito pouco, barafustamos quando nos dizem que talvez fosse melhor começar a pôr o plástico de lado. Não entendo a dificuldade...

O único grande senão vai para os comerciantes e para o stock de sacos. Aí teria de existir uma solução viável.

Por mim, deixei de usar sacos de plástico há já meia dúzia de anos, comprei uns sacos na Loja Casa (passo a publicidade) que se enrolam e cabem na palma da mão, não ocupa espaço algum na carteira, portanto não existe aquela desculpa de ter que fazer compras e... esqueci os sacos em casa. Para o lixo compro rolos de sacos recicláveis de marca branca. Uma outra solução que funciona muito bem são os sacos grandes que se compram em qualquer superfície comercial e que podem sempre ficar no porta bagagens do carro. Et voilá, quando vamos às compras é só levar os ditos. Não custa nadinha, digo eu, que já o faço há muito tempo. Não precisei cá do governo para me impor regras ou levar-me mais um dinheiro da carteira por sacos de plástico.

Quanto a esta parte:
cada pessoa para poupar, tenta colocar todas as compras que efectua num só saco, o que os torna pesadíssimos. É ver o pessoal ajoujado com o peso... O qual, a meu ver, pode muito bem vir a provocar umas belas distensões musculares"

Pessoas que levam as suas compras numa só mão existem desde sempre, mesmo quando os sacos eram grátis. Penso que não é por aí :D

Pôr do Sol disse...

Pois, essa será tambem a minha duvida quando se me acabar o stock dos sacos gratuitos que guardei para o lixo.
Será bem aceite despejarmos os caixotes do lixo caseiro directamente nos contentores de rua?
Chamo a isto fazerem-se leis só para mostrar serviço, mau, digo eu.
Haja paciencia!

bea disse...

Já me satura ouvir quanto o governo pensa arrecadar à conta de sacos a 10 cêntimos.

Vamos atafulhar as carteiras de sacos, andar derreadas com tanto peso, estragar ainda mais o esqueleto.

Não haverá uma noticia boa a dar aos portugueses, de que retirem benefício e lhes seja leve?

Helena Sacadura Cabral disse...

Maria Madeira
Ainda bem que discorda de mim. É na diversidade que as sociedades caminham.
Eu faço compras dia sim, dia não, porque gosto de comer legumes frescos. Uso sacos de pano impermeável há muitos anos. E gostava de reciclar o lixo, mas para o fazer teria que o meter no carro e ir despejá-lo bem longe da minha casa onde há o eco ponto mais próximo. Isso não faço porque não ando de carro com esse objectivo, ando a pé. E é por andar a pé que vejo as pessoas com mais peso e menos saco.
Quanto ao resto creio que levou muito à letra um post que pretendia ter um lado de humor negro. Não o consegui, acontece aos melhores...

Anónimo disse...

Amiga Helena,
Pois é, toda esta saga dos sacos me faz lembrar uma frase de minha avó, nascida nos anos 80 do século XIX, que quando ouvia qualquer coisa parecida com marketing, nos anos 50 do século XX, dizia: "Ah! Meu filho, isso são trapaças ao dinheiro!" Esta dos sacos, sem prejuízo do que está em causa, a praga dos sacos, cheira-me a "verdura" a mais. O que o Estado, ogre insaciável, também quer é arrecadar mais umas "taxinhas", como diria o outro, em tarde de má memória... e má digestão...
José Honorato Ferreira

Ältere Leute disse...

Eu sentia que havia nisto algo de errado para a saúde pública, mas não tinha identificado o quê... Obrigada! Vou partilhar, posso ?
MªAugusta Alves

nelsonfaustinopt disse...

Taxativamente falando, estamos a pagar 2 vezes por cada saco: governo + grandes superfícies.
Pelo que sei, quando pagávamos as nossas compras, já estamos a pagar os sacos, uma vez que o imposto do saco já está/estava incluso no preço de cada produto.

Fatyly disse...

Aqui temos, portanto, as vantagens dos sacos de dez euros que o governo se lembrou de implantar. Valha-nos Deus com medidas destas.
..........
Dona Helena desculpe o abuso...mas os impostos, taxas e taxinhas são tantos que por vezes baralha-nos:)
10 Euros? Por favor não dê mais ideias a "cabecinhas pensadoras"!

Toda esta paranóia é em prol do ambiente? Por um lado sim, mas por outro foi a forma para "roubarem mais uns trocos ao cidadão". Já agora...e nos combustíveis? Pois é!

Voltando aos sacos...sempre fiz a reciclagem de tudo e agora sabe o que vejo por parte de muitos daqui? Vai tudo para o "lixo comum" ou seja...foi pior a emenda que o soneto!

Concordo consigo quanto ao peso e incómodo dos ditos que já uso há muito tempo, sobretudo para quem tem que subir quatro andares sem elevador, porque as pegas são grandes e temos que os erguer tal "peso e alteres" para não irem a bater nos degraus.

Enfim!

Um bom dia

Anónimo disse...


Bom dia Helena!
Sou, cliente assídua do PD , gosto dos produtos da sua marca, qualidade/preço. Há muito tempo que uso, os sacos de plástico reciclável custam 0,50 mas duram uma vida, andam sempre no carro. É verdade, que às vezes as minhas costas acusam o esforço que faço com os sacos, assim optei por levar o carrinho até ao carro.
Já reciclar, já o fiz, hoje só guardo as tampinhas de plástico,
os ecos estão longe da minha casa. E, como na minha zona somos muitas vezes esquecidos pela freguesia, talvez pensem que temos o dever de limpar os passeios de ervas enormes, como do lixo, que se acumula nos passeios, é uma forma de me manisfestar contra a sua politica.

Carla

Lulu disse...

E isto de "ajudar o ambiente" é só uma desculpa mal amanhada (infelizmente). Já uso sacos reutilizáveis (de tamanho médio) à muito tempo.
E, por exemplo: Dos 10 cêntimos que custam os sacosd e plástico do Continente, nem 1 vai para a fiscalidade verde, já que eles passaram a utilisacos acima dos 50 microns. Portanto, é tudo muito bonito mas para inglês ver e português carregar.

Anónimo disse...

Este governo dá com uma mão (os tais aumentozinhos por exemplo aos funcionários do Estado) e tira com a outra: este tipo de imposto que aqui fala e tantos outros, como bem sabemos. Quem fez, outro dia, uma bela demonstração disso mesmo foi um deputado do PCP, aliás com muita graça, através de um jogo de Lego, onde expunha, perante a Ministra das Finanças, como o governa fingia dar aos cidadãos, para depois os roubar, através de impostos, taxas e taxinhas.
Este governo (e os anteriores eram a mesma coisa) numas coisas gosta de se dar ares de ser muito avançado, noutras é o contrário. Ora vejam lá se, por exemplo, vai copiar a disposição constitucional alemã que considera as reformas como propriedade privada? É o vais! Toca de as reduzir para pagar os juros à Troika! Uma vergonha.
Um governo patético e, felizmente (!), em vias de ser devidamente corrido pelo voto popular!
Matos Rebelo

Anónimo disse...

O comentarista Fatyly escreveu 10 euros,quando devia ser 10 cêntimos. Ai essa matemática! Ou então as pessoas tem muito dinheiro e nem reparam na diferença entre euros e cêntimos...
Quanto à nova forma de impor um novo imposto verde, nós portugueses não inventamos nada, isto é uma cópia do que os países do norte da Europa fazem. Concordo com esta medida, pois só assim "nós" vamos pelo caminho certo!

Escrever Fotografar Sonhar disse...

Para mim o tema é mesmo os sacos do lixo, agora em vez de reutilizar os do supermercado vou ter mesmo que os comprar para esse propósito, e o ambiente não ganha nada com isso. Só quem vende os ditos sacos.

cabecinhapensadora disse...

De mim o governo leva zero em sacos plástico.

Virginia disse...

Na Alemanha não há sacos de plástico, só de papel ou pano. Todos os clientes se habituam com o tempo a levar o seu saco ou sacos quando vão ao supermercado. Tudo vem da educação. Contra mim falo que venho do Jumbo com 4 ou 5 sacos, mas porque não me ralo muito com o ambiente :)

Anónimo disse...

É caso para dizer que - É um "saco" isto dos sacos!
André

CS disse...

Cara HS
A incógnita quanto aos sacos do lixo, também me ocorreu. Esperemos uma solução "democrática", para os ditos.

CS disse...

Fatyly:
Leia bem por favor.
Helena Sacadura Cabral escreveu ( e muitíssimo bem) por extenso - dez cêntimos , e não - dez euros.

Raúl Mesquita disse...

Olá Helena!

Concordo consigo 100%

Creio que na Irlanda, com uma parecida, a compra de sacos de lixo fez aumentar o consumo de plástico não biodegradável, ao fim do ano (2014?) Revoltante, por exemplo, que no Pão de Açúcar das Amoreiras se tivesse de vir a pagar 10 "cents" por sacos 100% biodegradáveis ou a substitui-los por sacos poluentes para que tivessem de ser pagos... Ora isto não é andar a gozar connosco; a tomar-nos literalmente por parvos?

Raúl.

Raúl Mesquita disse...

E, Cara Helena, esqueci-me de acrescentar:

2 cêntimos para o Estado e 8 para o comerciante… se este quiser vender esses sacos. É, verdadeiramente um "Toma lá, dá cá…"
Só resta o público não ir na cantiga e obrigar o comerciante a usar, por exemplo, sacos de papel resistentes, grátis. Já se pagam os produtos, é demais!

Raúl.

Anónimo disse...

Sendo humor negro teria que ser mais bem trabalhado para induzir o sorriso ou gargalhada.

Sendo uma posição séria e reflectida levaria a uma forte desconsideração da minha parte em relação à Helena.

Penso que a medida é imprescindível numa óptica de educação ambiental, que ainda tem muitas lacunas em Portugal, e só peca por tardia.

André Lopes

Helena Sacadura Cabral disse...

André Lopes
Isto do humor é sempre arriscado... depende de quem o faz e de quem o interpreta.
Quanto à medida imprescindível numa óptica de educação ambiental pergunto: se os sacos fossem gratuitos, não se educava?!
Ensinar tem um custo...

Anónimo disse...

E os sacos de papel não são um atentado á Natureza?Como ficam as florestas com o abate das árvores?Tapam de um lado e destapam de outro!Há coisas que por mais que pense ...não chego ás cabeças que se "dizem amigas do ambiente".
André

Fatyly disse...

Anónimo das 12.58 e CS

Não preciso de justificar nada e a Dª.Helena sabe bem do conteúdo do meu comentário.

Os vossos comentários leva-me a pensar numa coisa: como é tão fácil fazerem-se julgamentos em praça pública sem sequer procurarem saber o "cerne" da questão.

Sendo eu quem sou não preciso de advogados de defesa e muito menos a Dª. Helena, pessoa que estimo, respeito e admiro bastante e assim a questão morre aqui. Certo?

Dª. Helena...desculpe este meu comentário/resposta.

Beijos e um bom dia

Dalma disse...

HSC, há mais de 25 anos quando nós viajávamos com três filhos em autocaravana por essa Europa, e portanto frequentávamos os supermercados, me lembra de não darem sacos plásticos para as compra! Havia sim do lado de fora das caixas e de forma mais ou menos organizada as caixas de papelão onde os produtos vinham dos armazéns e que assim tb eram reutilizadas! Para a fruta e para o pão havia junto às prateleiras sacos de papel! Acho que nós já vamos mt atrasados na diminuição de algo tão pouco amigo do ambiente. O preço dos atuais é, penso eu, para ter um efeito dissuasório! Daqui a dias estamos todos habituados e a polémica acaba!

Anónimo disse...

Infelizmente educar tem custos e os custos são a vários níveis, podem ser económicos mas também podem ter custos de conflitualidade e outros tantos, nada ou quase nada se faz sem custos. Estou completamente de acordo com esta medida é um primeiro passo do que ainda há para mudar em termos de cultura ambiental mais cívica. Mas por cá é tudo tão difícil...
Inês Galvão

Margarida Barata disse...

Não comprava sacos do lixo, reciclava os do supermercado. Agora vou ter de comprar, com a agravante que não encontro sacos com a capacidade exacta, em litros, do meu caixote do lixo! Parece-me que já não vou ser tão amiga do ambiente.