quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Viver

O que mais surpreende na Humanidade?

"Os homens...porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar asaúde. E, por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem o presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. Vivem como se nunca fossem morrer...e morrem como se nunca tivessem vivido"
(Resposta atribuída ao Dalai Lama)

"O lucro, o benefício, o ganho" sempre foram, nas suas diversas manifestações, os fios condutores da humanidade (insisto no h minúsculo), como se eles constituissem o supremo objectivo para que fomos criados. Com efeito, levamos uma vida inteira a trabalhar para os conseguirmos alcançar e morremos por causa dos excessos que para tal cometemos, na maior parte das vezes, completamente inglórios.
Julgo tratar-se de um problema de educação, que nos prepara para tudo menos para ser solidários. Nem mesmo na famosa trilogia revolucionária francesa - liberdade, igualdade, fraternidade - se fala de "solidariedade", muito embora se tente incluí-la no conceito de que todos somos irmãos. Ora ser solidário é bastante mais do que amizade fraterna. Pena é que ainda hoje o não tenhamos compreendido.
No entanto, se nos debruçarmos sobre aquilo que o Homem mais quer, a resposta é sempre a mesma: ser amado. Se assim é, porque nos teremos transformado em máquinas cuja função principal é produzir cada vez mais para depois guardar sem partilhar e até mesmo sem consumir?
É isto que dá à resposta do lider espiritual do povo tibetano tanta actualidade num mundo em que a ganância de uns provocou a desgraça de tantos...

H.S.C

1 comentário:

num relance disse...

destino


o destino do homem
é ser amado

ser amado
por quem

não há forma de ser amado
no amor que se não tem

Pedro
26-Fev-2009