quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Será uma questão de idade?

Durante muito tempo, convencionou-se que nas ligações sentimentais, o homem deveria ser mais velho do que a mulher. Ninguém discutia esse principio, nem mesmo, como no caso dos meus pais, um tinha o dobro da idade da outra.

Os tempos foram correndo e começámos a ter notícia de que, no outro lado do Atlântico, se dava inicio a um processo contrário, em particular no Brasil. Primeiro foram as atrizes, mas depois o movimento alargou-se e  começou a ser natural que tal acontecesse fora do meio artístico. 

Com a ligação especial que os dois países mantêm este posicionamento chegou cá, também. Hoje conheço vários casais nesta situação e a duração do matrimónio não dependeu do fator idade.

Amar tem um lado físico muito importante. A sexualidade é um dos vetores que convém ponderar, antes de uma união se tornar algo de mais sério. Mas essa sexualidade não depende da idade. Depende de um entendimento comum por aquilo que dá prazer a um lado e a outro. E mesmo esse prazer ir-se-á modificando ao longo dos anos. Melhorando nuns casos, piorando noutros. Por causa da idade? Não creio. É a nossa cabeça que comanda os nossos comportamentos. E se ela evoluir, em ambos, da mesma forma  teremos a chance de viver uma sexualidade fecunda e harmoniosa, porque qualquer deles procura cada vez mais, ter maior satisfação.

Claro que a idade traz, também, alguns problemas. Sobretudo, para a mulher cuja fertilidade tem limites. Assim, se para alguém ter filhos for uma prioridade, deve ter em atenção esse ponto. Mas também é verdade, que para os homens a partir de uma certa altura, a virilidade sofre, igualmente, alterações.

Todos nós sabemos isto. Mas não foi isto que impediu o jovem Macron, hoje com 44 anos, de casar com a sua professora, que vai fazer 70 anos, ou seja mais 24 do que ele. 

Escândalo? Na altura, claro que sim, embora se fosse o contrário, ninguém se admirasse. Depois, foi o ataque. O casamento teria sido o disfarce para uma eventual homossexualidade do marido. Depois, depois, habituaram-se e os franceses consideram, agora, que a sua primeira dama tem as mais belas pernas da França.

O amor é demasiado complexo para se adaptar a normas como esta. Como sempre, primeiro estranha-se e depois entranha-se. É mesmo isto que o amor é: algo que se entranha e apodera de nós!

HSC 

4 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Macron é um homem corajoso.
E que não se deixa influenciar pelo que as redes sociais debitam.
Especialmente na vida privada.
Apaixonou-se e ponto final.
Brigitte é mais velha?
So what???

Anónimo disse...


A HSC levanta um problema que ainda marca bem como a nossa sociedade é maniqueísta. Com efeito, porque é que uma mulher não pode / não deve casar com um homem mais novo? E porque é que deve casar com um mais velho?
De facto, tirando o aspeto da natalidade - e aí só o casal é que sabe se quer ou se pode ter filhos - o que é que explica esta tradição, que não seja a dependência económica, já que um homem mais velho estará, por norma, com esse aspecto resolvido? É só a tradicional política dos bons costumes!

Afonso

Anónimo disse...


Cada um deve casar com quem quer, com quem gosta, com quem sente que será feliz. Isso não tem nada a ver com a idade. Tem a ver com o mais intimo de cada um!

Anónimo disse...

Curiosa e pertinente a questão que põe. Fui seu funcionário no BdP e a mãe da dra Helena tinha conhecido a minha mulher que era 28 anos mais velha do que eu. Não me lembro de alguma vez ter sido tão feliz na minha vida!
Quando a perdi levei muito tempo a refazer-me, Mas lembro-me de lhe ter posto este problema e de a dra me ter respondido, a sorrir, que se fosse ao contrário possivelmente eu não teria falado do assunto. Tinha razão. Mas a dra estava muito mais à frente do que as pessoas da sua geração. Aprendi muito consigo!