segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Os intocáveis

Como já devem ter percebido os que me lêem com alguma regularidade, os meandros da política são-me totalmente alheios. Felizmente, porque o meu estômago é um órgão sensível e eu não pretendo dar cabo dele.
A política só me interessa na sua parte mais nobre que é aquela de que os filósofos falam. Dos práticos, dos seus operadores, por norma agremiados nessa coisa que se chama de "partidos", nem o ar que respiram me diz alguma coisa. Possivelmente fiquei vacinada por ter na minha segunda família vários desses elementos. Comecei no sogro, continuei no marido e nos cunhados e finalizei nos filhos. Cumpro portanto um karma, já que ninguém na minha família de sangue se dedicou a esta espécie de diatribe profissional. E devo, pela intensidade da pena, estar a espiar pecados ancestrais de que desconheço as origens.
Mas, não sendo nem cega, nem surda e muito menos lerda, verifico que neste democratismo europeu, existe sempre uma classe que se multiplica de modo estranho, seja qual for o regime implantado, desde que assente na chamada democracia partidária.
Quem são eles? Os intocáveis. Aqueles que, de facto, na sombra, mandam em nós. Qualquer que seja o governo, eles lá estão com o seu salvo conduto garantido. Basta-lhes um telefonema, um almoço ou um jantar e tudo o que esperam se realiza.
Que força tem esta gente, que mesmo tendo-se feito uma revolução, persegue o seu caminho sem grandes incómodos? Não são os boys nem as girls. Estes  são meros peões que só contam para o folclore. Aqueles de que falo estão mais acima e, na maior parte dos casos nem mudam com as mudanças de governo...

HSC

7 comentários:

ERA UMA VEZ disse...

Pois é querida Helena

É que na realidade são eles e não os políticos que têm o verdadeiro poder.
Aquele que permanece, que fica quando os governos caiem, que está lá quando se alternam

Porque será?
"Olha lá meu piqueno, então a minha proposta não era a melhor???
Então...e se não era, queres-me dizer porquê???
(Olha, caiu a chamada. Pois é. Não estava boa. Pareceu-me ouvir um barulho de fundo...Não faz mal. Liga-se de novo)

Anónimo disse...

Vénia !!

Nuno 371111

Anónimo disse...

pois existem sempre.
esses peões que estando a meio ou mesmo um pouco abaixo na pirâmide executiva, têm muito poder porque nunca questionam um ordem, mesmo que esta vá contra aquilo que todos à volta (e eles/as)sabem que está incorreto ou não é verdade!... são mais fiéis sendo cegos/surdos/mudos que... e pobre de quem lhes levantar uma pequenina objecção...
é uma classe de pessoas que se sujeita ao impensável. infelizmente conheci e conheço vários... e fazem-se muito amigos de toda a gente, daí que acabem por estar muito bem informados...
mais não digo, posso estar enganada?!... God knows... penso que será óptimo nunca se cruzar com este elementos da trama social!
muitos beijinhos, e bem haja por tantos ensinamentos tão imparciais,
lb/zia

Luisa Silva disse...

Cara Helena,

O meu inglês é muito fraquito; untouchables traduz-se por ccrruptos?

Carla Isabel disse...

Ah pois é...

Meros peões!

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Luisa Silva
Significa que são pessoas a quem ninguém toca, ou porque têm um poder desconhecido e muito grande. Se são ou não corruptos é outra história...

nadia disse...

Salgados...Mexias...and so on...os supra Poderes!!!