terça-feira, 6 de novembro de 2012

À minha maneira


My Way

And now the end is near
And so I face the final curtain
My friend, I'll say it clear
I'll state my case of which I'm certain

I've lived a life that's full
I traveled each and every highway
And more, much more than this
I did it my way

Regrets, I've had a few
But then again, too few to mention
I did what I had to do
And saw it through without exemption

I've planned each charted course
Each careful step along the byway
And more, much more than this
I did it my way

Yes there were times, I'm sure you knew
When I bit off more than I could chew
But through it all when there was doubt
I ate it up and spit it out

I faced it all and I stood tall
And did it my way

I've loved, I've laughed and cried
I've had my fill, my share of losing
And now as tears subside
I find it all so amusing

To think I did all that
And may I say, not in a shy way
Oh no, oh no, not me
I did it my way

For what is a man, what has he got?
If not himself, than he has naugth
To say the things he truly feels
And not the words of one who kneels

The record shows, I took the blows
And did it my way


Ora digam lá se não estou uma velhinha romântica? Nem mais!

HSC

10 comentários:

Anónimo disse...

romântica sim mas velhinha não, com idade!
my way que afirmações e interrogações maravilhosamente cozinhadas...
continue romântica, faz-nos esquecer, por momentos, o drama onde estamos metidos...
muitos beijinhos,
lb/zia

Vânia Edite Batista disse...

Romântica sim mas velhinha???

Por favor, Drª Helena, a senhora faz ver a muitos jovens de 20 anos.

Além disso, este é o ano do envelhecimento ativo nós, mais jovens, temos é muito a aprender com os que cá chegaram mais cedo!

Um beijinho,
Vânia

PS: E, de facto, não há nada melhor do que seguir "our way", o nosso caminho.

rosaamarela disse...

love it

rmg disse...


Ora aqui temos uma canção de 1967 do Claude François , escrita em parceria com outros senhores e que ninguém se entusiasmou muito com a ideia de a cantar na altura .
O título original é "Comme d'habitude".
Um belo dia o Paul Anka , canadiano de origem síria (e americano desde 1990) comprou os direitos e compôs a letra que aí está .
Toda a gente a cantou mas ninguém como o Sinatra (à semelhança de muitas outras!).

Alcipe disse...

Minha querida amiga, o seu caminho está longe de ter acabado!

a) Alcipe

Anónimo disse...

Romântica, SIM!!!!
Velhinha NUNCA!!!!
Obrigada pela partilha :)

FL

Anónimo disse...

Drª. HSC

Desculpe, não posso deixar de assinalar um erro seu.

Quem envelhece são as coisas não as pessoas. Para envelhecer é necessário ter nascido pronto e ir-se gastando (como o fogão, a televisão, etc), isso não acontece com o ser humano, as pessoas não nascem feitas ... vivem "fazendo-se".

Portanto Drª HSC, a sua nova edição, a de hoje, só é a edição revista, ampliada e mais romântica que a de ontem... Eu, que não conheci a de ontem, gosto da de hoje.

Nuno 361111

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu caro Nuno 361111
Fez-me rir. As várias edições costumam ser "revistas e melhoradas"...
A sua bondade comove-me!

RT disse...

Romântica sim, velhinha, nunca. Tem um espírito mais jovem que muitos jovens!
Esta é uma das minhas músicas favoritas, pela mensagem, pelo grande Frank Sinatra! Gosto especialmente de ouvir neste espectáculo. Por ser a última vez que cantou ao vivo, ganha ainda mais significado!
http://youtu.be/Vbc_AC2ucYc

Anónimo disse...

Ora ainda bem que alguém aqui lembrou a origem da canção e o sacré Clo Clo. Grandes canções podem ter esta história. São os caminhos e descaminhos do destino ou da sorte. Imagino qual teria sido o sucesso, entre outras portuguesas, da canção 'Pomba Branca' do Max, se tivesse sido cantada pelo Frank Sinatra.
Quanto à velhinha romântica... bem, tem que se lhe diga .
L.Barbosa