domingo, 19 de janeiro de 2020

2020?

Confesso que as eleições sucessivas a que este país tem sido submetido, devem rer provocado na minha cabeça uma fusão de neurónios tal, que quando pretendo perceber o que os distingue não atino uma.
Desisti, portanto, de entender o que está em causa e seguir com os meus interesses em frente no qual não estão, evidentemente, o que sairá ganhador desta corrida.
O ano de 2020 afigura-se-me tão complicado que talvez não valha a pena perceber quem ganha porque creio que a direita vai estar adormecida por muito bons anos, até que surja o príncipe que lhe tirará mação envenenada da boca.
Dediquemo-nos, pois, ao PC e ao BE que nos vão dar matéria mais que suficiente, para nos divertirmos um pouco com a EU e o ainda nosso Centeno!

HSC

7 comentários:

João Menéres disse...

Sem confundir mação com o fruto, penso que é mesmo uma maçã envenenada que os portugueses andam a trincar há muito, isto sem levar em conta que a maçã seja de uma loja...

Melhores cumprimentos

Anónimo disse...

TRANSIÇÃO ENERGÉTICA é um dos conceitos principais para 2020.
Para o GREEN DEAL, combate às alterações climáticas, a UE criou um fundo destinado a apoiar a transição para as chamadas energias limpas.
São 2000 milhões para a Polónia, 900 milhões para a Alemanha, 79 milhões para Portugal, etc, etc.
Portugal iniciou a sua transição climática em 2005.
Em 2023 será encerrada a última mina de carvão mineral em Portugal, em 2021 terá lugar o encerramento da central termo-elétrica do Pego e em 2023 de Sines.
Portugal é um dos países mais afetados pelas alterações climáticas: tem uma costa longa, cheias, furacões e fogos florestais de grandes dimensões.
Os incêndios na Austrália deixaram as pessoas perplexas, a nível mundial, por se pensar que no séc. XXI, tal magnitude não seria possível.
2020 terá de investir menos energias pessoais em jogos políticos vazios, de puro poder pelo poder, e mais energias em entender as causas de tais catástrofes.
Especialistas defendem, na Austrália, a necessidade de voltar a técnicas aborígenes ancestrais de prevenção de incêndios florestais incontroláveis: os povos indígenas usavam queimadas controladas, com chamas à altura dos joelhos, realizadas de forma contínua, ao longo de toda a paisagem, o que impedia o alastramento do fogo.
Os cientistas chamam a atenção para a necessidade de «olhar» o terramoto de 1755 com outros olhos- segundo os mesmos a catástrofe aconteceu porque foram dois, os terramotos, e não apenas um.
Quanto mais entendermos os fenómenos, mais possível será a sua prevenção.
Uma tomada de decisão repulsiva, para 2020, é a destruição por Trump do projeto de alimentação saudável nas escolas iniciado por Michele Obama, defendendo o regresso às pizzas e batatas fritas.
E claro, 2020 é muito mais!

Pedro Coimbra disse...

A direita anda entretida em lutas internas, em guerras intestinas.
A "geringonça" e o lema "concordamos em discordar" agradecem.
Boa semana

Para a Posteridade e mais Além disse...

o Pcp está moribundo dele só se esperam greves na saúde e na função pública e o bloco perderá votos para as novas forças políticas nos anos vindouros a fragmentação joga no futuro

Acrescenta Um Ponto ao Conto disse...

Caros amigos leitores,

chegámos ao fim do nosso conto escrito a várias mãos "Variações em Quadrilha".
https://contospartilhados.blogspot.com/2020/01/variacoes-em-quadrilha-capitulo-12-final.html

Agradecendo o vosso seguimento, motivação e apreciações,
despedimos-nos com um até breve!

Virginia disse...

Não consigo encarar o futuro com tanta bonomia, pois acho que este país estagnou com a geringonça e em certos aspectoa até voltou para trás. Há boicotes constantes que a IL tem apontado para que a iniciativa pessoal não se realize . As pessoas conformam-se com tudo, este povo é sereno. Entre esta estagnação e a do Estado Novo , não há grande diferença. Os milionários poem o dinheiro lá fora e aqui vive-se como se pode.

Anónimo disse...

Tenho notado que ultimamente os governantes andam muito cabisbaixos, esquivos, de ar comprometido, cautelosos, falam pouco, aparecem menos ...observem-nos bem.

Tudo se assemelha àqueles momentos que antecedem uma tempestade, em que tudo é calma e silêncio.
Os ares andam carregados. Há aflição no ar. Mas é só um pressentimento.
Gl