quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Essa Lisboa perdida

Nem sei porque me lembrei de Veneza. Estive lá sempre no Verão e a altura não é a mais recomendável. Guardo da cidade uma impressão semelhante à que guardo de Nova Deli. São locais de que certamente gostaria se os tivesse visitado numa época diferente. Aconteceu agora o mesmo com a nossa capital.
Fui ao Terreiro do Paço e soçobrei. A quantidade de gente, a confusão de línguas, a falta de qualidade com que se é atendido, deram-me a noção de que nunca mais veria aquele local como sempre o conheci, até à invasão perversa, de um turismo que só ajuda às contas do país. 
Já não há um local em que possamos estar uns minutos descansados a olhar o mar , num intermezzo até à hora de nos juntarmos a família. A Lisboa que eu conheci deixou de existir e não tornará mais. 
O trânsito muda e não se percebe porquê. Os sentidos são invertidos, as ruas fechadas, as bicicletas ultrapassam pela direita e pela esquerda e o cidadão comum chega a casa morto.
Mal meti chave à porta estatelei-me - é a única expressão válida - no sofá e fiquei meia hora sem tugir, numa espécie de "entre lá e cá". Quando retornei à realidade, pensei com alguma tristeza que a capital que eu conheci não existia mais e a actual não consegue cativar-me. O mais curioso é que, no meio disto tudo, parece que o povo irá votar no dia 1 de Outubro, ou seja daqui a 10 dias. Em quê, pergunto eu?

HSC 

13 comentários:

João Menéres disse...

Também o Porto foi tomado de assalto turístico !...
Mas na marginal da Foz ainda há sossego.

Melhores cumprimentos.

Manuela Pedro disse...

Sra D Helena, parti-lho inteiramente da sua opinião!!! Adoro a nossa cidade, mas sempre que ultimamente a visito volto sempre com uma grande nostalgia e tristeza.
Gosto MUITO de si :)
Um grande beijinho

Anónimo disse...

Tirou-me as palavras da boca!!
P.S. Estive em Veneza uma vez, a celebrar o aniversário do meu marido em Outubro, há 14 anos. Jantámos no Cipriani e no regresso dançámos na Praça de S. Marcos...Foi um aniversário inesquecível!Maria F.Silvestre

Filhos do Desespero disse...

Essa é a pergunta que todos os Portugueses deveriam fazer! Em quê?

:)

vitor manuel disse...


Subscrevo as suas palavras. Amanhã também terei

que ir a Lisboa para ver o Musical sobre a vida

da Simone de Oliveira. E também lá terei que andar

por toda aquela confusão.Trabalhei 35 anos na

Avenida da Liberdade.e realmente nada está igual

a esse período. O que eu não concordo mesmo nada

é com as mesas (para comerem)no exterior das casas

de restauração, que tiram o espaço aos peões.Querem

que tenhamos asas?

O turismo é uma grande fonte de receitas - dizem -

teremos que nos habituar "à confusão" mas o pior

é retirarem habitantes de Lisboa do seu sítio de

há anos, para colocar residências para turistas...

Enfim, há coisas que deveriam ser explicadas aos

lisboetas e não são. O voto deve ser difícil a

decisão para alguns lisboetas.

Os meus cumprimentos.
Bom fim de semana.
Irene Alves

Anónimo disse...

Custa um pouco! nem oito nem oitenta: o ideal talvez fosse uma Lisboa semi cheia de turistas.
Por volta de 2011 lembro-me de passear na Baixa, sem gente, e do olhar desesperado de muitos comerciantes com as lojas vazias.
O desemprego e a precariedade apertavam, nalgumas escolas havia alunos que esperavam que as cantinas abrissem para matar a fome. Isso sim era Lisboa perdida e muitissimo mal tratada.
LL

Anónimo disse...

E acha que isso mudará se lisboa mudar de presidente? Eu não creio.
Aqui no Porto a cidade tb está cheia de gente. Hoje foi dificil atravessar o átrio da Estação de S. Bento. É melhor? É pior? Pois, o meio termo é dificil. Mas julgo que entre vantagens e desvantagens, aqui no Porto as vantagens ficam a ganhar.

Helena Sacadura Cabral disse...

LL
Em 2011 aconteceram todas as calamidades do país...já todos sabemos. Estarmos vivos é um milagre.
Mas em 40 anos de democracia o/a comentador/a não é capaz de se lembrar de nada que não seja o desemprego, a precariedade, e as cantinas escolares?! Só isso, numa das mais belas cidades do mundo?
Pois eu lembro-me de me extasiar perante o Tejo, depois de 10h passadas a trabalhar e de sentir que esse olhar compensava uma boa parte do meu cansaço!

Anónimo disse...

é tudo maluco neste blog os comentários nem se fala, se calhar este também não irá ao encontro de muito do que se escreveu aqui, e nem devia dizer nada mas dizem aqui, que a cidade de Lisboa está um caos e bla bla bla e que o mais curioso, (dizem alguns) é que, no meio disto tudo, "parece que o povo irá votar no dia 1 de Outubro. Em quê, pergunto eu?" não me querendo meter nestas alhadas pergunto aqui se a srª Drª e outros não são POVO e se gosta assim de tranquilidade e ver as rãs coaxar, os grilos a cantar, os rouxinóis a cantar e tantos outros bicharocos, aconselhava visitar nesta altura as vinhas do douro, o interior profundo, e daqui a 4 anos candidate-se, e eu daqui ou noutro igual nunca direi "Em quê"

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das17:11
Em meu nome e no dos comentadores deste blog, venho agradecer-lhe a gentileza das suas palavras.
Só me surpreende é como o caro Anónimo veio parar aqui, a este blog de malucos. Acautele-se ou ainda fica um deles!!

Anónimo disse...

Sou da margem sul, durante a minha adolescencia e tempos de faculdade pensava; que chatice que é viver do outro lado, o que eu mais queria na vida era viver em Lisboa.
Agora, cada vez mais penso que bem que se vive nos subúrbios, é uma tortura andar por Lisboa, é cansativo, esgota, nao é fluido.

Anónimo disse...

Eu gostava de saber se todas as pessoas que estão tão incomodadas com o turismo no nosso País, se viajam???Devem ficar os fins de semana e férias em casa!!!Pois se forem para o estrangeiro,vão fazer parte dos turistas dos outros,se vão "para fora cá dentro",vão " encher"as Cidades!Está difícil....

Anónimo disse...

Senhora,um bom domingo.Deixe o tempo rolar... com um doce.

https://youtu.be/Es3Vsfzdr14

Ambrósio