terça-feira, 23 de agosto de 2016

Decoro?!


O ano passado esta cimeira incluiria o Primeiro-Ministro inglês. Mas como os eleitores ingleses já disseram o que pensam de todo este disparate, os verdadeiros governantes da Europa passaram a reunir-se a três, deixando naturalmente os países servos de fora. E estes três estarolas acham que a solução para o Brexit é mais integração, ou seja, ainda maior domínio dos Estados pequenos pelos grandes, uma vez que estas cimeiras deixam claramente perceber que as instituições comunitárias não passam de um verbo de encher, já que estes países e só estes é que mandam na Europa.

Esperava-se que a saída do Reino Unido fizesse esta gente ter um pouco mais de decoro. Mas afinal parece que se lhes aplica a frase que Talleyrand disse dos Bourbon: "Não aprenderam nada nem esqueceram nada!". É assim inevitável que ao Brexit venham a seguir-se muitos outros "exit". No fim, a Europa dos 27 deve acabar por ser a Europa dos 3. Na realidade, nunca foi outra coisa.

                            Menezes Leitão em Delito de Opinião

Para aprender é preciso querer. E ter capacidade para tal. Cada um destes senhores só quer pensar em si próprio e vá lá de vez em quando no país. Agora reúnem-se em triunvirato e decidem sobre a Europa dos pequeninos. 
E depois admiram-se de ver Sarkozy anunciar a sua candidatura, que sendo má, não pode ser pior do que a de Hollande tem sido e que deixa a França num dos seus piores momentos!

HSC

2 comentários:

Silenciosamente ouvindo... disse...

Sabe drª. Helena, lamento muito é que o meu país

não tenha condições para também sair. Porque da

forma que está a caminhar de união não tem nada!

Só que tristemente constato que o meu país, está

a caminhar para uma maior dependência.

De facto nada aprenderam, porque nada querem

aprender e a França e a Itália também vão ser

engolidos ficando a dominar apenas a Alemanha.

Os meus cordiais cumprimentos.

Irene Alves

Aniceto Carvalho disse...

As afinidades da União Europeia
Eu gostava de ser crente...
só que não acredito nos deuses que os homens criam.
Eu gostava de acreditar na UE. (Que espectacular seria, se bem feita!!!)
Só que para além de tudo o que é genuíno dos povos, cultura, genes, etc., ninguém pode acreditar numa união de nações quando regiões integrantes dessas mesmas nações reclamam elas próprias independências das mães pátrias para se unirem a outras com as quais não têm quaisquer laços.
Aniceto Carvalho