quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

A peste grisalha...

"Os portugueses estão a desaparecer. O envelhecimento da população portuguesa é uma evidência incontornável.
Portugal é o país da União Europeia que mais sofre com esta tragédia social.
Segundo estimativa do INE, em 2050 cerca de 80% da população do país apresentar-se-á envelhecida e dependente e a idade média pode situar-se perto dos 50 anos. A nossa pátria foi contaminada com a já conhecida peste grisalha..."
O naco de prosa que acima reproduzo é tirado de um artigo assinado pelo advogado e deputado do PSD, Dr Carlos Peixoto, que foi publicado no i de 10 de Janeiro último e que se pode ler na integra no link acima. 
Ora pertencendo eu ao grupo dos que, já não sendo novos, continuam a trabalhar e a contribuir para a S. Social, como talvez o insigne representante do seu povo não consiga vir a fazer, pergunto que idade terão ou teriam aqueles que lhe deram origem.
De facto, com deputados destes, o melhor seria não lhes dar a palavra. Ou, em alternativa, não os eleger!

HSC

25 comentários:

Raúl Mesquita disse...

Cara Helena:

E a taxa de solidariedade aplicada aos que estão mesmo reformados, pelos mais variados motivos, será uma espécie de "injecção atrás da orelha". Esta taxa será "deixa-os morrer à míngua".

Raúl.

Alcipe disse...

Como Peter Pan, o dr. Carlos Peixoto jamais envelhecerá...

Dalma disse...

Há muitos anos, quando eu era professora de Geografia e se tratavam os assuntos demográficos dava-se por certo que em 20, anos já não haveria italianos (descendentes dos que desde sempre habitaram a península itálica),porém a professia não se verificou! Esse Sr.dá-nos quase 40 anos, nada mau!! Porém o que é lamentável, muito lamentável é que se permita usar o termo "peste grisalha". Não sei quantos anos tem mas será que ele não está a pensar em fazer parte dessa "peste grisalha"?
À minha parte mazinha apetece-lhe dizer : seja feita a sua vontade!!

Anónimo disse...

Este cabotino precisava que um idoso lhe pregasse um belo par de palmadas nas faces. Quanto ao apodrecimento de que o “cavalheiro” fala no seu artigo, seria melhor começar a olhar primeiro para o apodrecimento do governo que defende e do estado em que o mesmo está a deixar esta economia e esta sociedade. Dou-lhe um conselho, a este “artista”: quando chegar á idade do tal ministro japonês (cujas declarações chocaram meio mundo), arranje uma forma rápida de não continuar entre os vivos, que a segurança social agradeçe e quem sabe até lhe paga o caixão.
P.Rufino

Anónimo disse...

O dito «cromo», como lhe chamou um comentador, esquece-se de acrescentar que esta «durabilidade» da população, tal como as estatísticas relativas à mortalidade infantil, resultam também dos melhores cuidados de Saúde, no século XX, neste país. Se calhar é assim tão bronco por não ter tido a sorte de conhecer e ser educado na companhia de AVÓS,,,

Anónimo disse...

Conheci o "Dr." Carlos Peixoto na universidade, embora de cursos diferentes, tinhamos amigos em comum. No entanto, não me lembro de ter falado com semelhante criatura porque já na altura o achava um pobre PATETA.

O tempo deu-me razão porque já aquando dos debates do casamento homossexual disse algo do género "Quem admite casamento "gay" pode aceitar uniões entre irmãos"... Portanto, apenas disse mais umas "pérolas" reveladoras de que não tem o mínimo de bom-senso e não é digno de ocupar o lugar de deputado.

Isabel BP

Anónimo disse...

Só um pormenor que escapou no meu comentário... O Dr.Carlos Peixoto já está na casa dos 40 e, como dizia a minha avó, "também já não vai para novo"! :))

Isabel BP

Anónimo disse...

Gostava de saber pormenores do quotidiano desta "sumidade" se tem pais ainda vivos, sogros e parentes velhos, filhos? quantos?. Pensa que nunca será idoso, oxalá que não. Como é possível um deputado ter êstes pensamentos maquivélicos... e nós termos que dar-lhe o sustento!...

Alcipe disse...

Daqui a 20 anos está uma peste!

ERA UMA VEZ disse...

SERÃO ESTRAGADO

Em tão dourado serão
de jantarinhos com velas
e floristas felizes
um homem está desolado...

Diante do próprio espelho
CABELO BRANCO atrevido
avança provocador
como fogo ao pé da palha

Pois é!
meu querido Carlos Peixoto
a coisa vai dar pró torto
esse é o primeiro sintoma
de uma tal "peste grisalha"

(anote bem esta data)

O pior é que é fatal
e com o tempo a COISA MATA!!!

Teresa Peralta disse...


O autor refere ainda que: "Engane-se quem pensa que a nossa sobrevivência enquanto país soberano depende prioritária e exclusivamente do crescimento económico. (...), Precisamos, todos, de mudar a nossa mentalidade, de a renovar, de apostar no incremento da natalidade. Se assim não for, envelhecemos e apodrecemos com o país."

Para além da falta de "tento nas palavras" gostava que o Sr.º Deputado explicasse também, quais as medidas que tomaria para resolver o problema da falta de Natalidade e da Emigração sem activar, prioritariamente, o crescimento económico.

Boa noite, com um grande abraço

Anónimo disse...

Há na politica de hoje uma enorme perda de moral e dignidade. Como a palavra já não tem valor pode-se desperdiçar a mesma em comentários néscios, como já não há dignidade pode-se ofender tudo e todos.

A "geração rasca" chegou ao poder.

N371111

Anónimo disse...

Há vários deputados que não merecem o cargo que ocupam. Este é só mais um deles. Que, nem têm a decência da vergonha e são capazes de continuar como se nada fosse depois de dizer estas anormalidades. Gente portanto perigosa, para quem a pessoa humana se reduz a números e cifrões.
E como se lhes tira a palavra? como? eu por mim tiro-a já. Pudera saber como.
~inês, lisboa

PS- claro que esta pessoa também há-de envelhecer, só não percebeu ainda a sua infinita insignificância e mortalidade...

Anónimo disse...

Maria (publicamente anónima)
Drª Helena! Mais uma vez lhe dou os meus parabéns pelos belíssimos temas que coloca a debate aqui no seu fio-de-prumo. Este tema da demografia é preocupante.
É preocupante e deve, necessariamente, ser debatido. Mas nunca abordado da forma como este senhor o faz neste texto. Os governantes e os deputados deste país deviam olhar para este tema muito seriamente, com muito respeito e com politicas públicas adequadas. E não com este tipo de discurso.
Este senhor, que, felizmente, não tenho o prazer de conhecer, devia estar calado. Ainda mais quando ele como deputado se estiver lá uma ou duas legislaturas tem uma reforma muito superior a muitos portugueses com uma careira contributiva de 40 anos ou mais.
A forma como este senhor aborda o tema e as palavras utilizadas não são dignas de um deputado. Não o conheço e não lhe reconheço, nem virtudes nem capacidade para representar o grande grupo dos portugueses a que ele chama “peste grisalha”. Por acaso já estou “grisalha” mas não sou “peste”. Por acaso estou a completar 42 anos de carreira contributiva e estou a ver que tenho cada vez menos reforma.
Este tipo de discurso está a ser muito utilizado pela faixa etária dos 40 onde ele pertence. Tenho contacto com várias pessoas desta idade que criam alguns conflitos geracionais com este tipo de discurso, que para mim, nomeadamente com a minha formação, não faz qualquer sentido. Ainda não percebi se existe nestas pessoas alguma ideia de afirmação subestimando os que têm mais idade e, como ele diz são uma “tragédia social”, ou se não sabem abordar o tema de outra forma. Parece-me que lá pela AR há muitos a ajudar à tragédia social mesmo não sendo “grisalhos”.
Segundo o dito popular o senhor devia saber que “quem ele é, já eu fui, e que eu sou ele vai ser” - com referencia há idade, claro, e se ele não for chamado aos “anjinhos” antes de envelhecer.

Drª Helena! Agradeço o facto de nos proporcionar este debate
Um beijo e bom fim-de-semana
Maria M

zia disse...

"peste grisalha" é preciso ter terror de envelhecer para dizer uma coisa dessas. Dá pena por um lado e revolta por outro...
O mal do país é haver tanta gente como este exemplo, daí a falta de estruturas e de educação cívica.
A morte quando surge como consequência de um processo natural e sempre certa é em si uma passagem de estado!
Todo o carinho,
lb/zia

patricio branco disse...

"pátria contaminada com a já conhecida peste grisalha..."
teria esta frase sido copiada ou inspirada nalgum mein kampf? revela uma ideologia? um programa politico-social em embrião? será que nas primeiras décadas de cada século nascerão ideologias politicas de caracter excluente? de limpeza social? contra os judeus. contra os negros. contra os ciganos. contra orientações sexuais. contra os seguidores de religiões. agora contra os idosos?
frase e expressão chocantes essas da "peste grisalha".

Maria disse...

Uma VERGONHA, simplesmente!
Está um IGNORANTE destes no Parlamento que, supostamente, deveria ser a casa da democracia (??????)a ser sustentado por todos nós, a quem nos "tiram tudo e não deixam nada" (como está tão atual o Zeca Afonso!)e o sr. primeiro ministro não o põe na ordem!!??? Também foi outro que enganou muito bem toda a gente que acreditou nele.
É simplesmente uma tristeza e dá uma grande revolta.
Lá dizia o meu avô "filha, a ignorância é muito atrevida". Mas esse gaiato, não teve a sorte de ter avós; sabe lá que riqueza é essa!
Um abraço minha querida Drª Helena.
Maria

Anónimo disse...

Sabe sr. deputado (com minusculas como merece) que a peste grisalha tem sabedoria, tem histórias de vida muito ricas, e vê (apesar das cataratas, miopias e afins) quem não presta e o senhor não presta mesmo!
Hoje nasceram-me mais cabelos brancos, porque como diz o poeta...ás vezes não é da idade, é das tristezas da vida...
Faça-nos um favor, quando precisar, pinte o cabelo - como muitos dos seus colegas - não quero que tenha nada parecido com os pestilentos.

Luisa Sá disse...

Que comentario infeliz!
"Quem lá nao chegar, no caminho há de ficar.

Blondewithaphd disse...

"Peste grisalha"?! Mas esta gente que escreve barbaridades destas é o quê?

Anónimo disse...

O pior é que estes pensamentos pestilentos estão camuflados em muitos, por um discurso politicamente correto. Se rasparmos uma leve camada, aparecem o mau-cheiro e a imundície destes pensamentos destrutivos. Não apontam para as soluções, como a criação de condições para que nasçam mais bébés, por exemplo. Apontam para uma espiral de destruição de todos quanto não sejam jovens, bonitos, ricos, saudáveis, brancos, com dentadura pepsodent.
Apontam para muita farsa, muita mentira.
São também auto-destrutivos porque o Sr. Carlos Peixoto tb será grisalho um dia, se é que não é já (talvez platiné) não conheço, nem quero.

Segundo os media, o ministro japonês das Finanças afirmou que os idosos doentes deveriam morrer rapidamente para bem da economia.

Referia-se, consta, aos tratamentos que prolongam a vida de idosos com doenças sem recuperação, embora tenha usado uma linguagem polémica.

Felizmente hoje podemos decidir que nos deixem morrer em paz ou permitir que nos venham a massacrar com máquinas e tratamentos no fim da nossa vida.

Quais são os objectivos e limites do ser humano?
Descobrir o milagre do cabelo que nunca fica grisalho?!
Atirar os velhos do alto da montanha?
Matar à nascença as crianças deficientes?
Ou criar uma sociedade inclusiva em que a Vida tem condições para vingar, em que as gerações convivem e trocam afectos e saberes entre si?



Anónimo disse...

E quem é que quer 'incrementar a natalidade' com este grunho com gel?
Só se for uma grunha e esperemos que a prole escape ao grunhismo dos progenitores.
Os que saírem aos pais, vão desprezá-los quando forem velhos, como eles lhes ensinaram.

Anónimo disse...

São palavras muito pouco esclarecidas as de Carlos Peixoto.
O seu invólucro quarentão, o seu cabelo sem grisalhos, não basta para maquilhar a sua ignorância e horizontes curtos.
As sua palavras baças projetam uma imagem do velho isolado e triste, sentado no jardim, sem sentido, nem destino, sem projeto.

Os idosos hoje são maioritariamente, pessoas com acesso à sociedade da informação, com capacidade de actualização, com capacidade para serem empreendedores, para criar novos empregos, para apoiar os filhos e os netos.

Existem hoje novas percepções sobre a vida activa, a reforma, o envelhecimento.
As sociedades mudaram.

O ENVELHECIMENTO É UMA HISTÓRIA DE SUCESSO, É UMA CONQUISTA DA MEDICINA, DA INVESTIGAÇÃO.

As sociedades mais desenvolvidas são sociedades mais envelhecidas, embora com índices de natalidade mais altos do que os da sociedade portuguesa.

ENTÃO ESTÁ TUDO BEM?
NÃO, NÃO ESTÁ.

Existem em Portugal cerca de 3 milhões e 500 e tal mil pensionistas, dos quais cerca de 1 milhão e 500 mil, recebem uma reforma abaixo do salário mínimo.

Entramos na vida activa cada vez mais tarde, a reforma antecipa-se, muitas pensões são elevadas, não há sistema que aguente.
Às reformas não correspondem como era habitual esperar, empregos para os mais jovens.

É importante preparar novas formas de vida, segundas carreiras, trabalho a tempo parcial (com índice baixíssimo em Portugal).
Temos de olhar para as pessoas, não para seus atributos exteriores (idade, profissão, nacionalidade, género)mas para as suas capacidades, os seus interesses, as suas competências, a partilha de experiências.
Temos de acabar com o 'idadismo'.

Temos todos de mudar.
Temos todos de aprender a envelhecer.

No período de vida activa, que corresponde tb à fecundidade, não existem empregos, a emigração leva
os candidatos a pais para fora de Portugal, são muitos os problemas que dificultam a natalidade.

É preciso investigar, conhecer as causas, encontrar soluções, e não ficar pelo diz que diz que.

E sobretudo, activamente não dar ouvidos a análises eivadas de ignorância e preconceito.

PORTUGAL NÃO PODE DAR-SE AO LIXO.
Portugal não pode transformar em desperdício o potencial de recursos que existem nos idosos.





Anónimo disse...

Todo pimpão, todo ufano, Carlos Peixoto bota um discurso podre e mal-cheiroso, que nem o mais potente after shave consegue disfarçar.

Desfasado da realidade, sem ter em conta que os tempos mudaram e que 'aquilo que sou, o modo como vivi, condicionam o que virei a ser depois da vida activa'.

A Comissão Europeia sob a frase Nunca é Tarde, pretende reflectir sobre novos modos de olhar, novas condições para os mais velhos, que lhes possibilitem um Envelhecimento Activo.

Este não tem só a ver com o combate ao sedentarismo físico, mas tb ao sedentarismo intelectual e espiritual, através de ações de formação, empreendorismo sénior, etc.

Oh homem vá se cultivar, actualizar e informar. Saia daí, dessa entranhada e mortífera peste que é a ignorância convencida.

Anónimo disse...

Somos governados por incompetentes, pessoas que não sabem o que é a vida , alguns deles uns garotos que nunca trabalharam na vida , pessoas que desconhecem a realidade do País chamado Portugal ,pessoas sem sensibilidade social , vivemos num País com uma Justiça lenta,burocrática e com leis muito complexas e complicadas de propósito para alguns senhores conseguirem escapar através dos recursos e as diversas manobras dos seus advogados dispendiosos,um País com um grande fosso entre ricos e pobres, um país que daqui a pouco não tem classe média,um país com uma diferença abismal entre remunerações,o 25 de Abril deu-nos liberdade de expressão e para alguns liberdade de extorsão,pois o país ficou lotado de corruptos e bandidos após o 25 de Abril de 1974 e quem não concorda com isto então não vive no mesmo Portugal que no passado foi tão grande e agora não temos identidade nacional,soberania,a nossa língua também se alterou ,enfim