sábado, 9 de janeiro de 2010

Desacordo ortográfico...

Entrou em vigor o Acordo Ortográfico. Vai ser difícil habituar-me e creio que teremos algumas trapalhadas. Que nos farão rir, de certo - sou uma "otimista"- e levo tudo pelo lado melhor. O de rir, porque o humor genuíno, mata...
Por aqui vai, portanto, continuar a escrever-se mal. Até que eu me convença da necessidade e da possibilidade de introduzir no meu PC - não o partido, claro, que não é meu - o novo dicionário. Para já preciso de saber se papai, mamãe, cadê, fila, vitrine, bolsa, sítio, camisola, tou não, têm cá o mesmo significado que no Brasil. Alguém dá uma ajuda, tá? Díficil, né?

HSC

15 comentários:

Presépio no Canal disse...

Fabulosa, como sempre! Ainda me estou a rir :)))

Paulo Abreu e Lima disse...

Né não, Caríssima Helena.

Como dizia o saudoso Herman - saudoso porque ainda não ressurgiu -, qualquer português que passasse duas semanas no Brasiu, pegava sotaque, oi...?

Vivi quatro entre o pré-escolar e o Básico e ainda hoje tenho dificuldade com os verbos no modo reflexivo - te amo, me ama, bacana. Com idas e vindas de lá para cá, a coisa tem-se (ou se tem?) agudizado, mas nada que me apoquente (e não agüente).

No limite, um ato que não desato; um fato que não assenta (ou acentua?), mas prova que globalizar é "ordem e progresso", se é que não me tá estranhando :)

Prefiro a temperature oxfordiana, à fever novaiorquina!

Abreijos,

Safira disse...

Também eu em desacordo com o acordo ortográfico. Como dizia Jorge Amado "não há acordo que me faça escrever de forma diferente"

Bom Ano!

Fada do bosque disse...

ehheheheheeheheh Helena!
Este post é um sucesso! eheheh :) é bastante cômico!
Tá ruim p´rá caramba! parece que estamos entrando no resfriamento global, 7 graus negativos. Entretanto vou registrar tudo o que puder, porque nós blogueiros temos de demonstrar espírito de coleguismo.
Vale tudo, né? Uma injeção de gerúndios e a coisa vai brotar! :)

Anónimo disse...

Cara Helena,

É issso aí... Um acordo desta natureza para mais tarde recordar do modo como foi possível assassinar a nossa lingua materna...
Só mesmo a rir, de outra forma não há paciência para tanto atropelo.

Com admiração

dermatologistested disse...

sei não... :))

Raúl Mesquita disse...

"Entrou já mêizmo, Minina?" E eu que julgava que ainda tinha dois anos de descanso, para poisar na "tranqüilidade" dos pp de óptimo e de baptizado...! Enganei-me, em vez de 2012 foi já em 2010! Helena, "burro velho não aprende línguas"; pelo mesmo motivo, não as esquece. Falo por mim, pela minha idade, claro, Raúl.

José Bourbon Ribeiro disse...

minha querida mãe helena!!!

podia ser pior... podia, o acordo, integrar frases, palavras e expressões das favelas de Sampa ou do Rio. Aí, mano, tchi liga qui neim uis alemão pegava nóis.

Mas o acordo, mesmo com tanto desacordo, só servirá para aproximar mais e mais os dois países do meu coração!

acredito, agora a sério, que pode ter havido muita incompetências no Ministério da Educação português... percebi que nem uma miserável apostila fizeram para explicar aos pobres professores como devem ensinar o "novíssimo português".

A língua é de quem a fala. E, no caso, são 200 milhões de brasileiros e 11 milhões na mainland!

Beijinhos daqui, de São Paulo.

José Bourbon Ribeiro disse...

já agora, mãe helena: o acordo tá ruim mais tá baum!

Margarida disse...

Vou continuar a escrever como aprendi e mais nada.
Irritam-me soberanamente estas mexidas por decreto. E gosto do que é antigo, como...pharmacia... (lindo, não?).
Não consigo escrever 'estória' sem me arrepiar (brrrrrrr....), por isso, não escrevo (excepto para exemplificar).
Prezo muito o que aprendi e como tal sucedeu e não gosto que me 'obriguem'a nada.
Mas hoje tou com mau feitio, releve...
Deve ser...'fever' ;)
(NY rules!)

Anónimo disse...

Não temos que nos habituar, porque não é obrigatório. As línguas evoluem...naturalmente. Não é por decreto, ao contrário do que alguns pensam.
P.Rufino

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu querido filho adotivo ( vês como mamãe aprende depressa?!)não fosse eu ter a minha família do coração aí eu tinha acrescentado umas coisa mais . Mas fizeste tu por mim. E cadê meus netos e norinha?
Tão bouns? Tão não?
Saudadjjjji dji mamãe!

Helena Sacadura Cabral disse...

Ói Paulo, fiquei pensando na sua mensagem. E, não sei não, se prefiro temperature ou fever. Mas tou achando que gosta mais de fever...

Abreijo

Anónimo disse...

Pois partamos para a partilha...
Vou adotar,não querem lá ver que ainda dá erro, como se fosse adoptar...

O...A...

Você... Não se Enxerga Não!?....

Vai dar-me um Jeitão

A forma de Rememoração dos Uriah Heep no Look At yourself...
Isabel Seixas

MIN disse...

Cara amiga: Como todos os dias lido com imigrantes coloco os meus préstimos ao seu dispôr. mas " vou logo avisando" que não gosto desse português não. Coisa estranha essa de fato ser facto e terno não ser uma carta de jogar. E quanto a bater papo só se for galinha. Eu cá fico-me por uma boa conversa ou até uma velhissima charla.Manuela Niza