domingo, 26 de abril de 2009

Nuno de Santa Maria

Foram anos e anos para a Igreja o levar para o altar. Nascido em Cernache de Bonjardim, na Sertã, em 1360, morreria já no século seguinte, em 1431, com setenta e um anos.
Considerado, no seu tempo, um dos homens mais ricos de Portugal, foi Condestável de D. João I, o Mestre de Avis, ao qual daria o que de melhor tinha como militar.
Depois de ter desempenhado um papel fundamental na crise de 1383 / 1385, onde a independência de Portugal esteve em jogo, a história consagrá-lo-á na batalha de Aljubarrota onde um pequeno exército vence Castela, que lutava com o quintuplo dos nossos homens.
Casado com Leonor Alvim aos dezassete anos, terá três filhos dos quais apenas uma filha, Beatriz, lhe dará descendência. Com ela irá nascer, também, a Casa de Bragança.
Após a morte de sua mulher, abdica de toda a sua riqueza e faz-se carmelita, na Ordem que cria em 1423. Tomará o nome de Irmão Nuno de Santa Maria e desempenhará no convento os trabalhos mais humildes.
Foi beatificado em 1918, pelo Papa Bento XV, depois de um longo período de espera. Contudo, desde a data da sua morte que o povo já o elegera como Santo. Será finalmente canonizado por Bento XVI, às nove e meia da manhã do dia 26 de Abril de 2009.
Pode esta cerimónia não ter, para muitos, qualquer significado. Não é o meu caso. Além de gostar de heróis, sinto-me orgulhosa se e quando, além de o serem, a sua vida for exemplo de santidade.
H.S.C

12 comentários:

JS disse...

Em Barcelos há uma casa que tem a seguinte inscrição: "Aqui viveu D. Nuno Alvares Pereira".

Contudo não encontro em mais lado nenhum qualquer tipo de referência a esse facto. Uma vez que a Helena está tão bem informada, sabe algo acerca disso?

Obrigada*

Presépio no Canal disse...

Concordo inteiramente consigo :)
Também escrevi sobre a canonização de Dom Nuno de Santa Maria no meu cantinho:)

Helena Sacadura Cabral disse...

Julgo que JS quererá referir-se a uma casa já muito alterada onde terá vivido o Condestável, 7º Conde de Barcelos, a qual ainda se pode ver no Largo do Apoio.
É essa a que se refere?

Cumprimentos da
Helena

Margarida Pereira disse...

De exemplos estamos tão carenciados...
E destes, profundamente exaltantes do que é o Amor.
Sublime.
Devido, em todos os sentidos.

(Milady, deixo aqui um apelo do nosso amigo P.Rufino, que já lançou dois 'ais' pelo meu espaço, quanto à dificuldade de aqui escrever..., quiçá possa permitir o registo de 'anónimos'...; de outra forma, vê-se 'barrado à entrada'...)

Helena Sacadura Cabral disse...

Oh! Margarida, eu delicio-me com os comentários de P.Rufino e muito gostaria de o ter aqui a falar comigo. Mas a minha ignorância das modernidades da blogosfera é, ainda, grande.
Repare que digo "ainda"! Vou tentar aprender como é que os anónimos - neste caso concreto, pouco anónimo - podem escrever.

Abraço

Anónimo disse...

Helena os seus fans "anónimos" já podem comentar :o)

beijinhos
g

Helena Sacadura Cabral disse...

Margarida a minha querida amiga Graça, o meu anjpo da guarda informático já resolveu o problema do P. Rufino. Agora ele já pode "bater-me" quando quizer.
E eu já aprendi um pouco mais...

JS disse...

Helena, é essa mesmo!!! Sabe o nome do Largo e tudo!!! Ainda estou pasmada...:)

Anónimo disse...

Depois de ter
Entrado
Á socapa
Aspirado o saber

Hoje sem capa

Vi
A porta entreaberta
Sorri

Partilhei a descoberta...

Isabel seixas

Margarida Pereira disse...

Que lindo!
Do salão parisiense para a tertúlia no torrão pátrio! :))
A Isabel e o 'P.'!
Que bom! :)
E os outros, por supuesto!

Helena Sacadura Cabral disse...

Isabel que bom lê-la! O FSC além de ser um homem culto e inteligente que me tem proporcionado bons momentos - que pena nem todos os socialistas serem assim! - pôs-me em contacto con gente de primeira. Sou uma sortuda.

Abraço

Anónimo disse...

Fugi ao tempo e á sua rigidez horária, Só para retribuir em dobro a alvorada do meu obrigada.

Quem se atreve a desdenhar do desejo mais profundo do ser humano o de ser reconhecido...
Duplico também o Abraço

Isabel Seixas