segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Tancos e tangas


“.... Dito isto, volto ao facto, a notícia sobre Marcelo e Tancos. Relembro o essencial. 1) No quartel de Tancos, roubaram-se armas, e notícias subsequentes revelaram que não foi a primeira vez. É preciso apurar tudo doa a quem doer. 2) As armas foram devolvidas pela PJM, com algumas falhas de material e, por outro lado, com material a mais, o que leva a concluir que o famigerado roubo não foi único. Acresce que, confessadamente, elementos da PJM forjaram a entrega, conluiaram-se pelo menos com um dos assaltantes e esconderam a operação da PJ, legítima responsável pelas investigações. "É preciso apurar tudo doa a quem doer", insistiu o Presidente, e bem.
Esses 1) e 2) envolvem crimes que devem ser resolvidos, explicados e castigados. Feito isso, o essencial fica feito. Sobre um provável 3), chicanas políticas (especialidade nacional), já estamos bem servidos: várias insinuações, misteriosos memorandos, algumas demissões e muito jornalismo tipo barata tonta. Ora, os 1) e 2) é que são o essencial. Resolvidos, fica o provável 3) esclarecido. Mas indo pela especialidade nacional, daqui a um ano (e mais insinuações, memorandos, demissões, achismos...), arriscamo-nos a um terrível espanto: mas que roubo em Tancos?!”
          
                          Ferreira Fernandes no Diário de Noticias

Não me lembro de ver tanta trapalhada junta num mistério desta natureza. Nem Alan Poe conseguiria engendrar algo melhor.
Dar o dito por não dito, disfarçar, assobiar para o lado e aproveitar para mandar para a rua três ministros é obra de mestre, que só António Costa seria capaz de engendrar, político de faro como é. E, vamos lá, com algum “colo” da parte de Marcelo, cuja posição neste caso não consigo compreender, já que sendo ele o chefe supremo das Forças Armadas tem responsabilidades especiais.
É que não basta afirmar que toda a verdade tem de ser apurada. Ela deve ser exigida, E não é com discursos que lá iremos, porque este acontecimento é demasiado grave para ser tratado com paninhos quentes...

HSC

4 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Está ali uma salgalhada que não dá minimamente para entender onde acaba uma trapalhada e começa outra.
Com o Exército e com armamento??
E ficamos assim, por palavras de circunstância??

Silenciosamente ouvindo... disse...

Drª: Helena este caso é demonstrativo de como em
Portugal nada é levado a sério e há uma constante
falta de respeito pelos portugueses.

O tempo que já passou, após sabermos da ocorrência
(e vá lá saber-se a data exacta) mostra que país
do faz de conta é Portugal!!!

Irresponsabilidade total? Parece que sim em várias
instâncias.


Se para um caso simples é preciso todo este tempo e
confusão, imaginemos um outro "mesmo complicado"...

Andam brincando connosco!!!


Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Anónimo disse...

Boa noite Dra. Helena,
Neste momento que escrevo, estou preocupada com a senhora, já há vários dias que não temos noticias suas neste blog. Espero que tudo esteja bem. Um beijinho até breve com saudades dos sues comentários.
Manuela Conceição


Anónimo disse...

Alguém vendeu a alma ao diabo...