domingo, 21 de junho de 2015

Saber escutar, saber fazer

“Quando iam no caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-O em sua casa. Tinha ela uma irmã chamada Maria, a qual se sentara aos pés do Senhor e escutava a Sua palavra. Marta, porém, andava atarefada, com muitos serviços e, aproximando-se, disse: "Senhor, não se Te dá que a minha irmã me deixe só a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar". O Senhor, respondeu-lhe: "Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que lhe não será tirada".


                       Evangelho segundo S. Lucas 10:38-42

Ando, por razões diversas, a ler certos Evangelhos. E como parece que não há coincidências hoje um blogue que frequento assiduamente referia, a propósito de uma pintura, este texto, que eu acabara de ler na véspera. Não sei explicar porque é que, com alguma frequência, sou apanhada em "transmissões de pensamento" deste género. Mas são um facto e eu sinto-me privilegiada quando tal acontece.
Sou mais do tipo de Marta - admitamos mulher de acção e do quotidiano - do que de Maria - mulher de escuta e de pensamento. Mas sempre tentei equilibrar estes dois lados da vida, pese embora os resultados só tardiamente se vejam.
O que aqui ainda me surpreende é a escolha de Jesus, que entende que uma das partes é a melhor... De facto, às vezes, tenho destas dissidências com Ele!

HSC

24 comentários:

Lídia Barros disse...


Boa noite,

Poderia indicar-me, pf, qual o Blog onde é comentada esta passagem s/ Marta e Maria?
Desde já o meu M.Obrigada.
Lídia Barros.

(lidia.pita.barros@gmail.com)








TERESA PERALTA disse...

Penso que Jesus queria chamar à atenção para que a palavra de Deus é "a melhor parte". Aqueles que estão bastante atarefados nunca arranjam tempo para O ouvir e, "Nem só de pão vive o homem mas de toda a palavra que sai da boca de Deus".
Para mim, a Helena está certíssima, porque esta é apenas uma das citações de Jesus, faltam as outras todas…
Beijinho :)

maria isabel disse...

Como a compreendo.
Tenho alturas que também me pergunto e parece que duvido da frase:"Tudo que Deus faz está bem feito".
Mas no fundo aceito que até ele pode errar.
Uma boa semana,Doutora Helena

Também li esse texto no blogue,porque admiro a escrita do autor.

Maria Isabel

Quando me encontrares disse...

A luta interna entre Marta e Maria é uma constante na minha vida. E ainda bem!
http://quando-me-encontrares.blogspot.pt/2014/04/marta-e-maria-em-roma.html

Anónimo disse...


Bom dia Helena!
Às vezes penso, que sou hiperátiva não consigo estar parada. Neste ponto creio que saí à minha avó.
Tenho, a sorte de enquanto trabalho ouvir certas pessoas , escuto com atenção, escutar é bom, mas escutar bons ensinamentos de vida, que nos abram novos horizontes,tenho aprendido muito com eles.
"Transmissões de pensamento, passa-se muitas vezes comigo. Já ouviu falar na sincronocidade?
As chamadas coincidências significativas, nada acontece por acaso.
Tenho o livro de Jung, que fala deste assunto. Acredite que as coincidências muitas delas, aparecem de forma velada, se tivermos com atenção conseguimos captar a sua mensagem. Já tive tantas, os sonhos também podem ser reveladores de acontecimentos futuros, existem pessoas com capacidade premonitória.
No sábado, na cabelereira vi a reportagem da feira do livro, gostei do título Mães de coragem, muito sorridentes as duas. Notei a Dolores com um ar mais envelhecido, a perda de 18kg kg deixou marcas.Quando era gordita parecia muito mais nova.

Carla

Helena Sacadura Cabral disse...

Lídia
Indico com todo o gosto . E vai descobrir uma escrita viva e inteligente, sobre aspectos do quotidiano ou sobre temas culturais específicos. É um prazer ir lá. Aqui tem

http://ponteirosparados.blogspot.pt/

Virginia disse...

Gosto mais desta passagem do Ecclesiaste que transcrevo em inglês por me parecer a mais fiel.

Ecclesiastes 3:1-15, A Time for Everything


"There is an appointed time for everything. And there is a time for every event under heaven ~
2 A time to give birth, and a time to die; A time to plant, and a time to uproot what is planted.
3 A time to kill, and a time to heal; A time to tear down, and a time to build up.
4 A time to weep, and a time to laugh; A time to mourn, and a time to dance.
5 A time to throw stones, and a time to gather stones; A time to embrace, and a time to shun embracing.
6 A time to search, and a time to give up as lost; A time to keep, and a time to throw away.
7 A time to tear APART, and a time to sew together; A time to be silent, and a time to speak.
8 A time to love, and a time to hate; A time for war, and a time for peace.

Não há melhores nem piores partes, todos temos de viver os nossos tempos da melhor maneira....

Dalma disse...

HSC, S. Lucas foi contemporâneo de Jesus?! Segundo li, não se conheceram... Logo a história contada em discurso direto parece-me forçada! Não será uma estória tipo Irmãos Grim ou Contos de Anderson, também estes com intuitos educativos?
Dalma (a descrente)

Dalma disse...

Resposta à Virgínia, posso, HSC?
Diz:a Virgínia "Não há melhores nem piores partes, todos..." Como assim? Ser amada (melhor parte), não é melhor que ser detestada ( pior parte)?
É a minha racionalidade a funcionar...

Susana Fonseca disse...

Boa tarde Helena,

Também eu me sinto mais "Marta" e tenho muita dificuldade em ser "Maria"...
Talvez essa seja a diferença entre viver e ser feliz, não sei.
Sei apenas que ouvir passivamente não é uma das minhas qualidades e dificilmente percebo como poderá ser uma virtude...

Saber ouvir é uma qualidade que só poderá dar frutos se fizermos efetivamente algo com o que aprendemos. É preciso fazer...

Beijinho e obrigada pelas palavras.

Anónimo disse...

Há melhor parte do que aquela que é escutar a palavra Dele?

Maria

Helena Sacadura Cabral disse...

Dalma, aqui tem a resposta
"São Lucas nasceu, provavelmente, em Antioquia da Síria. Foi amigo e companheiro de São Paulo, apóstolo, na tarefa da propagação do Evangelho de Jesus Cristo. Toda a sua ciência médica e literária colocou à disposição do grande apóstolo. Entregou-lhe a sua pessoa e seguiu-o por toda a parte. Pertencente a uma família pagã, Lucas converteu-se ao cristianismo. Segundo São Paulo, era médico: “Saúdam-vos, Lucas, o médico amado e Demas" (Colossenses 4,14). Lucas, entretanto, é mais conhecido como aquele que escreveu o terceiro Evangelho. Segundo a tradição, escreveu o seu Evangelho por volta do ano 70. É o mais teólogo dos evangelistas sinóticos (Mateus, Marcos). Ele apresenta-nos uma visão completa do mistério da vida, da morte e da ressurreição de Cristo. Embora escrevesse mais para os gregos do que para os judeus, o seu Evangelho dirige-se a todos os homens. Mostra, com isto, que a salvação que Jesus de Nazaré veio trazer dirige-se a todos os homens. É uma mensagem universal: o Filho do homem veio para procurar e salvar o que estava perdido (Lucas 19,10). De acordo com ele, Jesus é o amigo dos pecadores; é o consolador dos que sofrem. A vinda de Jesus é causa de grande alegria. O Evangelho de Lucas propõe-se como regra de vida não somente para a pessoa em si, mas para toda a comunidade. Daí o seu cunho social. Nele se cumpriu a máxima de Jesus: “bem-aventurados os puros de coração porque verão a Deus”.

Helena Sacadura Cabral disse...

Dalma
Esqueci a resposta à sua pergunta
"Ele não foi testemunha ocular dos acontecimentos que narra no Evangelho (Lc 1.2), embora isso não exclua a possibilidade de ter estado com os setenta que seguiam a Jesus Cristo".
É claro que a interpretação dos Evangelhos hoje é muito diferente e nalguns casos eles funcionarão como parábolas que é preciso interpretar, ou como na sua expressão e nas devida proporções "os contos de Anderson".

Dalma disse...

HSC, de qq das formas obrigada pelo esclarecimento. Na realidade antes de fazer o comentário fui esclarecer-me no Google, como agora é costume e onde li mais ou menos o que transcreve... mas como já deve ter dado por isso, às vezes gosto de ser um pouco "provocadora"!
Obrigada pela gentileza da resposta.
Dalma

Virginia disse...

Quando disse que não havia partes melhores ou piores não me referia ao cariz da vivência em si. É claro que é melhor colher do que semear ou ter paz do que ter guerra. Mas tudo faz parte do nosso percurso de vida e não se pode ter só umas - as boas - e evitar as más. Mais tarde ou mais cedo, o que é menos bom cai-nos em cima, não estamos ilesos à doença, às angústias ou ao sofrimento. Devemos encará-los como parte da vida.
Na sequência do post acima, penso que devemos ser activos ou passivos, consoante a nossa idade e atitudes perante a vida.

Anónimo disse...


http://youtu.be/S1-LCnGojnw

:-)

Anónimo disse...


Bom dia Helena!
Gostei da sua explicação, confesso que sei muito pouco sobre os Evangelhos. Para me batizar e crismar andei em aulas de preparação, creio que 6 meses para cada acto. Muito pouco tempo, para a imensidade de coisas que desconhecemos da bíblia. O preparador o padre que me casou,batizou a Rita, fez a missa de corpo presente do meu pai, é um homem que move massas. As passagens da bíblia que ele comenta, são feitas com emoção, quase que as visualizamos quando contadas. Gosto do ouvir, precisava de o ouvir mais.
Dá-me seriedade, paz, as suas palavras, mas não esqueço umas que me foram ditas, pessoalmente por ele.
É preciso, caminhar no invisível, ter fé, não sei...
Actualmente, ainda estou afastada do que sempre fui crente, mas reconheço que as mensagens dos evangelhos revelam ensinamentos importantes, que nos fazem pensar.


O segredo da saúde, mental e corporal, está em não se lamentar pelo passado, não se preocupar com o futuro, nem se adiantar aos problemas, mas, viver sabia e seriamente o presente.”
Buda

Carla

Maria Simões disse...

Tal cigarra e formiga. Eu também nasci do género formiga e irritam-me estas lições de moral. Ai se não fossem as Martas desta vida,....

Anónimo disse...

As Marias passam bem sem as Martas,já o contrário deixa dúvidas.Uma encontrou a paz a outra por mais que faça viverá angustiada.
Teresa

Anónimo disse...

Olá Helena

Antes de mais obrigado por ir partilhando os seus pensamentos e as suas sensibilidades. São verdadeiros momentos de prazer a leitura da suas palavras.

Curiosamente sobre a passagem do Evangelho de S. Lucas fiquei, pela primeira vez, a sentir necessidade de lhe escrever... É que ao meditar o texto de S. Lucas é para mim muito evidente que "Marta" é significado de inquietação e "Maria" de unidade/paz.

Jesus diz "andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte".
Jesus não diz que é melhor estar quieta ou que é melhor estar activa. Diz que Marta anda inquieta e perturbada. É como se Jesus nos dissesse para pormos um termómetro - quando acusa inquietação... alto! há que tomar providências!

E a verdade é que cada um de nós vai sentido alternadamente inquietação e unidade. E se repararmos estamos muitas vezes inquietos em momentos de escuta, e em unidade e paz em momentos de grande acção.

"Sou mais do tipo de Marta - admitamos mulher de acção e do quotidiano - do que de Maria - mulher de escuta e de pensamento." - Realmente não tenho a veleidade de a conhecer mas, pelo que leio, diria que a Helena é antes mais do tipo "Maria" como mulher que se realiza na acção e na acção encontra a sua unidade, porque muito provavelmente também como "Maria" soube escutar e pensar. Os momento que terá como "Marta" serão alertas para saber que o caminho que estará a trilhar não lhe dará grande felicidade...

Um abraço de grande amizade
Maria Fontes

Helena Sacadura Cabral disse...

Maria Fontes
Aceito a sua interpretação.
Mas a minha leva-me no sentido de uma preferência de Jesus pela escuta, pelo pensamento. Pelo menos naquela ocasião.
Aliás, quando Ele refere que Marta anda inquieta e perturbada, eu reajo. Ela está inquieta para Lhe servir uma refeição condigna. Quanto à perturbação só a entendo se ela visar a falta de ajuda de Maria...
Enfim, sempre tive as minhas saudáveis divergências com Ele. Tal como todos os filhos para com os seus Pais!

efeeme disse...

Helena, adorei o seu texto.
Simplesmente notável a parte final. Obrigado.

Anónimo disse...

Boa tarde.
Segunda vez que a abordo quanto a , numa 1ª fase, não ter referido nos seus posts , e visível, o link para o " Ponteiros parados", e agora, de novo, não o cita. Pode ser esquecimento, mas é verdade que o 1º comentário das suas seguidoras , nesta data, foi, de imediato, quererem saber o nome do dito.
Coincidência: no mesmo dia em que Marta e Maria é abordado, no " Ponteiros Parados", aparece, de novo, coincidentemente, um texto da senhora, relativo ao tema, neste seu "Fio de Prumo".
Eu sei.... às vezes convém ter ideias... que não lhe deverão faltar, com certeza, mas .... um pouco mais de subtileza , agradecia-se. Atendendo ao seu berço.

Cumprimentos.

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das 12:37
Se fosse mais atento veria que refiro um blogue que frequento com frequencia e veria também outras coisas:
1. O texto a itálico não é do autor do blog, mas sim do Evangelho de S. Lucas que eu refiro como 10:38-42 e ele apenas como 10.
2. As considerações que faço sobre o tema nada têm a ver com o que se escreve no outro blog.
3. Quando não tenho sobre que escrever, não escrevo. Isto aqui na casa não é pago.
4. Aconselho-o vivamente a não perder tempo neste blogue e nem compreendo porque cá vem...
5. Quanto ao berço, fique com o seu e deixe o meu em paz!