domingo, 21 de junho de 2015

Página de um diário (6)


Lisboa, 21 de Junho de 2015

Entrámos hoje no Verão. Não é uma estação que me seduza. Nem agora, nem antes. É um período excessivo de pormenores dos quais não gosto: muito sol, muita gente, muito suor, muito alcool.
Sou mais das quadras intermédias, como o Outono ou a Primavera, embora esta me cative menos do que a primeira, que também possui alguns excessos. Sobretudo de vida, que desponta por todo o lado.
Dir-me-ão que o Outono tem um lado triste, de fim que se aproxima. É verdade. Mas tem aquele amarelo laranja das folhas caídas das árvores que atapetam as ruas - e pessoalmente me tocam fundo -,  que dão ao campo e às cidades uma uniformidade que nas outras estações se não descortina. Aliás, essa "tristeza outonal" que tantos referem, é o bálsamo indispensável para compensar os cúmulos estivais.
Muitas vezes me tenho perguntado o porquê desta preferência, quando a minha alegria atávica, pouco parece ter de comum com tal tristeza. Começo a acreditar que é o balanço psicológico que tal determina e que a sabedoria popular tão bem explica, quando afirma que os opostos se atraem. É um facto, comigo. E não só no campo meteorológico...

HSC

14 comentários:

Silenciosamente ouvindo... disse...

Também não gosto do verão e sobretudo do mês
de Agosto.
Também prefiro a Primavera e o Outono.
Bom domingo.
Cumprimentos
Irene Alves

Anónimo disse...

No Verão todos, família, amigos, conhecidos, olham para mim com um olhar que não sei descrever- talvez uma mistura de perplexidade e compreensão, talvez alguma pena, não sei bem...
Ah, e também uns laivos de incredulidade, quando lhes digo que fico na maior, quando vão todos para as férias na praia, e eu fico em casa, só eu, ai que bom! Descanso, leio, posso caminhar, flanar, ouvir a minha música, apanhar sol até às 11h ou ao fim do dia, horas nada apreciadas pelos outros habitantes desta casa, faço as minhas experiências culinárias, e convido os poucos que também ficaram por cá e que sei que também apreciam estas aventuras (de alto risco gastronómico, quando cá estão os 'outros' da casa). Gosto muito das noites de Verão e de actividades, sobretudo música, nessas noites encantadas, ou mesmo duma simples caminhada em boa companhia.
Depois das férias começam-me a cair aqui em casa, amigas que se dizem exaustas e a precisar de férias, porque nunca trabalham tanto como nas férias, que ficam cansados uns dos outros, tanto tempo todos sempre juntos, conflitos que o calor avoluma. Parecem-me sinceras, mas não tenho a certeza se fazem este papel, porque acham que eu sou muito infeliz, porque há uns anos foi-me diagnosticada uma doença auto-imune, com hipersensibilidade extrema ao sol. Acreditem-me...por favor...eu fico mesmo na maior!

Observador disse...

Desde que as temperaturas não atinjam valores superiores a 30 graus, entendo-me muito bem com o Verão.
A partir daí ... a situação torna-se diferente, para pior, tornando a estação pouco apelativa.

Cumprimentos, com 27 graus aqui e agora. Maravilha!

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das 17:19
Lisboa em Agosto com 27º é um paraíso.
As praias na mesma altura e temperatura, suportam-se: tem que ser, as crianças mandam...
As praias em Agosto com mais de 35º e a família completa...são um desastre!
:-))

Helena Sacadura Cabral disse...

Observador
Hoje com uma leve brisa deu para fazer tudo e chorar por mais!

Virginia disse...

Não gosto nada do calor, a não se onde estou neste momento. Posso descer e ir tomar banho de mar numa prainha sem ninguém ( que o seu amigo Paulo conhece tão bem!!) e voltar para o relvado, sem stress, com passarinhos e alegria estival.

Adoro o Outono e não o sinto tristonho, pelo contrário. Ainda não está frio, as árvores são rainhas e as folhas pequenos tesouros oferecidos a qualquer um.

Boas férias!!

PS. No Porto é raro estar verão, as temperaturas são amenas....

Anónimo disse...

:-)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))]))))))))))))))))))))))))))]))))))))))))))))))))))])))))))))))))))))))

Anónimo disse...

Helena concordo plenamente consigo.
Mas contrariamente a si de mim não seria de esperar outra coisa, não sou alguém com muitos motivos para sorrir e houve alturas em que um dia de sol era considerado mesmo uma afronta, porque era demasiado contrastante com a minha realidade. Aos poucos a situação foi-se alterando não a minha realidade, mas a forma como vejo os dias de sol.

Um grande abraço para si Helena e muito obrigada por estar aqui.

Fatyly disse...

Gosto mais do Verão e saio ou pela madrugada ou ao anoitecer. Multidões? Não muito obrigado.

O Outono é triste mas a natureza é quem mais manda e temo-nos que adaptar. É a estação preferida da minha mãe:)

Hoje o dia acordou fresco, 15ºgraus ao invés de ontem que por esta hora já ultrapassava os vinte:)

e agora vou para o trabalhinho: SOS-Avó-ao-domicílio:):)

Um bom dia

Anónimo disse...

Concordo plenamente com este seu post!

Anónimo disse...

🌹🌹🌹

Silvia disse...

Sinto algo de comum neste texto. Para mim a Primavera, é de facto, a estação que desperta maior admiração, e isto desde a minha infância.
O nascimento das minhas três filhas em Março, reforçou o sentimento.
Em relação ao Outono, e como faço anos em Outubro, tenho apreciado cada vez mais a beleza das cores e tudo que envolve a estação. Talvez, seja fruto da idade .

Um bom final de dia

Anónimo disse...

Quem me dera ter a força do calor do sol para derreter o gelo de alguns corações...
André

Anónimo disse...

Só os dias grandes são optimos. Felicidades querida Senhora. Bjs