quarta-feira, 4 de abril de 2012

Alguém acredita?!

Num país cheio de graves problemas, na RTP acontecem situações como a que vou relatar!

O comentador João Gobern, num programa daquele canal sobre futebol, tema que, como se sabe, faz vibrar a nação, mesmo que ela esteja em profunda crise, festejou, quando estava no ar, um golo do Benfica.

Creio que João Gobern será um benfiqusita ferrenho. Tão natural como eu ser do Sporting desde que nasci.

E o que aconteceu, depois de, após o episódio, ele se ter penitenciado da emoção e ter posto o lugar à disposição?

Claro, foi despedido!

Num país em que a culpa morre sempre solteira, em que os politicos nos mentem impunemente, o João Gobern é dispensado da RTP – sem se aperceber que fora filmado -, por um acto de paixão clubística irrelevante e que a impulsividade tão comum às coisas da bola deveria poder justificar.

Mas não. O canal público sentiu-se como uma virgem ofendida e, após quatro anos de colaboração, dispensou o João.

Pergunto: e se usassem esta rapidez punitiva para todas as suas outras áreas de intervenção, não ganharíamos todos muito mais?

HSC

9 comentários:

Naná disse...

Pode crer que ganharíamos Helena!

Alcipe disse...

Revoltante!

Maria disse...

Helena:
Obrigada, por aquilo que diz do João.
A Maria que lhe tem escrito, é tia orgulhosa do João. Tentei,nunca me dar a conhecer. Não tinha razões para tal. Hoje, depois de ver a forma como foi tratado no Youtube, fiquei feliz, por o ver apreciado por si e pelo Pedro.
Hoje, que o magoaram, o feriram, o insultaram, a tia que tem um orgulho enorme nele, sentiu necessidade, de gritar bem alto: Este, é o meu sobrinho, um homem sério, honesto, jornalista dos bons, que não se vangloria do que vale.
Hoje, Helena, sabe que a Maria, é tia do João e é a tia do João que lhe manda um beijinho
Maria

Raúl Mesquita disse...

Tartúfico!

Raúl.

Helena Sacadura Cabral disse...

Minha querida Maria
Bem vindo esse beijinho da tia de um homem que eu respeito, que admiro, e de quem gosto muitíssimo.
A ele, pelo telefone, já lhe dei um. Receba agora, minha querida, este que lhe mando a si.

Margarida disse...

Não assisti, nem vou à procura no YT. O João Gobern é um interessante homem multifacetado, que só terá esse 'defeito' da "bola". :)
A RTP tem posturas nefastas. Idiotas, também. Com esta, acumula.
Homessa...
Mas assim se 'aprende'...

Anónimo disse...

Srª Sacadura Cabral
Considero a grande influência da sua personalidade. Peço-lhe que a use para providenciar a imediata demissão de gente tão barbaramente inculta.( Aquela gente não é digna da posição que ocupa )
(A) José Alves

ERA UMA VEZ disse...

Cara Helena

Junto a minha voz à vossa, apenas para acrescentar que há muito aprecio o João, que não conheço pessoalmente mas que é amigo muito próximo e compadre do Pedro Rolo Duarte, amigo de alguns anos.

Não é a amizade pessoal que aqui me traz, mas tão só, esta repetida certeza de que um gesto espontâneo e verdadeiro é mais grave afinal do que tanta mentira e dissimulação que frequentemente nos é oferecida.

Claro que não terá sido politicamente correcto para um comentador mas(que diabo)trata-se de alguém que prestigia a RTP como o faz igualmente na Rádio(RDP) com o Hotel Babilónia.

Um raro programo de autor, onde a dupla Pedro e João fazem parte das minhas manhãs de sábado, junto ao Sado. Temas inteligentes, onde a música, a conversa, a picardia saudável e um enorme sentido de humor, coabitam, informam e divertem.
Já ouvi dizer que também vai acabar.

OK!!! Sequem tudo o que ainda vale a pena.E as maternidades, OK?
Isto é mesmo para fechar não é???

Se me permite Helena, um abraço à Maria, tia do João. Parabéns pelo sobrinho. Conheço pouca gente com uma cultura e memória tão diversificada. Isso às vezes incomoda...
Há quem lá esteja, apenas para dizer"Sim, senhor ministro"...Ou então, nem isso.Talvez seja uma forma de dizer"O chefe aqui sou eu, alguém deu por issoge???

Isabel Seixas disse...

Inadmissivel...
Felicito-a por levantar a voz por tamanha injustiça...

Além dos açaimes para contenção física e verbal só fazerem sentido quando há prejuizo para o próprio e para a comunidade que o rodeia.

O Sr. só estava a usar o seu direito inalienável à espontaneidade deveria era suscitar ternura...

Por Mim subscrevo o Seu post.