quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A restauração

Sou portuguesa com orgulho. Sei que as nossas rainhas vieram na sua maior parte de Espanha. Sei a importância da Ibéria. Sei que muitos pensam que se fossemos espanhóis poderíamos estar melhor. Não é verdade.
Sei que o 1º de Dezembro não deve ser esquecido. Por isso, não gosto de pensar que este dia vai deixar de ser honrado, num país que se preocupa mais em ser europeu do que em se manter português.
Tenho muita pena e a minha via sacra de Dezembro vai continuar a começar no dia 2 porque, para mim, o anterior continuará a merecer o meu regozijo!

HSC

8 comentários:

Pusinko disse...

Gosto muito do dia 1 de Dezembro. Quase tanto como do 10 de Junho. À minha maneira (estando fora), honro-os, pois os meus colegas de trabalho sabem o significado de ambos. :)
Em termos de feriados a retirar, sendo essa a decisão, sou mais favorável à remoção dos religiosos num país laico do que os que representam momentos cruciais da história de um país. E o dia 1 de Dezembro assinala uma data especial.
Percebo que a Igreja católica tenha muita influência e se atenda à opção religiosa da maioria (que se pauta pelo catolicismo-não-praticante e aproveita esses dias para celebrar não sabe bem o quê). Opiniões, bem sei, mas discordo da porporção 2:2 e não 1:3.

Anónimo disse...

Subscrevo este Post. As datas Históricas, como o 1º de Dezembro, não deviam deixar de ser comemoradas. Todas as datas com significado Histórico, cujo sentido se aprende nos bancos de escola, não deveriam ser incluídos nesta lista de feriados a abater pelo Governo.
Aliás, sou de opinião de que o desaparecimento dos feriados é uma atitude demagógica.
Não me queiram, os senhores Governantes, convencer de que a Economia agradece e vai por aí começar a apresentar sinais de recuperação face ao que por aí se diz de que uns tantos milhões de Euros (em vias de extinção?)se recuperarão, com a ausência desses mesmos feriados.
Uma economia recupera-se com medidas, com arrojo, de apoio ás empresas, investidores, exportadores, consumidores, comerciantes, etc e tal.
Tudo o resto é fantasia barata! Para Troika ver(antes era Inglês - hoje duvido, pois sempre foram mais espertos do que nós, Euro- Zone).
P.Rufino

ERA UMA VEZ disse...

Na vila onde cresci, a banda filarmónica acordava toda a gente às sete da manhã tocando o hino da restauração. Não, não era o hino nacional, era mesmo um hino próprio desse dia.Ainda o sei de cor.
E nós crianças, embrulhadas em mantas tínhamos autorização para correr para a janela e apreciar aqueles músicos da terra tão orgulhosos como enregelados desfilando pelas ruas ainda quase noite.

À tarde vestidas as batas brancas da escola, havia espectáculo na Casa do Povo, a chamada récita...e foi aí, que pela primeira vez subi ao palco para dizer poesia. Era um poema de Sebastião da Gama que começava assim:
Quando eu nasci...ficou tudo como estava...
Lembro-me dos aplausos e de estar feliz por não me ter enganado nas palavras...

Era assim o primeiro de Dezembro.
Um grupo de valentes portugueses tinha reconquistado a independência e voltávamos a ser uma nação, Aprendíamos na primária esta história de coragem...Eram os nossos heróis, os nossos Super Man, os nossos homem aranha...

Parece que já na altura, Oliveira Salazar tentava ser discreto com os festejos para não "ofender" o general amigo aqui do lado.Mas era um dia importante. Se era!

Eu não sei se temos muitos ou poucos feriados mas sinceramente não acredito que adiante à nossa difícil recuperação apagar memórias e razões do nosso orgulho.
Pelo contrário, as datas podem ser importantes para a nossa auto estima como povo e motivo para recordar os factos que o tempo vai apagando.

Não sei se temos feriados a mais, temos sem dúvida é razões a menos.Razões para acreditar que a reconstrução é possível, que o caminho é este e que o esforço é na medida certa.

Talvez lembrar, mas lembrar MESMO o que se passou no dia 1 de Dezembro de 1640, pudesse ser INSPIRADOR. Quem sabe?

fairystyle disse...

Cara D. Helena,
Não podia estar mais de acordo consigo, é sem dúvida de lamentar este virar de costas que os governantes de Portugal, fazem à História do nosso país.
Adoro a forma como escreve e como fala, desde já, muitos parabéns pela sua participação no programa da manhã da SIC, em que explicou de maneira simples e bem compreensível, todos estes novos conceitos que a tão falado crise tem acrescentado ao vocabulário dos portugueses.
Posso-lhe pedir um favor? Posso partilhar este texto (com a devida indicação da sua origem) no meu blog?
Muitos parabéns mais uma vez, e um excelente feriado.

Isabel Peixoto de Castro

Anónimo disse...

Subscrevo na íntegra porque estes cortes são pura demagogia.

O 1º de Dezembro tem um significado histórico importante para Portugal e é o nosso feriado civil mais antigo.

Isabel BP

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Isabel P Castro
Claro que pode!

Francisco Rocha disse...

Parabéns ...

Anónimo disse...

Aprendiamos na Escola, diz um comentador, e era verdade.
Agora, já não se ensina Historia.A maioria dos alunos, vejo pelos meus netos, nem sabe o que é o 1º.Dezembro.
Fico triste e digo tantas vezes, nas conversas com os amigos - um povo sem historia, não é povo!
Não nos "esquecemos" dos nossos progenitores e os colocamos em lares porque, dizemos, que não temos tempo para os atender?
Mais palavras para quê?
Um nativo dos Açores.