domingo, 10 de julho de 2011

Um aniversário especial


Neste Domingo fazia anos uma amiga de quem gosto muito. Costumo dizer que "foi das boas aquisições da minha existência" a qual, sendo já longa, ainda continua a surpreender-me.
Ela, que passa o tempo a acudir aos outros, na sua fase mais díficil - sim, é médica -, queria celebrar meio século de vida, junto de todos aqueles que ama. Mas eram muitos e não era fácil juntá-los todos. E, como adora o mar, desejava acrescentar à amizade, mais este elemento ambiental.
De que se lembrou ela, então? De fretar um antigo veleiro - hoje dedicado ao turismo - e de nos deleitar, durante cerca de quatro horas, com um passeio nas águas do Tejo, onde nos serviu um magnífico lanche ajantarado. O dia estava soberbo e foi tocante ver como era querida por quem ali estava. Houve quem viesse de Espanha, do Norte e do Sul. E houve mistura de graúdos, miúdos e família.
Nesta tarde de Domingo, a aniversariante poude, assim, celebrar 50 anos, rodeada de amor - mãe, marido e filhos - e de amigos.
E eu que tenho, infelizmente, partilhado com ela, nos últimos tempos, mais tristezas do que alegrias, dei graças por fazer parte daquele grupo. Esta amiga especial, chama-se Isabel Galriça Neto e é a responsável pela introdução dos Cuidados Paleativos em Portugal.

HSC

12 comentários:

Vitor Nunes disse...

Boa noite,
um veleiro? Já uma vez aqui trocamos opiniões sobre os excessos,e aí ,eram os excessos dos pobres,que áté tinham telemovel,veja-se o abuso.É a historia do copo meio vazio.

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Vítor Nunes
Não se faz meio século de vida todos os dias. Depois, o turismo em Portugal não é só para os estrangeiros e, se consultar o preçario destes veleiros, ficará surpreendido.
Se fossemos todos num cacilheiro, que hoje são verdadeiros paquetes, muito possivelmente a conta seria maior...
O nome de "veleiro" e não o de "barcaça" despertou-lhe de imediato a diferença entre ricos e pobres, o que não é o caso que foquei.
Estas coisas que classifica de excessoa dão trablho a muita gente que só o tem durante o verão.
Ah! Esqueci-me de dizer que o lanche foi feito pela própria e família...
Mais tranquilo com o "excesso"?
:))

Anónimo disse...

O trabalho que a Sra Dra Isabel exerce sobre os doentes que tem a seu cargo para mim não é um trabalho mas sim uma MISSÃO ,esta Senhora mereceu a sua festa dos 50 anos eu até acho devia ter sido feita num IATE de luxo .São pessoas como ela que precisamos nos hospitais que tanta falta de humanização tem .É de louvar a forma como trata os doentes em fase terminal ,Graças a Deus que existem pessoas como ela .Parabéns Dra Isabel que conte muitos .

Carlota Joaquina

Anónimo disse...

" Ser Mulher é chorar de Alegria e muitas vezes sorrir com tristeza ,é cancelar sonhos em prol de terceiros é acreditar quando ninguém mais acredita ,é esperar quando ninguém mais espera ."

Autor desconhecido

Dedicado á Dra Isabel



Carlota Joaquina

Paulo de Abreu e Lima disse...

Ah Ah Ah! O que me ri com a sua resposta agora. Não sei se há barcaças, mas sei de canoas que ainda fazem percursos muito engraçados no Tejo. Quanto aos veleiros, o Vítor Nunes não deve estar a par dos preços...

(há-de chegar uma altura em que cada um vai monitorizar os gastos do vizinho, só porque sim, ou porque se sente um detective justiceiro, enfim...)

diogo disse...

3 razões para ser feliz . 50 anos de vida , bons amigos e capacidade financeira QB.espero que com saúde também , nem todos têm essa sorte . felicidades a todos .

Anónimo disse...

Pois eu também achei a ideia bem interessante.
Ainda bem que aproveitou.
Bjinho
Isabel Seixas

Marcolino disse...

Estimada Helena,
Festa à parte, eleve-se o Espirito de Missão, desta Nobre Mulher,responsável pela introdução dos Cuidados Paleativos em Portugal!
Festejar aniversários, também festejo os meus, de forma especial, de 10 em 10 anos, e para o ano que vem festejarei os meus 70..., depois os 80, conto chegar à idade do meu Avô paterno que partiu aos 98 anos, mas com saude de ferro, similar à dele...!
Noite tranquila!
Marcolino

Pôr do Sol disse...

Cara Helena,
Parabens à Dra. Isabel Galriça Neto pelos seus cinquenta anos que conte muitos e bons, Mas também por a ter como amiga.
PARABENS a si por ter como amiga uma alma tão generosa que dedica a sua vida a uma das mais dificeis e dolorosas missões, que só alguem muito especial consegue desempenhar.
Apoiar a quem já nada resta senão o desejo de descançar em paz, sem nos antevermos, é de uma força digna de um enorme respeito.
Este País deveria dignificar estas iniciativas em vez de privatizar e entregar a tubarões a saude dos seus contribuintes.

Anónimo disse...

Parabéns Dra. Isabel Galriça Neto
Só quem não conhece o trabalho desenvolvido pela Dra. Isabel Galriça Neto, poderá expressar opiniões nefastas e pobres de espírito. Infelizmente o País está na situação em que se encontra por não existirem MAIS Mulheres e Homens como esta MULHER que trabalha arduamente e humanamente em prol dos seus doentes e familiares dos mesmos. Pelo que espero que possa festejar muitos mais aniversários com as pessoas de quem gosta e que por vezes não lhes disponibiliza o tempo que elas mereciam, porque mais uma vez o trabalho está sempre em primeiro lugar. Tive o cuidado de me informar do valor por pessoa deste passeio, aliás está publicado na Net, fiquei bastante surpreendida como alguém consegue extrapolar um simples passeio num modesto “veleiro” para uma festa quiçá “chique” … não consigo compreender o intuito desta mensagem.
Bela sugestão para organizar festas acessíveis com Amigos.
Pergunto: - Se temos que pagar todos os impostos aplicados, porque não gastarmos o nosso dinheiro, fruto do nosso trabalho, também com coisas que nos dêem prazer.
Já escrevia Luís de Camões "INVEJA"
Obrigada por tudo o que tem feito e não deixe que nada perturbe a sua paz de espírito.
Bem Haja!

Helena Oneto disse...

Querida Helena, Fico cheia de inveja:)!

vitor nunes disse...

Boa tarde Sra Dra,
Nada tenho contra quem festeja aniversários em veleiros,bem pelo contrário,alás o anónimo fala de inveja que é o sentimento que não tenho.Veja se recorda um dia não muito distante em que aqui escreveu sobre os Portugueses e os telemóveis, em que eu tomei um bocado a defesa de alguns luxos até para os que não podem.O que eu gostava mesmo era que todos pudessemos ter uma vida com dignidade,os dos veleiros e os dos telemóveis. Não se trata de nenhum mau estar contra quem pode,mas viver como alguns vivem,trabalhando de sol a sol e não podendo ter um luxozinho é dramático e é contra isso que luto. Bem haja.
Vitor Nunes