sábado, 16 de abril de 2011

O passar dos dias

Os dias passam lentamente. O Sol apareceu em todo o seu esplendor e os portugueses, com FEEF- FMI ou sem ele, preparam-se para as férias da Páscoa. A serem verdadeiras as notícias, internamente o Algarve estará com óptima ocupação e lá fora, Cabo Verde e Brasil, são destinos de eleição, com aviões cheios.
São as promoções, dirão os mais crédulos. São as últimas férias, antes que venham mais restrições, dirão outros.

Seja por um motivo seja por outro, não deixa de surpreender que uma classe média com um futuro muito incerto, que pode perder o emprego ou ver substancialmente reduzido o seu salário, consiga pensar em férias.

Há dias, uma senhora finlandesa reformada admirava-se, na televisão, de saber o país em crise. É que via as pessoas a almoçarem, a tomarem o pequeno almoço e a comprarem tabaco. Na sua terra natal, as pessoas tomavam a primeira refeição em casa e levavam em marmitas a refeição seguinte. Jantar fora, era uma festa!

Quando a ouvi lembrei-me dos meus tempos de liceu. Também eu levava uma lancheira com o almoço e nunca me senti diminuída com isso. É que almoçar no refeitório era caro e nós lá em casa éramos muitos.

De facto, ainda vamos ter que reaprender mais. Vou repetir-me. Não é só a ter pouco dinheiro. É a viver de outra maneira!


HSC


Nota: um exemplo P.A café e sande ou galão e torrada 3€+Almoço frugal sem vinho 8€ + Maço de cigarro 5€ = 16€/dia. Ou seja no mínimo, ao fim do mês, 480€. Com este dinheiro dir-vos-ei um destes dias o que podem preparar em casa. Apenas pergunto: e o resto?

14 comentários:

Gaivota Maria disse...

Oh, minha amiga. o que diz é para genta da nossa idade. Os nossos filhos começam à custo a perceber. Os nossos netos vão ter que se desenrascar. E cá estamos nós, avós, para dirigir o clube. Um abraço

Marcolino Duarte Osorio disse...

Drª.Helena
Com os meus 70 anitos, vivendo sózinho, preparo diáriamente o meu pequeno almoço em casa. Almoço em casa, o que mais desejar desde que não fuja ao meu orçamento diário, e de acordo com uma dieta contra o agravamento do colesterol. Janto em minha casa, uma torrada, chá, uma peça de fruta e um yogurte dos mais baratos, comprado no Dia. Quando saio em viagem ou por puro prazer, levo sempre duas a tres sandes e um refresco acondicionado num garrafinha térmica igual à dos ciclistas. Frugalidade absoluta, na alimentação e na vida em si!

Fora deste contexto: Adorei ver o sketch do Herman...! Gostei imenso de ver e escutar, o seu Infante

Cumprimentos
MO

ERA UMA VEZ disse...

Minha cara Helena

Sou daquelas que ficou em casa apesar de ter apartamento de família no Algarve.Nada tenho contra quem foi.Talvez seja o "canto do cisne".. E no entanto estou de "barriguinha cheia" Acabo de ver no Herman 2011 um programa excepcional. Para além dos convidados que gostei de ver e ouvir, tenho a certeza de que acabei de ver duas imitações tão tão tão perfeitas que acho vão ficar na história da televisão em Portugal. Trata-se de Manuel Marques de Rui Santos e Herman de Helena Sacadura Cabral. Grande trabalho destes dois humoristas. O Herman a voltar aos seus melhores momentos. Do Manel não adianto mais dada a minha "enormíssima" proximidade...Acredito que terá gostado como eu. Só as pessoas mt inteligentes ACEITAM e MERECEM uma imitação desta qualidade. Parabéns Helena.

Cessão à Ré disse...

como o analista que nos ouve 45 minutos precisos.
Aqui não temos que pagar...

é um poderoso elemento de catarse

e auto-análise

pode-se fazer também num caderno ou num diário

mas aqui tem-se a ilusão de ser mais fácil de organizar e de achar

Cessão à Ré disse...

Oppfølgings

Não é só a ter pouco dinheiro. É a viver de outra maneira!

ou seja remendar peugas
voltar os colarinhos
andar com roupa esburacada em vez de a comprar já esburacada

intoxicar-se com naftalina em vez de deixar as traças comerem a roupa velha

por meias solas

não trocar de carro ou de telemóvel/papel de carta televisão/rádio ipod e computador/máquina de escrever de 2 em 2 anos

não comer bolos todos os dias



Nota: um exemplo P.A café e sande ou galão e torrada 3€+Almoço frugal sem vinho 8€ + Maço de cigarro 5€ = 16€/dia. Ou seja no mínimo, ao fim do mês, 480€. Com este dinheiro dir-vos-ei um destes dias ....

bom mas o pequeno almoço geral que alguns tomam galão ou café mais torrada bolo 1,50
almoço sem extras 5 a 6 euros
não fumadores cada vez há mais
7,5 euros 20 dias =150 euros

agora indivíduos que compram aqueles almoços sandochas ou vão ao minipreço ou pingo doce para o consumo de vitualhas

podem fazê-lo por 2 a 6 euros por dia meio-litro de sumo incluido e iogurte

dá só 60 a 360 por mês
ou a 20 dias excluindo fins de semana

em casa numa dieta de frango, carne picada, latas de conservas e ovos e salada de beldroegas e agriões cultivados na varanda
pese os ganhos em triglicéridos

e fazer o pão em casa que voltou a ser moda

pode-se fazer um consumo de 3 euros por dia 90 por mês

numa dieta de 20 quilos de arroz por mês como fazem aqui uns i chings para três pessoas e um passante ocasional
são 16 euros mais um gato ocasional a menos

curiosamente isto está cheio de pombos e os sacanas não os comem
isto há gente de manias

eu gostava de pombo quando tinha uns 6 anos
curiosamente parece que os miúdos de hoje se enojam só à sugestão de comer pombo

Cessão à Ré disse...

e o tabaco em mortalhas voltou em força

fica mais barato
e compram-se fósforos por 20 cents a caixa 1/1500 avos do salário mínimo

dantes 1$ ou 1$50 ou 50 centavos uma carteirinha
com salários de 300 a 600$ era caro

ou as latas de sardinhas tinham mais
ou comia-se menos sardinha e mais puré de batata e açorda

reciclava-se a comida
e rapava-se o prato
por causa dos chineses que comiam até ao último bago de arroz

estou desconfiado que a história vai ser contada de outro modo

Anónimo disse...

Até ao momento posso dar-me por satisfeita porque apesar da redução de ordenado não senti a crise, mas tomei medidas muitas sérias para acautelar a carteira para os tempos de aperto (redução do seguro automóvel, pacote do telemóvel e restaurantes acima de um determinado valor).

No meu local de trabalho apenas as pesoas que com ordenados superiores levam marmita (somos três), as restantes tomam o PA, almoçam e, às vezes, lancham fora... neste grupinho algumas têm ordenados com apenas 3 dígitos e até abaixo dos 500€.

O FMI até pode ficar por cá meio século com gabinete fixo no Terreiro do Paço, mas a eterna mania das grandezas NUNCA irá mudar, isso está enraízado na mentalidade dos portugueses.

Quando estamos de férias no estrangeiro ou numa região de Portugal mais turística (Madeira e Algarve) basta ver que os estrangeiros podem encher os pratos mas comem tudo, enquanto que os portugueses enchem e deixam restos - "têm mais olhos que barriga".

Há uns anos, ouvi um inglês com alguma idade comentar que essa atitude estava relacionada com o facto de Portugal nunca ter passado directamente por uma Guerra Mundial.

Isabel BP

Tralha do Melhor. disse...

Excelente Drº Helena .Obrigada pela Partilha

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Cessão à Ré
Aqui onde vivo e trabalho, na pequena tasca onde todos vão, um café e meia torrada custa 1,60€. Mas a maioria bebe galão e sande seguido de um café e paga 3€.
Quanto a almoçar por 5 ou 6€ acredito. Mas, a meio da tarde,vai de certeza marchar um lanche. O que vai dar ao mesmo...
É verdade que o número de fumadores diminuiu nos locais de trabalho e restaurantes. Mas as beatas que ficam à porta, deixam muito a desejar sobre essa redução.

Fada do bosque disse...

A classe média anda a estourar tudo o mais depressa possível, para ficarem pobres... é muito melhor assim, do que gastar algum, a ajudar os que já são pobres... e siga para bingo! Despois queixem-se!...

Anónimo disse...

Querida Helena, antes de mais deixe-me dizer que adoro o seu blog. Quanto ao facto das pessoas terem esquecido determinados hábitos do passado, hoje em dia já se vê muita gente com a lancheira com lanche e almoço. É o meu caso.Sou jovem,ando na faculdade e necessito de fazer isso e como eu tenho muitos colegas que me acompanham. E vendo tudo isto pelo lado positivo, é muito engraçado nestes dias de sol irmos todos almoçar para o jardim da faculdade. Acho que a minha geração já começa a ter noção dos sacrifícios que vamos ter de enfrentar.

Inês

Benilde Martins disse...

Pois sou professora, com 32 anos de serviço e tomo sempre pequeno almoço em casa, levo lanche para meio da manhã e /ou tarde e almoço. Tenho uma filha engenheira que todos os dias leva de casa o pequeno almoço tomado, o lanche para meio da manhã e meio da tarde, embora almoce na cantina, não no restaurante. No entanto, vejo os que recebem ordenados inferiores, nomeadamente o pessoal não docente das escolas e os alunos a tomarem pequeno almoço, lanches e afins no bar. Os meus dois filhos em todo o seu percurso escolar levaram lanches de casa.
A questão nunca foi exclusivamente o poupar,também,mas esencialmente alimentar-se melhor.

luis disse...

Pois é, em levar a marmita com as refeições é que esta a dar, poupa-se bastante...

patricio branco disse...

temos de facto que adoptar as nossas medidas pessoais/familiares/caseiras para minorar os efeitos da crise e o dinheiro render mais.