segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A grosseria de Maitê Proença

A brasileira referida no título é bem conhecida dos portugueses. Tem mesmo, numa das suas versões profissionais, livros editados no nosso país, para além de novelas e peças teatrais suas que aqui foram vistas.
Pois bem, numa visita a Portugal, para tratar de assuntos relativos a uma peça a estrear cá -que muito possivelmente foi paga com dinheiro português -, aproveitou o tempo livre para fazer uma reportagem vergonhosa sobre Portugal, para o programa televisivo "Saia Justa", que pode ser vista, na integra, em:


A creatura em causa - não tenho outro substantivo para a ela me referir - fez um vídeo que só revela uma profunda ignorância, uma tremenda má educação e uma imensa ingratidão para com um país e com uma gente que sempre a receberam de braços abertos. A grosseria é tanta, que a a última imagem mostra a sinistra personagem a cuspir no solo que a recebe!
A brasileira, que está seguramente com os calores da menopausa e, eventualmente, quem sabe, com uma paixão mal resolvida por algum representante da lusa pátria, vem bolsar o seu vómito a Portugal.
A única atitude a tomar é registar na nossa memória o facto e actuar em conformidade em relação aos seus interesses na terra lusa. Por mim, não comprarei um só livro ou bilhete de teatro a que o seu nome esteja associado. É a única forma que tenho, ao meu alcance, de mostrar a minha indignação pelo vexame a que a minha pátria foi sujeita.

HSC

42 comentários:

Margarida disse...

Triste.
Custa-me sempre ouvir os estrangeiros falar mal do meu país (mesmo que, em algumas circunstâncias, tenham razão), mas de todos, os brasileiros são quem me magoa mais.
Aquela coisa da nossa língua polvilhada com tantas especiarias e sol, que tão bem aprendemos a amar.
Acho que Milay exprimiu veementemente o 'além-da-mágoa'.

Luísa disse...

Sigo-lhe o exemplo, Helena. Não imaginava a Maitê tão parvinha e saliente.

Patti disse...

Burriiiinha e ainda ri da própria estupidez, o que se revela bastante grave.

Gaivota Maria disse...

A essa menina pagam para ser bonita e sexy. Ninguém lhe fez uma avalição do grau de estupidez e ignorância.O que mais me custa é que este nosso país está cheio de turistas ou passantes deste tipo. Já guiei muito brasileiro que vem a Portugal conhecer as suas raízes e trazem a cabeça cheia de erva. Pior: desconhecem o que se passa no próprio país,para não falar da sua cidade e até do seu bairro. Porque deveria a Maitê ser diferente? Tenho uma obra publicada sobre a devoção ao Bom Jesus de Matosinhos no Brasil. Como brasileiro se acha rei da cocada,pensa que o único exemplar é o de Congonhas e discute ferozmente quando lhes digo que há pelo menos mais 23 igrejas dessa devoção.Comportamento de enteados com relação mal resolvida!!!!

Diana disse...

Plenamente de acordo com tudo o que escreveu Dra. Helena e acho que a atitude a tomar será essa ao invés de criticar tudo o que está deste lado do atlântico como já li da parte de algumas pessoas.
Essa criatura, felizmente, não representa o Brasil, nem os brasileiros, que sempre tratam tão bem os portugueses que aqui andam.
Um beijo grande,
Diana Bourbon

Manuela Araújo disse...

Cara Helena
Triste mesmo, segundo o que diz, pois já não consegui ver o vídeo no youtube, talvez tenham retirado por vergonha.
Beijos

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Manuela
Ainda está na net. Mas não copie e cole. Escreva o endereço que indico no post e vai lá ter.

Abraço

Manuela Araújo disse...

Obrigada Helena
Não deu nesse endereço, mas vi aqui, deve ser o mesmo "Lusofobia no Saia Justa".
É uma coisa degradante, uma pessoa decente nunca poria ao ridículo povo nenhum, ainda mais dessa maneira absolutamente insultuosa.
Por mim, também alinho consigo, nem um décimo de cêntimo para o bolso dessa "senhora". Haja dignidade.
Um beijo

catarina disse...

Que criatura nojenta é esta que até termina a reportagem a cuspir?? Horrorosa, esta Maitê....

Marcos disse...

Peço desculpas aos irmãos Portugueses. Como brasileiro eu fico envergonhado com as grosserias desta senhora.

Paulo Abreu e Lima disse...

O vídeo está aqui

Todos nós sabemos no que dá uma mulher despeitada, e não foi só no "Saia Justa". Maitê estará fora da Globo, já saiu da revista Época e está a abraços com as piores críticas profissionais da sua carreira.

No Brasil, deixou de ser desconsiderada, para ser ignorada: dói, mas não justifica.

Diz-se descompensada e, como é óbvio, seus motivos são pessoais!

Pedro Lopes disse...

nesse link tb não consegui, encontrei aqui
http://www.youtube.com/watch?v=QnrVZkKOOt0

a moça parece ter uns parafusitos a menos, ou estava em dia não, coitada

JMV disse...

Dr.ª Helena Sacadura Cabral, antes de mais queria-lhe dizer que os meus pais foram seus alunos em Económicas, julgo que em finais de 60 ou inícios dos anos 70, e que guardam de si uma muito grata memória.

Só por esse motivo, se não bastassem já outros, teria todo o respeito pela sua pessoa.

Dito isto, discordo do que aqui disse relativamente ao tal video da Maitê Proença. E porquê?

Antes de mais porque não me parece que devamos ficar sinceramente ofendidos com o tom jocoso e ligeiro que consta do pequeno filme.

Por muito graves que fossem as "desconsiderações" (e não me parece que o sejam), nada me faz concluir que seja algo mais que uma reportagem meramente lúdica e feita num tom sem qualquer animus offendendi, desde logo se se conhecer o programa "Saia justa" em que esse tom é costumeiro em relação a todo e qualquer tema e não, pois, especificamente ou mais marcadamente, relativamente ao nosso país.

Por outro lado, muito do que ali é dito é, e infelizmente o penso e digo, verdade: não "elegemos" "nós" Salazar como a personagem maior dos nove (!) séculos portugueses?; aquele enfoque no número "3" que foi invertidamente afixado num contexto em que se denota que houve toda a concentração e atenção à caixilharia e, designadamente, aos parafusos tão rigorosamente centrados não ilustra muito do que nós em geral somos, atentos tantas vezes e até perfeccionistas com o acessório e o incidental e negligentes e descuidados com o que seria o principal?; ou, na mesma linha, aquele episódio com o empregado do hotel - de 5 estrelas, realce-se - que, chamado a ultrapassar um qualquer problema informático e que, não o conseguindo fazer, chama o porteiro (que se limita a franquear o acesso e em geral apenas dá o primeiro acolhimento aos hóspedes) a fim de este por sua vez "tentar a sua sorte" não será igualmente ilustrativo da nossa vocação irresistível para o desenrrascanço e para o improviso, para mais em situações em que se exigiria que não houvesse qualquer amadorismo (relembro, é um hotel de 5 estrelas)?

Por outro lado ainda, são destacados no programa, embora simetricamente de uma forma meramente alusiva, dados que julgo não seriam em caso algum salientados no que fosse um programa "hostil" a Portugal.

Com efeito, alude-se ao monumento aos Descobrimentos (e não ao achamento...), filma-se nos Jerónimos, alude-se a Pessoa, a Camões e a Vasco da Gama, mencionam-se os pastéis e incorpora-se na filmagem uma explicação (factual, interessante e provavelmente desconhecida de muitos brasileiros... e de muitos portugueses!) quanto à razão da utilização das gemas e das claras dos ovos nos Conventos.

Por fim, não julgo que a última cena represente a Maitê Proença a cuspir no solo que a recebeu; tão somente e muito sinceramente creio - e penso que isso resulta claramente da sequência das imagens - que ela tenta apenas, num tom obviamente ligeiro e lúdico, imitar o que a estátua representa e nada mais que isso.

Independentemente de tudo isto que aqui escrevo - e, pois, mesmo que tivesse acaso havido uma intenção de desconsideração por parte da referida actriz -, penso que isso valeria o que vale. Ou seja, a uma brincadeira, se porventura pesada e "sem graça" (o que não me parece aqui o caso), dever-se-ia somente reciprocar por igual e não esperar uma qualquer retaliação de qualquer outra natureza.

Mas naturalmente respeito opinião contrária ou diferente da minha.

Cumprimento-a com elevado apreço,

João Manuel Vicente

Anónimo disse...

Nem é tanto o preconceito lusofobico que me irrita - a ignorância congénita da senhora retira qualquer ironia fina ou critica contundente, daquelas que fazem doer a alma - mas escarrar num fontanário de um monumento nacional é de uma boçalidade tal que vou seguir o conselho da Helena.

cumprimentos

conceição disse...

alguns brasileiros já perderam o norte.

neste blog brasileiro--um jornalista diz bem o q alguns br pensam.
2/10/2009 - 21:19 pelo jornalista luis massif
Saia justa com Portugal

Por Abelha

Está dando o que falar – e o que xingar, principalmente – um vídeo feito pela atriz Maitê Proença para o programa da GNT Saia Justa.

O vídeo foi feito em Portugal para tentar retratar curiosidades do país, como rio Tejo, pastéis de belém, arquitetura… enfim, o de sempre.

Mas eis que Maitê decide partir para o humorismo. Tenta fazer gracinhas do costume de lá, de falar das limitações dos portugas, etc.

No vídeo em questão, dona Maitê desanda a falar coisas que, considero, são de baixo nível. Descamba pra baixaria.

E ao final e já em gravação no estúdio, todas as meninas do Saia Justa caem a gargalhar do “povo burro de Portugal”.

Isso nem seria levado tão em conta se a Globo não retransmitisse o programa, pela Globosat, para todo o mundo. São uns 150 países. Tem brasileiro na Coréia indgnado! Os portugas estão enfurecidos!

Custava a Globo fazer edição? Ou censurar uma baixaria dessas?

Mas não fez nada disso…

Blogs de brasileiros que moram no exterior, e que já sofrem preconceitos sem a interferência da Globo, estão se unindo e mandando emails para o blog da fofa Maitê (mas ela está deletando os coments).

O blog Síndrome de Estocolmo, da brasileira Denise que mora há 15 anos mundo afora, desceu a boca na Maitê e toda a trupe do Saia Justa. Tomo a liberdade de copiar uma parte:

“Gente como Maitê Proença me mata de vergonha fora do Brasil. Vejam só o showzinho de falta de educação e preconceito devidamente televisionados. E a turminha de mulheres imbecilizadas ainda faz piadinhas no final. Tudo é um NOJO. Portugal deveria proibir a entrada da Maitê em terras lusas.”

Os comentários do blog da Denise estão irados!

http://sindromedeestocolmo.com/archives/2009/10/maite_proenca_e_seu_show_de_grosseria_no_saia_justa.html/

João Costa disse...

Depois de ver o vídeo que a Helena nos deu a conhecer aqui, confesso que o que mais me espanta, não é tanto a grosseria revelada pela Maitê Proença, mas sim a reacção das participantes no "Saia Justa". Se calhar, nem me devia espantar, já que, para o brasileiro médio inculto, aquele é um pouco o retrato que faz de Portugal. Estranho também, que a Globo, deixe passar uma coisa daquelas.

Ocorre-me uma questão: se alguma televisão portuguesa deixasse passar uma "reportagem" feita por um qualquer actor acéfalo, a propósito do Brasil, reflectindo nela os estereotipos preconceituosos que alguns portugueses têm em relação aos brasileiros, qual seria a reacção?

Enfim, lamentável espectáculo, que deixa uma péssima imagem de um certo tipo de brasileiros.

Já agora, tomei a liberdade de pegar neste vídeo e coloquei-o no meu Facebook, pedindo que o divulguem ao maior número de pessoas.

sofia seabra disse...

De facto é triste. É este tipo de atitudes que faz com que as pessoas acabem por generalizar, neste caso, no mau sentido. Paga o justo, pelo pecador. Lamentável.

Fada do bosque disse...

Querida Helena

Que mulherzinha ordinária! falta de vergonha na cara!... e de educação!

Margarida disse...

... porque será que, até ao momento, só damas se pronunciaram?...
Que emudece os fidalgos?...

Margarida disse...

Oooops, de repente surgiu um João!
Precipitei-me.
Ou talvez não..., está em minoria, 'quand-même'...
:)

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu caro JMV
Aqui fica a sua opinião.
Por norma de conduta pessoal e por amor ao meu país, perco o sentido do humor - e creio não ter falta dele - quando a crítica visa minorar deficiências nossas sem que os outros se dêm conta das suas próprias.
Mais, não reconheço em Maitê Proença qualquer autoridade para se arrogar o direito de fazer o que fez.
Não faz humor quem quer. Faz humor quem pode. Maitê não pode, não sabe e não tem preparação para tal.
Quanto às plastificadas senhoras do Saia Justa que alinham na alarvia, nem me ocorre outra expressão que não seja "perdoai-lhes Senhor porque não sabem o que fazem e muito menos o que dizem"...
Há quem vá ao analista por bem menos!

Helena Sacadura Cabral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

I N Q U A L I F I C Á V E L !!!
P.Rufino

Sandro disse...

Isto até é divertido... para abrir um pouco os olhos sobre o preconceito e a burrice!

Os portugueses catalogam os brasileiros de dentistas sem formação, prostitutas, raparigas de vida fácil e shopping ao fim de semana... e os brasileiros adoram gozar com o português analfabeto, com os nossos costumes etc.

O que posso dizer é que o que a Maité fez é lamentável, mas ela já se humilhou sozinha...

Podemos usar isto como uma reflexão da nossa atitude para com outros povos e culturas para não correr o risco de fazer figuras tristes.

Anónimo disse...

Obrigada Helena por ter dado ouvidos a Mayra e por ter a seu turmo feito este post. é preciso nao calar !
E eu que fiquei preocupada quando no outro dia li HOMENAGEM, num blog do qual somos assiduas seguidoras. Você voltou e de que maneira ! Bem haja. Espero que Mayra conheça o "Fio de Prumo" tenho a certeza que ficara feliz de saber que o longo texto que enviou a FSC nao caiu em "saco sem fundo".

Quanto a MP (nem me apetece escrever o seu nome) provalvelmente que a Helena ja leu o que eu comentei em "Duas ou três coisas".

Nao sei até que ponto isto pode ser considerado como incidente diplomatico ? Mas como portuguesa
gostava que o nosso Embaixador no Brasil (Joao Salgueiro) tomasse uma atitude publica.

O Embaixador que esta em posto no pais onde vivo sei que sabe por os pontos nos "is" quando isso é necessario. N'est pas Polibio Braga?

Julia Macias-Valet

josé ricardo disse...

caríssima H. S. C.,

compartilho a sua indignação. No entanto, não devemos colocar a actriz Maitê Proença num lugar que ela não ocupa nem nunca ocupou. Pela minha parte, gosto da fotografia que encima o seu post e que eu tomei a liberdade de usar no meu blogue. A rapariga (parece que no Brasil não é um vocábulo muito "enxuto") até girinha. E isso não basta?

Anónimo disse...

criatura é assim q se escreve, dona portas.

Antonio de Souza disse...

Cara senhora,

Em efeito, a atriz Maitê Proença cometeu grosseria. Mas não vamos exagerar. Evidenciar um três invertido e a incompetência de um técnico em informática de hotel 5 estrelas não justifica tamanha da reação em Portugal. Parece que este jardim a beira-mar plantado, a sua "Pátria Mãe", recebeu a maior das ofensas. A cusparada na fonte, estamos de acordo. Isso não se faz.

Em contrapartida, há uma tentativa de passar mensagem subliminar na fotografia em que a autora do blog escolheu para ilustrar o post. Ela vai no mesmo ritmo de um preconceito muito frequente em Portugal no que diz respeito às mulheres brasileiras. Não fosse a beleza da atriz que ameniza a intenção pedestre, a vulgaridade da atriz, finalmente, tem alguma razão de ser.

Disse disse...

Minha cara Helena (perdoe-me a proximidade):

Só depois de eu próprio comentar a questão é que vi o que escreveu sobre ela. É idêntico, mas a atitude da energúmena é vergonhosa. Haja vergonha e essa senhora que seja proibída de entrar na Pátria!

Helena Sacadura Cabral disse...

Prezado anónimo, agradeço a amabilidade que teve em me ensinar a escrever criatura. Nunca é tarde para aprender.
Já no "dona portas" há correcção minha a fazer-lhe: nem sou dona nem sou portas. Nunca fui.
Ou sou apenas Helena ou sou Sacadura Cabral. Este, com muita honra, aliás. Nunca precisei de mais nomes do que aqueles que os meus pais me deram.
Pena que não possa dizer o mesmo do seu Anónimo...

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Júlia este post era o mínimo que eu podia fazer pela Mayra que tão envergonhada se sentiu com o vídeo.
Gosto muito do Brasil e do seu povo, onde conto vários grandes amigos. Não será a criatura MP que alterará essa estima.
Mas o meu dinheiro e o meu interesse, esses, ela não leva mais.
Um forte abraço da Helena
Quanto ao resto que a vida lhe seja leve porque envelhecer, no caso dela, é já castigo bastante!

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro José Ricardo
Também eu gosto da foto. Por isso a coloquei.
Caro António de Souza nunca fui mulher de mensagens subliminares. Digo o que penso e tenho-me por bem clara. A escolha da foto obedece a um único critério: como pode uma mulher tão bela ser simultaneamente tão vulgar?
Surpreende-me que a um nú tão artístico, o António de Souza possa atribuir um significado tão perverso.
Não tenho preconceitos em relação às mulheres brasileiras que, a muitos títulos, poderiam até ensinar algumas portuguesas, que lidam mal com o seu corpo e até com a sua sexualidade.
Na minha idade não há pré-conceitos. Há, sim, conceitos. E o da beleza é um deles.
Fui clara?

conceição disse...

ela--- pede desculpa aos portugueses aqui:

http://embaixada-portugal-brasil.blogspot.com/2009/10/maite-proenca-explica-se.html

Antonio de Souza disse...

Cara senhora,

Obrigado pela resposta.

Seu arrazoado é cristalino embora pouco convincente — a meu juízo, está claro. A senhora se contradiz na própria explicação. Explico-me. Se uma fotografia quer perguntar “como pode uma mulher tão bela ser simultaneamente tão vulgar?”, foi lhe atribuída função suplementar à de ilustrar um post. Portanto há sim tentativa de passar uma mensagem subliminar. Isso ainda que, eu e a senhora, discordamos de qual é ela.

Surpreendente é criticar algo reproduzindo erro semelhante ao de quem se critica. Repare, a senhora escreve: “…envelhecer, no caso dela, é já castigo bastante!”. É perfeitamente legítimo indignar-se com a grosseria da atriz, mas o que vem fazer seus atributos físicos na história? Dá margem para supor a existência de no mínimo uma ponta de inveja feminina quando ela deveria ser intelectual. E vá lá, moral.

Nota-se nos seus argumentos, perdoe-me a franqueza, espasmos de patriotismo fora do lugar. Parece que Portugal, terra dos meus bisavós, está sobre constante ameaça de malvados estrangeiros. Denota um certo complexo de inferioridade. O nacionalismo é ultimo refúgio da ignorância. A senhora merece lugar melhor, independente da sua idade que aliás, também não vem ao caso.

Helena Sacadura Cabral disse...

Prezado António de Souza
O meu "arrazoado cristalino" não convenceu. Não me surpreende. Mas será problema seu!

Anónimo disse...

roGabriela Disse: .
Eu e meu marido estamos em PORTUGAL há 16 anos, minha mãe é PORTUGUESA e vive no BRASIL. Tenho 2 lindos filhos PORTUGUESES.O mais velho tem 9 anos está no 5ªano e assistiu ao lamentável e ridículo vídeo. Perguntou-me se os BRASILEIROS não gostavam dos PORTUGUESES.Eu,completamente envergonhada respondi que ela não era BRASILEIRA e sim um objeto insignificante que a natureza,por um descuido, colocou no mundo.
QUERIDOS PORTUGUESES,não vamos deixar que esta mulherzinha sem cultura,higiene e burra destrua nossos laços afetivos.
Força PORTUGAL e BRASIL

Anónimo disse...

caGabriela Disse: .
Eu e meu marido estamos em PORTUGAL há 16 anos, minha mãe é PORTUGUESA e vive no BRASIL. Tenho 2 lindos filhos PORTUGUESES.O mais velho tem 9 anos está no 5ªano e assistiu ao lamentável e ridículo vídeo. Perguntou-me se os BRASILEIROS não gostavam dos PORTUGUESES.Eu,completamente envergonhada respondi que ela não era BRASILEIRA e sim um objeto insignificante que a natureza,por um descuido, colocou no mundo.
QUERIDOS PORTUGUESES,não vamos deixar que esta mulherzinha sem cultura,higiene e burra destrua nossos laços afetivos.
Força PORTUGAL e BRASIL

Florbela disse...

Cara Helena,tenho por si uma enorme admiração desde à muito tempo!Além de lhe reconhecer um enorme carisma,uma grande bagagem intelectual e um delicioso sentido de humor,não sei explicar o porquê desta empatia,até porque só a conheço dos programas da sic.Talvez a explicação seja simples:a Helena é extremamente parecida com a minha mãe que,infelizmente,já não está entre nós!Por isso,quero dizer-lhe que é sempre um prazer ouvi-la,seja em que tema for e mais que não seja pelo seu sorriso, que é único!Ah,temos uma coisa em comum,é que eu também digo:Barry White para sempre!!!bjinhos e obg por já me ter proporcionado bons momentos e boas gargalhadas.

Teresa disse...

Mas valerá a pena perder mais tempo com esta menopausica mal amada?
Acho muito bem que o País se sinta ofendido. Jé diz o ditado: "Quem não se sente, não é filho de boa gente".
Não percam mais tempo.As atitudes ficam com quem as pratica.E é certo que vozes de burro(a) não chegam ao Céu.
E já agora, sem querer ser advogada de defesa da Drª Helena Sacadura Cabral, tenham respeito!

Benjamina disse...

Em relação à parte do comentário do António Souza que se refere à fotografia, devo dizer que quando vi este "post" pensei:
"A atitude da Maité Proença não merecia uma foto tão bonita, devia era ter retirado um fotograma do vídeo na altura em que ela cuspia; mas a Helena Sacadura Cabral demonstra o seu elevado nível moral e cívico ao escolher tão bela imagem".

Anónimo disse...

Tenho muitos amigos portugueses, e como brasileira só tenho a lamentar esse episódio de total falta de educação, grosseria e vulgaridade. Descupe-nos amigos por esse ser ....

Filipe disse...

É, acho que sempre vai haver pessoas que desconhecem o limite da brincadeira. Limite este que deve ser principalmente observado por pessoas "públicas". Como orgulhoso brasileiro, descendente de portugueses, e conhecedor deste belo país, só me cabe lamentar a postura de Maitê Proença.