quarta-feira, 16 de maio de 2018

Um vendaval

Não sei o que estará por detrás deste vendaval de corrupção, intriga e violência que assola o nosso país. É desolador abrir um jornal ou a televisão nacional e ser confrontado com tal tipo de notícias, que dão do país uma imagem deplorável. Sobretudo, quando se ama a terra onde isto acontece.
A turbulência é de tal modo violenta, que duvido que, alguma vez, o julgamento destes processos não esteja, à partida, enviesado pelo juizo feito na praça pública. 
Sei que o tempo da Justiça não é o tempo mediático. Sei que os jornalistas fazem o seu trabalho, denunciando o que entendem dever ser do conhecimento público. Sei igualmente, que conciliar estas duas posições - julgar sem influências e informar sem julgar - é muito difícil. Mas todos temos direito a uma sentença imparcial e isso é quase como pedir a um juiz que seja santo. 
Por isso, o jornalista sério confronta-se, hoje, com o terrível dilema de ponderar entre o dever de informar e as consequências que podem advir do "modo" como essa informação é veiculada. Perante imagens como aquelas que temos visto, confesso, não deve ser fácil impedir o vendaval que se abateu sobre todos nós!

HSC

7 comentários:

João Menéres disse...

Pasmo como o Presidente do SCP se limitou a definir o terrorismo como "Chato"...
Os meus cumprimentos, HSC.

Anónimo disse...

O diabo anda á solta...

Dr Zé

Pedro Coimbra disse...

Não imagina o sofrimento de quem vive fora do País e vê o nome de Portugal achincalhado por esses casos.
Dói muito, é impossível ficar imune, muito menos calado, nessas situações.

Anónimo disse...

Relativamente a esta onda de oportunismo, já há quem lhe chame o "Mini-Lavajato Português"...Daria para rir, se não fosse dramático...

Silenciosamente ouvindo... disse...

Quando os valores da seriedade acaba, e o viver bem,
com pouco ou nenhum trabalho(claques de futebol)
tudo é possível de acontecer.
Está tudo virado do avesso.
As pessoas honestas sentem-se aves raras...
Não sei se será possível inverter esta situação,
parece-me difícil, mas muito necessária.
Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Urbina Santos disse...

Não tendo outra forma de o fazer, entro no seu blog para agradecer a enorme gentileza que teve para comigo e que ajudou a iluminar o meu dia. Tive vontade de telefonar a todas as minhas amigas e contar a coisa linda que me tinha acontecido.
Quero ainda dizer que não é só dos seus livros que gosto mas da mulher por inteiro que é. Foram pessoas assim que me inspiraram a educar dois filhos para o Mundo com alguns valores que julgo ter-lhes conseguido passar.
Só posso mais uma vez agradecer por tudo.
Urbina Santos


Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Urbina
Bem haja pelas suas palavras.
Foi um gosto ver a forma como o seu filho conduziu a experiência profissional que partilhámos. Acredite que lhes transmitiu grandes valores. Pude testemunhá-lo!

Um abraço da
Helena