terça-feira, 18 de setembro de 2012

Humor e subtileza

Há duas armas fatais para aniquilar um adversário. Em qualquer campo. Uma é o humor e a outra a subtileza. Por ambas tenho especial apreço e a primeira pratico-a mesmo muito em relação a mim própria.
Contudo, qualquer delas exige dos vários intervenientes não só inteligência como rapidez de resposta. Quando assim é, o diálogo torna-se algo de verdadeiramente precioso.
Confesso que gosto deste tipo de luta e que, muitas vezes na minha vida profissional, estas duas características me salvaram de algumas situações complicadas. 
Com efeito, e porque não havia muitas mulheres a viajarem em nome das instituições a que estavam ligadas eu fui, em certa altura, um caso bastante raro. E saía, de facto, muito em trabalho. 
Numa primeira abordagem, um palminho de cara pode levar à ideia de que quem o tem, nada mais possui além disso, e que um avançozinho é sempre possível. Recordo alguns colegas de profissão que por assim pensarem, terão ficado siderados pela tal dita subtileza e rapidez de resposta que sempre tive. Mas o que, sobretudo, não esqueci foi o "atarantamento" dos mesmos, incapazes de, com uma boa resposta, reverterem a situação!


HSC

11 comentários:

Anónimo disse...

gostaria de ter sido mosca para presenciar esses episódios, imagino como isso lhe deve ter dado muito "gozo"!
continue que é um prazer ouvi-la!
abraço cheio de carinho,
lb/z

Um Jeito Manso disse...

Olá Helena,

Permita-me as seguintes observações:

1. Onde se lê aniquilar, poderia acrescentar 'ou seduzir'

2. Ao descrever uma pessoa como inteligente, rápida na resposta, manejando bem as armas da subtileza e do sentido de humor, está de facto a descrever uma pessoa sedutora.

Seja num homem ou numa mulher, doseados com arte, esses são, de facto (em minha opinião), os ingredientes chave da sedução.

E, claro, tem toda a razão, só os que estão 'à altura' se aguentam numa contenda como a que referiu. Os mais fracos, soçobram atarantados, é isso mesmo.

Um beijinho, Helena.

Anónimo disse...

Gostei!!!

Fatyly disse...

Subscrevo inteiramente e ver "o atarantamento" que se provoca é ainda mais recompensador:)

Helena Sacadura Cabral disse...

Olá UJM
Tem razão. Mas com a idade, a sedução tende a diminuir e aqueles dois outros atributos a aumentar...

Maria disse...

Helena:
Desculpe, mas a idade não tem nada a ver com a idade. A Helena é uma sedutora nata. Minha Avó morreu com 98 anos e era uma sedutora. Meu Pai com 90 anos era sedutor. Meu irmão com setenta e tal, gordo, cabelo branco, bengala, continua a ser tão sedutor como quando era um belo galã de 20 anos. Estou a compará-la com 3 pessoas que admiro e amo. O último, a Helena conhece. Faça um esforço e saberá a quem me refiro.
Dou-lhe uma dica: tem um filho de quem a Helena é amiga.
Abraço
Maria

Observador disse...

Concordo com a sua resposta a UJM, estimada Helena.

:)

Helena Sacadura Cabral disse...

A minha "eventual sedução" será experiência de vida.
As pessoas de que falou - o meu querido João é um bom exemplo - são na verdade uns sedutores.
Mas a sedução a que eu me referia era a física, a que vem primeiro, a que surge com o olhar.
A outra, conheço-a também, felizmente, mas veio de um olhar mais profundo sobre aquilo que sou e não sobre aquilo que mostro!

Vânia Batista disse...

Querida Drª Helena, sedução vai muito para além de um corpinho jeitoso e isso acontece até aos de 20. Talvez por isso nunca me tenha sentido seduzida.
Giros da minha idade, há uns quantos, agora com dois palminhos de testa... juntando os dois atributos num só. Dessa remessa fizeram-se poucos e eu acho que já se esgotaram, estou em lista de espera para a próxima "fornada".
;)

Um beijinho enorme,
Vânia Batista

Anónimo disse...

pois eu a-d-o-r-e-i!!!

por vezes tudo isso reverte numa factura cara de pagar, mas também isso faz parte da sedutora luta porque o ar sedutor usado no bom sentido e aliado ao humor e subtileza são é facto uma arma fatal.

raramente comento mas não resisto a lê-la todos os dias, mulher inteligente e de sensibilidade extrema e humildade e simplicidade.

um abraço.
uma anónima, mulher entre tantas.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Sempre aprendendo com os seus posts-
Estou lendo o seu livro
"Quilo em que eu acredito" vou na
página 66, e por coincidência
foi uma prenda pelos meus 66 anos
no passado dia 15/9.Estou a
gostar muito.
Beijinhos
Irene Alves