terça-feira, 15 de setembro de 2009

Tenho duvidas...

Quando os Gato Fedorento apareceram considerei-os uma lufada de ar fresco irreverente e que sabia escolher a dedo os temas que abordavam.
Depois veio a publicidade. Achei pena e arriscado para o que simbolizavam. Mas parece, ao que sei, que quem os contratou terá ultrapassado, em muito, o objectivo pretendido. Julgo que se tratava de uma instituição de crédto.
Em seguida sucederam-se programas, publicidades e mudança de canal, com uma passagem individual pelo S. Luis. Do meu ponto de vista - portanto, muito discutível - o sucesso não lhes foi favorável à imagem.
A intensidade da campanha da PT é tão forte, que chega a cansar, perdendo-se pelo meio, não só o objectivo, mas também aquilo que eles verdadeiramente são: humoristas. Entretanto, outro grupo de humor se constituiu e que lhes tem feito alguma concorrência.
Vem este longo intróito a propósito do programa que ontem se estreou com José Socrates. Embora tenha dúvidas sobre os motivos que os levam a escolher esta altura, tenho que ser justa. Ricardo Araújo Pereira teve imensa graça e Socrates provou, mais uma vez, que a sua vocação é, mesmo, ser actor. Mas fê-lo, salvo uma ou duas excepções, com graça. Esteve ali muito melhor do que em outras prestações televisivas.
Os Gato e, sobretudo, Ricardo estiveram ontem no seu melhor!

H.S.C

6 comentários:

Paulo Abreu e Lima disse...

Sim, também eu as tenho.

(Eis como se responde a um post que não se percebeu... :)

Álex disse...

eu tenho pena de não ter assistido, ma ando a leste da TV. Hoje soube através da leitura de uma outra opinião:
http://controversamaresia.blogs.sapo.pt/214439.html

de alguém que escreve bem, concordando ou não com o que vai dizendo, óbviamente)

conceição disse...

mudando de assunto_ ontem vi-a na sic à tarde e preferia a manha assim como os seus companheiros de aventura...vidas. boa sorte.

Paulo Abreu e Lima disse...

Peço desculpa, só vi à altura da minha anterior resposta o título do post (não aparecia o corpo, não sei por que razão).

Sócrates não poderia ter arranjado melhor petisco para sua campanha: saiu-se muito bem.

Hoje temo um descalabro com Manuela Ferreira Leite (e se o humor é uma arma poderosíssima, a sua falta é letal... embora digam que a MFL tem muito sentido de humor). Espero que Ricardo Araújo Pereira seja tão cândido quanto foi com Sócrates, ou talvez não).

Da oportunidade do programa, também não sei; sairá dele sempre melhor quem mais presença de espírito tiver na altura. E não tenho dúvidas que será das maiores provas de fogo que qualquer político pode experimentar.

Anónimo disse...

Nem mais caro Paulo.

papoila disse...

Ontem não vi tudo mas do que vi gostei imenso.
Hoje ainda gostei mais!Fiquei muito surpreendida com a Manuela...