sexta-feira, 29 de junho de 2018

Tolentino de Mendonça


Todos os que lêem este blog com alguma regularidade, sabem quanto estimo e quanto devo ao Padre Tolentino de Mendonça. Desde a morte do meu filho mais velho, ele foi o suporte da força de que eu carecia para continuar a tratar dos vivos que ainda necessitavam de mim. Posso afirmar que cada degrau que subi neste seis últimos anos teve a sua marca.
A recente indigitação do seu nome para arcebispo e bibliotecário da mais rica biblioteca do mundo, encheu-me de uma profunda e sentida alegria. Mas, egoísta que também sou, senti um aperto de coração ao pensar que deixava, para sempre, de o ter ali "ao alcance da vista". O ser humano é capaz destas ambivalências e eu não sou "super" em nenhum aspecto.
Irei, assim - como, aliás, muita gente que conheço e que o estimava tanto com eu -, iniciar uma nova caminhada na fé e na vida, um pouco mais solitária, porque não vai ser fácil substitui-lo na orientação espiritual que me dava. Já aqui disse que não o via muito neste seu mister. Posso dizer que o procurava cerca de duas vezes no ano. Mas cada uma delas enchia-me o coração até à visita seguinte.
Não perco um amigo, porque hei-de ir a Roma vê-lo se Deus me der vida e saúde. Mas perco a "proximidade" que tanto me fortaleceu estes anos. 
Parabéns Arcebispo Tolentino. Bem haja por tudo quanto partilhou connosco!

HSC

8 comentários:

Maria Eugénia disse...

"Fala como quem faz poesia, fala como quem ora"
Alguém disse isto dele. É verdade. Sinto que vai fazer muita falta a si e a outros que na sua jornada na terra, por uma ou outra razão, passaram por momentos de sofrimento intenso. Mas, o nosso egoísmo,como diz, não se pode sobrepor a uma oportunidade que vai ter. Mas, até acho que não é egoísmo, é medo. Medo de numa situação mais vulnerável, o não termos perto de nós...é isso!
Claro que o vai ver a Roma, claro que através das novas tecnologias o vai ver e contactar...Que a nova missão em Roma, seja produtiva e moralmente compensadora...
Bjs da Maria do Porto💙

Anónimo disse...

Bom Dia Drª Helena
Sentimentos antagónicos..por um lado fiquei feliz pelo cargo, por outro fiquei triste..faz-me falta tê-lo à mão..
Maria Helena

Sandra disse...

Compreendo esse sentimento. Beijinhos.

Anónimo disse...

🌷

Silenciosamente ouvindo... disse...

Compreendo o seu sentimento em relação

à perda pela distância do padre Tolentino.

agora com outra função no Vaticano.

Também senti "orgulho" pelo lugar que vai

ocupar e "por o termos perdido um pouco".

Os nossos melhores, acabam por ir embora,

em todas as áreas.

Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Helena Sacadura Cabral disse...

Maria
Não publiquei o seu comentário porque seguramente ao dizer que "achava incrível" o seu julgamento já estava feito. É pena!
Talvez tivesse sido melhor não julgar e acreditar que teriam sido, certamente, muito sérias as razões de uma decisão de tal natureza.

Anónimo disse...

Está enganada, Helena, não julguei nada. Apenas achei estranho, só isso.

Maria

Ana Ferreira disse...

Sermos e reconhecermos o nosso "egoísmo" é fundamental para avançarmos. Seguramente, esse "egoísmo" está repleto de orgulho em SENTIR um amigo abraçar novos desafios. E saber que "aquela marca" estará para sempre registada em si...