segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Bom senso

No nosso país as questões que são do foro do bom senso dão, por norma, origem a verdadeiras telenovelas mexicanas. O jantar no Panteão já permitiu tanta opinião que, a partir de certa altura, começamos a perguntar se isto não será para nos desviarmos dos verdadeiros problemas do país.
A lei permitia, de facto, a realização do jantar, mas não devia fazê-lo, porque há locais que não servem senão para aquilo para que foram construídos. Ou seja, no caso, o cemitério daqueles a quem a Pátria deve honrar. E, até neste campo, como se sabe, as interpretações de quem lá deva ter lugar, podem divergir. 
Neste momento investiga-se, quase com morbidez, que outros repastos lá poderão ter ocorrido. A questão é do foro do mero bom senso. Aconteceu. Foi um lapso. Pediram-se desculpas de um lado e do outro dos intervenientes, que era a única possibilidade, para além da necessária mudança da lei. Será que vamos continuar a tentar encontrar "culpados" e a exigir a cabeça deles, quando o país tem reais problemas que, esses sim, urge debater?
Erros todos cometem. Chamou-se, e bem, a atenção para eles. Houve, ao que me dizem, pedidos de desculpa pública de quem organizou e de quem autorizou. Estou à vontade, porque neste assunto, só conheço o Ministro da Cultura que é pessoa que estimo, mas a quem não peço que saiba, ao pormenor, este género de coisas. É para isso que existe a delegação de poderes.
Seria necessário algo mais do que um pedido de desculpas, publico, do governo, pelo que aconteceu e vai ser corrigido? Haverá, de facto, motivo para que andemos, há dias sucessivos, a escalpelizar os vivos?!

HSC

12 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Chover no molhado.
Para não chegar a conclusão nenhuma.

Anónimo disse...

É o mundo das redes sociais em que basta um deslize e saí tudo à praça pública a pedir que rolem as cabeças.

Anónimo disse...

Houve pedido de desculpas por parte de quem autorizou? De quem organizou sim, mas de quem autorizou não vi qualquer referência. Aliás, deste Governo, o único pedido de desculpas que vi foi do Ministro da Saúde a propósito da Legionella. Tardio, mas veio. Fora isso, só tivemos um António Costa, depois de completamente espremido no Parlamento a propósito dos incêndios, a dizer "Quer que eu peça desculpas? Se quiser, eu peço, não me custa nada". Sim, sim... Não lhe custa nada e até lhe dá muito gozo é atirar para as costas do anterior Governo todas as atrocidades que vão acontecendo no dele.

Em resumo: das nossas autoridades, alguém pediu desculpas?

Fatyly disse...

Já não os consigo ouvir e deveriam era olhar e fazer mais pelo país porque há problemas mais graves por resolver.

Sei que muita gente está bem pior...mas irei pela terceira vez com a minha mãe à consulta do pacemaker, no hospital Amadora-Sintra. 88 anos, pouca locomoção, num lar e eu tiro, ponho, fecho e ando com a cadeira de rodas, para além do gasto monetário que já fez e de ficar bem perdida...de nada me valeu escrever e-mails. Recebi nova carta-chapa, nem assinada vem e se os técnicos de diagnóstico continuarem em greve...será mais uma ida em vão.

Deverão respeitas os mortos, claro que sim, mas não respeitam em nada os velhos!

Desculpe o desabafo mas moralmente estou bem cansada.

Um abraço

Anónimo disse...

Menina Leninha... Ahhhh,se o seu bom senso se vendesse...eu seria certamente o primeiro da lista.
Muito bem!

Dr Zé

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das 12:20
Li algures - e como não sabia precisar, não afirmei - que a senhora responsável pela autorização, teria pedido desculpa. Vou tentar recordar onde terá sido.
Quanto ao Ministro da Saúde, fez muito bem em pedir desculpa ao pais, mal obteve a confirmação oficial da fonte/origem da bactéria.
Governar é, também, a meu ver, poder errar, porque ninguém é perfeito. Pedir desculpa é ter a hombridade de o admitir. Apreciei a atitude do ministro.

Virginia disse...

Discute-se o sexo dos anjos.

Só tenho pena dos que jazem naquele lugar tão lúgubre e nem sequer podem gozar das festas :).

alvaro silva disse...

Tanto pudor por coisa que vale muito pouco. Já anteriormente disse que os mortos fazem parte da nossa vida. No mínimo quem lá comeu e bebeu (espero que lhe tenha sabido bem), nomeadamente os forasteiros, tiveram mesmo sem querer que reparar nos epitáfios das tumbas, se tiverem um pouco de curiosidade vão á "net" informar-se de quem eram os defuntos convivas e isso é positivo. O resto não passa de maledicência lusitana e inveja por lá não terem estado a tirar o sarro dos dentes e arejar o vestido ou o fato, por via da traça e para poupar na naftalina. Afinal os que ocupam as "salgadeiras" não são aqueles que como diz o vate zarolho Luís de Camões (que dizem estar por aí, epitáfio pelo menos tem) DAQUELES QUE POR OBRAS VALEROSAS SE VÃO DA LEI DA MORTE LIBERTANDO R.I.P.

Anónimo disse...

Pedido de desculpa? mas não está legislado? oh valha-me deus. desculpa de quê?
Quando muito deverá haverá um pedido de desculpa de quem legislou, ora essa.

Anónimo disse...

🌷

PSICANALISTA disse...

Pois é...só que determinados"erros" não surgem inadvertidamente,mas sim por conveniência !!!

PSICANALISTA disse...

Gozam,sim senhora.
Nem imagina o quanto os alegra,a companhia de tanto mentecapto !