domingo, 9 de agosto de 2015

Antigamente


Antigamente Lisboa era paraíso no mês de Agosto. Mal os meus filhos passaram a usar os inter rails, eu sonhava com este período de descanso, com lugares para parquear, esplanadas com mesas livres e cinemas fresquinhos para descansar do calor impetuoso.
Pois bem, modernamente tudo foi à vida. A capital está um enxame de turistas de havaianas, em triciclos tuc tuc, com moçoilas e rapazes de património mais ou menos ao léu, esplanadas atulhadas, filas desde os pasteis de Belém até aos Jerónimos e, pasme-se, a grande novidade, cinemas sem o ar condicionado ligado...
O país do turismo, dos festivais de todas as marcas, tornou-se numa espécie de purgatório até Outubro, mês em que, ao que tudo indica, esta ano, para variar, vamos ter umas boas pitadas de inferno...
Nunca pensei dizer isto: mas que saudades do mês Agosto dos meus sonhos de antigamente!

HSC

14 comentários:

Maria do Porto disse...

O Porto está na mesma! Gente e mais gente, turistas aos molhos!
Portugal está na moda, não é? Tudo isto traz dinheiro e muito, pelos vistos...
São os prós e contras do progresso, da globalização e dos tempos modernos.
É uma realidade a que temos de nos habituar , como muitas outras situações que ao longo dos anos se vão modificando.
Bjs

Anónimo disse...

Mas hoje o dia é verde e de alegria! 💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚💚

Quem tem Jesus tem tudo.

Só eu sei porque não fico em casa.

Super Taça

Fãs do SCP

Janita disse...

Revi-me neste texto repassado de saudade!

Essa Lisboa da minha mocidade, que eu amo e amei, perdeu-se no tempo e no espaço. Há quarenta anos que vivo no Porto, e Agosto já não me seduz! Por muitos e variados motivos.
Ler este seu desabafo, fez-me sorrir abertamente! Lembrei-me das gargalhadas que soltei no programa 'Querida Júlia', em que via e ouvia a Dra. Helena, à conversa com Mário Zambujal. Um prazer imenso, que terminou! :(

Janita

Anónimo disse...

Este Agosto está um gosto - tirando os incêndios -,turistas é sinónimo de entrada de capital.E se o país precisa.
Agora a toque de toc toc é que vão vão os benfiquistas para casa e aí na luz é que está um inferno.A águia Vitória vai ter de mudar de nome para Águia Derrota. :-))))
Noite Feliz!
André

Virginia disse...



Venha ao Porto. Está fresco, os turistas são muito menos, embora os haja, e a cidade é hospitaleira como bem sabe.....

Silenciosamente ouvindo... disse...

Tem toda a razão drª. Helena. Lisboa está mesmo como
diz. É bom para o país? Penso que sim. Para o comércio,
para os Museus. Mas que é mesmo muita gente sem dúvida.
Mas o que seria de Portugal se não houvesse tantas
pessoas a visitarem Portugal? Mas consta que mais
continuam a ficar por Espanha.
Essa dos cinemas sem ar condicionado é inaceitável.
Quem compra o bilhete devia protestar e obrigar a
que o ligassem. Talvez também a nossa passividade
o permita!
Cumprimentos.
Irene Alves

Anónimo disse...

Tenho 45 anos e penso exactamente o mesmo: que saudades do mês de Agosto de antigamente! Tanta gente, tanto trânsito, ainda!

Anónimo disse...

Senhora
"Só há um modo de escapar de um lugar: é sairmos de nós.
Só há um modo de sairmos de nós: é Amarmos alguém."
Mia Couto

Uma doce tarde.

Ambrósio

maria franco disse...

Por vezes até julgamos que não temos razão ao
observar as coisas de uma certa maneira, mas
quando alguém confirma o que nos parece, fica-se
mais acompanhado. Eu só acrescentaria algo muito
desagradável que é a falta de asseio em tudo o
que é sítio. Custa acreditar que esta cidade
chegue a este estado de imundice.Inaceitável acho eu.
Boa noite.

Maré alta disse...

Concordo inteiramente com o que pensa e com o que escreveu Helena.
Lisboa, está impossível, com tanto turista, de havaianas, calções e na cabeça um tótó(o turista do hostal). A nossa baixa pombalina, fica descaracterizada com as "resmas", "paletes", desta gente a turistar, por entre as ruas.
A ideia, dos tuck tuck não é má, mas faz lembrar a India, e se colocassem nos tuck tuck uns neons, isto é, luzes a apagar e acender, então diria que estávamos no Cairo. Não tem nada de Português.
Nas esplanadas dos hóteis da baixa e nas esplanadas da Praça do Comércio, temos música de todo o género, bossa nova, Jazz, etc. . Só não temos música Portuguesa, Fado. Vá-se lá saber porquê!
Na rua Augusta, temos uns jovens que se ajeitam, na arte circense, e na arte do tudo e do nada. Até vale bater tampa da panela. O melhor é que têm audiência, os turistas, os das paletes, a olhar para algo como se fosse uma coisa nobre, com qualidade. Não esquecer a foto que tiram a tudo e a nada.
Será isto a que, Máro Vargas Losa, no seu livro chamou a "Civilização do Espectáculo"? Sinais dos tempos, Helena.
Saudades como disse do antigamente. No entanto estou na casa dos 50 anos.
Só me resta pensar que isto poderá ser, de algum modo, bom para Lisboa e para o País. Estes turistas do hostal deixam receitas....

Raúl Mesquita disse...

Olá Helena!

Também acho. Este Agosto está infernal e duvido que estes turistas deixem grandes receitas. A meia dúzia que vai para a Avenida da Liberdade deve fazer o dinheiro andar por outras paragens, calculo…

Vejo, no entanto, nascerem hotéis por todo o lado, em todos os bairros. Será que vamos chorar em breve, quando estiverem vazios? O turismo em Lisboa não me parece que esteja para ficar, como o de Paris, Londres, Veneza ou Roma. Aqui é uma moda. Quando os novos países da UE, que agora recebem o € - nós pagamos - os mais ricos injectam nesses países, mas lá arranjaram esta artimanha de não perder um cêntimo - tiverem as infra-estruturas assentes, é ver os turistas aqui a dividirem-se por outros locais. Velho do Restelo? Os portugueses sempre a sonhar… Não, era a indústria e companhias sólidas que precisávamos, mas deixaram (?) acabá-las.

Pessimismo meu? Realismo?

Os seus leitores e a Querida Helena o dirão.

Sempre presente mesmo com intervalos,

Raúl.

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Gralhas recolha o K do seu tuk tuk. O meu escreve-se com c do alfabeto nacional. Entendido?!

Anónimo disse...

Quem sabe,sabe
Quem não sabe,não sabe
E Gralhas sabe que não sabe
O que pensa que sabe.

E quando não sabe
Sonha que sabe.

Gralhas entendeu.

Maré alta disse...

Gostei da expressão "Ó Gralhas". Bem visto Helena.
Na verdade, escrevi "tuck". Acontece, que tais meios de transporte, muito em moda na nossa capital. Alguns possuem na sua publicidade, a palavra "tuk" escrita com K, outros, possuem a palavra "tuc" escrita sem K. Eu decidi fazer a junção, isto é, escrever com C e K, uma vez que se trata do mesmo meio de transporte e desta maneira aderir ao espírito deste mês de "Agosto".
Peço desculpa se escrevi demais, mas não consegui resistir ao tema.
Penso que este pequeno detalhe na minha explicação faz toda a diferença.
Quanto a anónimo disse... se algo faz parte da minha forma de estar, é ter sempre presente que não tenho a pretensão de saber tudo, nem ser a dona da verdade alguma. No entanto, não me impede de dar minha livre e modesta opinião e assim contribuir neste espaço para um diálogo construtivo. Mas vejo que anónimo sabe fazer poesia...... Gostei!
Gralhas entendeu!