sábado, 12 de julho de 2014

Charme



Como é que se define o charme? E porque é que uns têm e outros não? Trata-se de um sinónimo de sedução? De uma forma especial de encanto? Não sei responder, mas sei reconhece-lo.
Ontem, por razões que não vêm ao caso, revi um dos meus filmes de culto. Trata-se de Out of Africa que conta com dois actores - Robert Redford e Meryl Streep - de quem muito gosto, e de África, um continente pelo qual nutro um amor especial e onde tenho raízes.
Qualquer destes interpretes tem aquilo que eu chamo de charme. Refiro, em especial Redford, que encheu o meu imaginário romântico durante muitos e muitos anos. E, mesmo agora, numa sua foto de septuagenário esse charme continua lá, no olhar, na expressão corporal, no cabelo quase todo branco. Por isso digo que é algo que não tem que ver com a idade ou até com a beleza. Está muito para além disso.
Quando era muito novinha, tinha 15 anos, conheci na Faculdade um colega, bem mais velho, por quem me apaixonei de imediato, com a irracionalidade que tem sempre um primeiro amor. Ele tinha justamente esse "quê" que o tornava especial e me lembrava Redford. 
Ainda hoje, quando olho uma nossa fotografia que tenho na minha mesa de trabalho - havíamos de nos conhecer, anos depois, e de viver uma "estória muito especial" - sorrio perante o charme que dele emana. E nem a sua morte apagou, para mim, o fulgor que relembro desses tempos!

HSC

14 comentários:

Anónimo disse...

:-)

Anónimo disse...

Nunca gostei de homens loiros, mas reconheço-lhe o charme.
África Minha é um filme que revejo todos os anos e nunca me deixa indiferente.

Mateso disse...

oncordo plenamente. O charme é algo que vem da alma ,invade o físico e sorri sempre ao e no tempo.

Anónimo disse...

Out of África é uma viagem simplesmente fascinante de tão tocante e maravilhosa.
Hand on hand...like it.

A

patricio branco disse...

actor de charme e de grande inteligencia, bom director tambem, não interessa as brancas ou as rugas que tem, desde o longinquo descalços no parque que se afirmou e se mantem como sério e exemplar profissional

Fatyly disse...

Vejo esse filme vezes sem conta porque África é tão minha e tudo aquilo não me faz esquecer o berço que me viu nascer.
Os dois actores são charmosos e apesar de não ser grande fã (tenho outros outros:)) de Robert, concordo consigo.

Bom domingo

Portuguesinha disse...

Ah, quer viver uma história tipo "As pontes de Madison Country". O ator é outro - mas também o dizem cheio de charme: Clint Eastewood.

Na nossa lembrança o sentimento fica "congelado". Pouco muda. Claro que ainda se recorda dos sentimentos de há muitos anos. E porque não recordar? É bom lembrar de coisas que nos fizeram sentir bem.

Anónimo disse...

E por momentos imaginei-a em África e eu tal Johnny Weissmuller...
http://youtu.be/CevxZvSJLk8

Ghost

Helena Sacadura Cabral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Helena Sacadura Cabral disse...

Portuguesinha
Felizmente para mim, não só recordo bons momentos passados, como Deus me deu a oportunidade de os voltar a viver, numa fase mais madura da minha existência. E não calcula o quanto me sinto grata por tal dádiva!
E, confesso, foi essa nova chance que me fez perceber o quanto se pode "amar melhor" nessa outra altura da nossa vida, já sem peias ou receios de qualquer espécie!

Anónimo disse...

E,este sim!
http://youtu.be/7PuSGJGyu0c

O outro vídeo foi por engano :-(

Ghost

Anónimo disse...

Havia um autor francês, de que não recordo agora o nome, que dizia que o charme acontecia «s'entendre dire oui, sans se poser aucune question»...

Isabel Mouzinho disse...

Goste-se ou não de loiros (e eu prefiro os morenos, claramente) Robert Redford é, além de um "charmeur", um homem bonito. Um caso óbvio de sedução, pois!
Como o filme de que fala. Não conheço ninguém que não tenha "Out of Africa" como filme de culto e que não tenha sido marcado(a) por ele. mesmo os que, como eu, não sentem nenhum tipo de apelo africano.


Mas o charme é difícil de definir (de resto acho que este assunto já apreceu por aqui mais vezes...). Sobretudo nos casos em que não está assciado nem á juventude, nem á beleza, como diz. É apenas aquele "je ne sais quoi" que só alguns têm e sabem usar na perfeição. Ainda bem... (E há tantos, tantos exemplos...) :))

AEfetivamente disse...

Também eu tenho devoção por esse filme - cujos diálogos aprendi e sei de cor. Fui fã desde muito nova do Robert Redford e o filme "Flôr à Beira do Pântano", com a belíssima Natalie Wood, é outro filme de culto.
Trivialidade: O Robert é Leão com ascendente em Aquário( eu sou o contrário) tornando-se extremamente (a fugir para o totalmente) compatível com Sagitário. :)