domingo, 13 de julho de 2014

A qualidade humana


Confesso que sempre fui - ainda continuo a ser - uma pessoa muito sensível à inteligência. Foi, sobretudo, ela que me encantou quando escolhi não só o homem que desejava, como o pai que queria para os meus filhos. Aos vinte anos dessa época, era assim que eu pensava. E, apesar das vicissitudes da vida, nunca me passou pela cabeça dar-lhes irmãos de outro qualquer amor. Não estou nada arrependida.
Porém, com a passagem dos anos, aprendi que a inteligência e a cultura - sendo muito importantes - estão longe de ser o exclusivo pelo qual devemos guiar o nosso coração. Outras qualidades, menos "vistosas", superam aquelas duas que referi. Sei-o agora e, felizmente, soube-o a tempo de poder recuperar vivências que, de outro modo, teria perdido.
A atenção, a ternura, a cumplicidade, o humor, a bonomia, a bondade, a educação são, entre outras mais, qualidades tão ou mais importantes do que o brilho fugaz da inteligência e da cultura que, muitíssimas vezes, escondem deficiências de carácter que, essas sim, são irrecuperáveis. Aliás, aquela última pode, sempre, com esforço, alcançar-se. Quanto à primeira, a inteligência, é hoje ponto assente que existem pelo menos duas versões dela- a racional e a emocional - e que a que mais destacamos parece ser, infelizmente, a primeira.
Comigo passa-se o contrário. Prefiro de longe a segunda. O que não quer dizer que não dê importância à primeira. Apenas estou, hoje, longe de a situar no plano em que antes a tinha. O que me permitiu descobrir pessoas maravilhosas e me libertar de um certo elitismo cultural, de cujo valor real passei a desconfiar muito. Não há dúvida de que o tempo é o nosso grande professor, em particular, quando não nos recusamos a aprender!

HSC

14 comentários:

Fatyly disse...

Grande verdade e eu quero continuar a "aprender" todos os dias.

Bom domingo

Um Jeito Manso disse...

Olá Helena,

Uma bela reflexão e, sabe?, muito útil a quem persegue qualidades que julga indispensáveis e menospreza outras que considera menores e que, não raras vezes, nem as vê.

Concordo inteiramente consigo. Há coisas na vida que são bem mais importantes que tiradas rasgadas ou citações a eito. Um sorriso, um olhar malicioso, uma piada, uma presença amiga quando ela faz falta, um gesto de compreensão, uma ajuda quando é precisa... coisas assim, muito simples mas que, conjugadas, definem uma pessoa e a podem tornar a companhia preciosa de uma vida.

Um abraço, Helena!

doida disse...

Revejo-me em cada palavra! Sou sua fã incondicional e espero ter o seu espírito daqui a alguns (poucos) anos!

Portuguesinha disse...

Lindo texto. Acho que ganhou um lugar no céu! :)

Maria do Porto disse...

Já fui assim também. E geri a minha vida e tive filhos também com esse ideal. Agora, com o passar dos anos acho isso, tão incompleto, meu Deus!
Onde pára a ternura, a cumplicidade (importantissima), o humor e a tolerância?
Enfim...
Cumprimentos

Mafaldinha disse...

Cara Helena

A cada dia gosto mais de ler tudo o que escreve. E tem graça que ao ler este post, ia pensando, que também é desta forma que agora penso em contradição ao que achava ser o certo aos 20 e 30. Talvez seja resultado do que vivemos, e de aos quarenta (no meu caso) nos conhecermos melhor a nós próprias, conseguirmos um grau de introspeção mais completo, não termos medo de perder aquilo que por vezes nunca tivemos, mas que aos 20 se pensava ter ou vir a ter. Seja feliz! E aproveite todos os momentos que a vida dá para fazer alguém feliz! Beijinho

TERESA PERALTA disse...

É por isso mesmo que gosto tanto de si.
Saudades, com um beijinho e abraço grande

Anónimo disse...

I belive in Miracles.
http://youtu.be/OeuN5de3_XM
Bom fim de semana e se conseguir um sorriso seu,ficarei
feliz.
:-)

Til disse...

Podia ter sido Til a escrever este post!Ficava-me tão bem...
Gosto de si!
Eu sei que já disse,mas já passou muito tempo (um minuto?)*

Virginia disse...

Ao ler as suas palavras sobre um casamento pareceu-me estar a ver-me ao espelho.
A minha situação nunca foi como a sua, mediática e nas altas esferas da sociedade, mas o que nos aproximou, vivendo um em Lisboa e outro em Coimbra foram exactamente as inteligências, a racional e a emocional, ambas unidas num Amor platónico, que redundou em casamento, sem grande noção do que era a Vida.
Os meus filhos são o espelho desta simbiose, inteligentes e menos emocionais do que eu desejaria.
Eu, emoção à flor da pele, sofri sempre muito apesar da admiração que sentia pela "sabedoria" e cultura do meu ex-marido. Até que me libertei como a Helena e nunca mais pensei em casar....

Anónimo disse...

Sonhos doces.

http://youtu.be/OKbpLQp509Y

A

Isabel Mouzinho disse...

Percebo o que diz, Helena, mas que tem que haver um equilíbrio entre os dois lados.
Enfim, não a imagino a si, nem me imagino a mim, a amar alguém muito educado, terno, bondoso, ternurento e o resto, mas burro ou inculto...

Beijinho

AEfetivamente disse...

E o elitismo cultural uma incapacidade de valorizar os outros decorrente da ausência de inteligência emocional.

(Acho que carreguei numa tecla, o que "levou" o primeiro comentário antes do tempo...:) )

Anónimo disse...

Pois, o primeiro comentário, afinal, levou-o o vento :) Não há problema,repito: subscrevo inteiramente o que diz.
AEfetivamente