terça-feira, 9 de novembro de 2010

A dívida destes senhores

A dívida está cada vez mais cara, contrariando assim os que estavam convencidos que após aprovação na generalidade do OE 2011, os mercados acalmariam.
Após uma sucessão lamentável de dislates na governação, finalmente começaram a ouvir-se aqueles que, em tempo oportuno, alertaram para a insanidade de uma série de medidas e que, por esse facto, foram apelidados de bota baixistas e outros impropérios idênticos.
Agora não há como fugir. É preciso falar verdade, para evitar que convulsões sociais nos façam perder o pé. E ter tento nas palavras e nas acções.
Julgo que ainda falta sabermos muito mais. Que ainda falta que o governo explique como isto poude acontecer, nomeadamente a derrapagem de 2009. Não basta que sejamos governados como um bando de carneiros. É preciso que nos considerem como gente. Que tem direito não só à verdade como às razões dessa verdade. Porque é a nós que estão a ser pedidos sacrifícios. Porque são os portugueses que estão sem poder sustentar as suas famílias. Porque foram estes senhores que, em tempo de eleições, prometeram e deram o que não podiam e não deviam. Porque estes senhores não se privam de nada, desde os carros de alta cilindrada, onde se transportam, até às mordomias de que não abdicam. Porque são estes senhores que nem sequer têm a humildade de pedir desculpas.

HSC

5 comentários:

Anónimo disse...

De nada! Ainda estou para ver um político a andar a pé, a prescindir de (quase) todas as mordomias, ou a limita-las (como os telemóveis), a emagrecer gabinetes, a prescindir de cartão de crédito, etc. O mesmo quanto a outras figuras, como gestores públicos e presidentes de organismos, ou institutos estatais. Noutros países, este tipo de comportamentos faz parte da ética política. Na Suíça, aqui há uns tempos, uma ministra, por ter utilizado o helicóptero para a transportar a casa, acabou por ter de se demitir. O aparelho servira, exclusivamente, para a transportar para uma cerimónia oficial. Uma vez concluída e terminado o dia de trabalho, era suposto regressar a casa pelos seus próprios meios. Ao ter enveredado pela “boleia” de helicóptero, caiu-lhe “o Carmo e a Trindade” em cima, ou seja, o clamor do público…contribuinte, sempre muito exigente por aquelas paragens. Em Portugal, tal seria impensável e nem mesmo o público se importaria, tão distanciado está de determinadas condutas e procedimentos éticos dos seus governantes. Que até acha normal! E há muitos mais exemplos. O monarca norueguês anda, muita das vezes, de bicicleta, e os ministros britânicos aceitaram perder muitas das suas mordomias, como a viatura, na maior parte dos casos.
Enfim, são estas as diferenças, estas as indiferenças, estas as atitudes que nos distinguem de outros povos, de outras democracias, que nutrem um profundo respeito pelo erário público…e por quem para ele contribui! Como a autora deste Blogue uma vez referi - e bem! há comportamentos que se deveriam reger por uma “coisa simples”: Ética. Acima de tudo em política! Esta ausência de ética, todavia, é, infelizmente, transversal na Política do nosso país.
P.Rufino

voz a 0 db disse...

Pois é... a fotografia até está bonita... mas é injusta! Pois deixa de fora muitos "bacanos" que nos colocaram nesta situação... como também já tinha feito uma fotografia com a "Família da Ruína" que pode ver aqui, e nela tentei colocar os principais responsáveis pela actual situação deste "pedaço de terra" aí fica a referência...
Mas como é lógico estes, como os seus antecessores, daqui a nada vão-se, e ela (a dívida) cá fica para o Zé Mané (Povo=Manada) a pagar...
E quando a Helena escreve "Não basta que sejamos governados como um bando de carneiros. É preciso que nos considerem como gente" se calhar não tem na ideia que há muito tempo que deixamos de ser vistos como cidadãos/gente, somos sim vistos, e em 1º lugar, como consumidores.

Margarida disse...

...sobretudo, sobretudo isso: pedir desculpa.
Ainda hoje comentava que se fossemos Japoneses seria de esperar alguns Harakiri...
Mesmo que simbólicos.
Bom, claro que simbólicos, bolas. Já chega de tragédia...
:(

Helena Sacadura Cabral disse...

Ao menos o Obama assumiu a responsabilidade pelo que aconteceu e vai arrepiar caminho. Não sou nada obamista mas apreciei a humildade do seu discurso. Mesmo que não seja inteiramente verdadeiro, é melhor do que o destes senhores que não têm culpa de nada...

zeliams disse...

A "dívida destes senhores" vai de mal a pior e apesar disso continuam a ir e vir não formosos, mas sempre seguros da sua arrogância. Mais não são que uma comandita de irresponsáveis a quem os versos de
Sophia de Mello Breyner assentam que nem uma luva:

"Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo."

E eles partem e repartem entre si luxos e comodidades e nós, contibuintes, ficamos com a pior parte.