sábado, 25 de setembro de 2010

Saudades

Ando há já alguns dias a conviver com um sentimento estranho. Que, aliás, não sei definir bem. Talvez um misto de insegurança e de preocupação. Como este tipo de estados de alma não é nada natural em mim e sou uma pessoa que se conhece razoavelmente, tentei perceber um pouco melhor a razão desta anímica insatisfação.
Julgo que os tempos que vivemos são os grandes responsáveis. De facto, sempre vivi do meu trabalho. E, até hoje, ele não me faltou. Mas tenho amigos a viver problemas financeiros graves. Uns porque ajudavam a família e hoje sofrem por não o poder fazer. Outros, ao contrário, recebiam ajuda familiar e agora não podem contar com ela.
Por outro lado, quando se abre a televisão ou os jornais, a cada cinco minutos contam-se desgraças. São roubos, são assaltos, são mortes, são doenças, são medidas governativas, são previsões, são lutas palacianas, enfim, este país foi-se aos poucos transformando num local em que é cada vez mais difícil viver com alegria.
Deve ser a ressaca de tudo isto, de mistura com um futuro de pouco futuro que, de algum modo, está na base deste meu estado. Espero, ansiosa, que haja petróleo em Portugal, para que possamos recuperar um pouco da paz de espírito de que tanto necessitamos. Porque é dela que, na verdade, tenho saudades!

HSC

7 comentários:

Margarida disse...

Milady, o petróleo pode trazer muitos desgostos...
Agora sou eu que tenho de dizer que melhores tempos virão.
Que estes momentos passarão, que é preciso não desanimar.
Que estamos aqui uns para os outros, nem que seja por uma palavra, um pensamento, uma intenção em forma de prece.
Vá..., solte o seu riso positivo e contagiante e mostre que continua perfumadamente feliz.
(ou a "nossa" excelência vem por aí ralhar-lhe...)
;)

Rita disse...

Olá Helena, de facto tem toda a razão! Tenho muita pena, mas nos últimos tempos as conversas que tenho tido com as pessoas da minha geração (trintões) resultam sempre na conclusão de que em Portugal não nos "safamos" e aos poucos muitos de nós estão a ir embora para outros países/continentes...
O que será de Portugal nos próximos anos?!?

Leonardo B. disse...

[dizia, noutras circunstâncias, mas que recupero perante essa reflexão sua, numa preocupação que comungo, que "contudo, não há por onde nos queixarmos: fizemos crescer uma Europa que se resguarda na contemplação do seu próprio umbigo, e como ainda há dias desabafava com um amigo, quer parecer-me que governar um país, qualquer que seja, de acordo com as birras dos mercados, não será muito diferente dum casamento mantido por vontade da sogra... os esposos, passe a expressão, que se danem!

... e no meio disto, pergunto-me, onde ficamos nós, enquanto cidadãos? Em que fotografia que o tempo, para o bem ou para o mal, haverá desfocar?]

Um abraço,

Leonardo B.

Raúl Mesquita disse...

Helena, a palavra é poética. Ocorre-me dizer: Temos saudades de ter saudades?

Raúl.

Anónimo disse...

Helena,
Também tenho amigos em situação difícil, o que me dói de ver. Infelizmente, não vejo solução futura para este país. Quer-me parecer que chegámos ao fim!
P.Rufino

Raúl Mesquita disse...

Mas que pessimismo! Parece o Muro das Lamentações! E eu que não sou optimista por natureza... Preocupa-me bem mais o poder dado aos ignorantes, o maior mal da democracia. Disse.

Raúl.

Helena Oneto disse...

Caríssima Helena,
Tem todas as razões para se sentir insatisfeita. Somos milhões de portuguêses insatisfeitos. Temos todos familiares ou amigos em situação difícil... mas a Margarida tem razão e Raul Mesquita também!

Um abraço amigo e desejos sinceros de melhores dias!