quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A iliteracia nacional

A literacia é a capacidade de alguém ler e compreender o que lê. De acordo com o relatório elaborado pela Data Angel, a pedido dos coordenadores Plano Nacional de Leitura, apenas um em cada cinco portugueses possui nível médio daquele desiderato. Na Suécia, ao invés, para se ter uma ideia da diferença, aquela proporção é de quatro para cinco. Ou seja, a literacia é quase total. Quase todos compreendem o que lêm!
Portugal enfrenta, assim, uma dificuldade acrescida na sua competitividade, porque esta questão não afecta apenas a educação. Afecta outras áreas, nomeadamente a económica. Uma empresa onde alguns empregados tenham embaraços na compreensão do que se lhes pede ou na leitura de instruções escritas, tornam a produtividade laboral mais baixa, com os custos consequentes.
Acresce, diz o relatório, que entre nós, "a exigência em conhecimentos e competências é baixa numa perspectiva comparada" e o mercado laboral "não parece compensar as competências em matéria de literacia na medida esperada". O resultado é que os portugueses não sentem qualquer estímulo para aumentar o seu nível de instrução.
Ora se o nosso país até nem está mal colocado ao nível dos recursos que dedica à educação, então o problema só pode residir no funcionamento do sistema educacional e do sistema económico. Binómio que deveria operar de modo a que, a uma melhor oferta de qualificações, possa corresponder um maior reconhecimento por parte do tecido empresarial.
H.S.C


8 comentários:

Fada do bosque disse...

O Sistema Educacional, não existente neste País, está a deixar os portugueses à beira de um ataque de nervos!
Estamos a ver o País a afundar e por mais que voltas que se dêem para arranjar soluções, chega-se sempre à mesma conclusão... o problema está na base, aquilo que se chama Educação! Deveria ser exigente e incrementada nas escolas com rigor!
Como é que os portugueses, se só um em cada 5 compreende o que lê, vão ensinar os seus filhos?!
Depois espalha-se por todos os sectores e de repente o País está a afundar a pique! Como disse Sócrates na cerimónia do Tratado de Lisboa, uma Educação baseada nas novas tecnologias e meios de comunicação, são a maior procupação do Governo! Isto torna-se cada vez mais assustador... é que temos bons exemplos, mas os decisores fazem questão de os ignorar!
Será que estamos condenados a ser, cobaias do Tavistock Institut?! É que realmente até parece haver outras intenções ocultas, para que quem nos representa, faça questão de ir até ao último "cartucho"!
Parece que são obrigados a testar até onde se pode espalhar a ignorância! Isto não é normal, num País dito civilizado! É tudo menos normal!

voz a 0 db disse...

Deixei este comentário noutro blogue, e hoje, considero que aqui também não fica muito fora do assunto...

O Português... Povo mal educado e mal informado. Povo que mal sabe falar a Língua lê, e mal sabe escrever a Língua que fala. Povo com o cérebro empapado... incapaz de acordar deste estado de babugem constante... Foram sendo levados, calma e serenamente, para este estado... e aceitaram-no, e aceitam-no! Pois nada fazem para o alterar... alguns até o tentam, mas fazem-no num Português escrito que não se consegue ler, ou num Português oral que não se consegue ouvir...

Raúl Mesquita disse...

Não sei por onde começar. O problema que a Helena trouxe para aqui é, realmente, importantíssimo. Concordo consigo, a Educação em Portugal não será das piores no Mundo, mas então por que motivo a iliteracia é baixa? A minha resposta: se o Marcelo Rebelo de Sousa "atira livros" no mesmo programa em que fala de "politiquices" e de futebol...! Ainda querem literacia? Raúl Mesquita.

causa vossa disse...

Com amizade uma excelente tese,algo passadista, a dos bons selvagens, de uma certa elite, habituada às mordomias de um dos países mais desiguais da Europa, responsável pelo estado do país.

Chutar para canto as responsabilidades da pseudo elite, responsável pela anomia larvar da sua população, não é bonito de se ouvir.

Educação, sim, falta em carradas, formação é negar a brutal melhoria que nos posiciona como iguais no mundo da investigação e na sede de informação que a via democrática da rede propiciou.

E Roma e Pavia não se fizeram num dia!

Helena Sacadura Cabral disse...

Causa Vossa
É justamente essa elite que eu acuso. Mas é ela que nos governa e é dela que dependem os outros.
Antes, as teses passadistas que refere, queriam manter os portugueses na ignorância.
Ao contrário, hoje, todos temos de ser doutores. Por isso acabámos com os cursos técnicos e passámos a "facilitar" o ensino para que as estatísticas nos não colocassem na ponta da Europa.
Você acha que estamos melhor. A nível económico, decerto. A nível cultural, duvido!
Mesmo correndo o risco de ser considerada passadista...

Raúl Mesquita disse...

ERRATA E ESCLARECIMENTO: ... a Educação em Portugal não será das piores no Mundo, mas é, certamente, das piores na Europa. Qual a razão por que a literacia é baixa no nosso País? A minha resposta:... a culpa não é só das " élites" e dos governos. Concordo consigo, Causa Vossa, é também de todos nós, se leio isso nas entrelinhas. Por exemplo, eu tento falar bem, logo, colaboro com os que me rodeieiam. Não digo " criativo" porque essa palavra não existe, digo " criador" e por aí adiante. E não me venham, por Amor de Deus, com a desculpa de mau pagador: " Ah, mas já entrou na Língua!" Esses, sim Causa Vossa, são os grandes responsáveis por esta trapalhada que se fala por aqui agora!

Blondewithaphd disse...

Ui, se eu contasse o que vejo lá pela faculdade... E quando penso que eles, os alunos, chegam lá com DOZE anos de sistema educacional em cima, então, sim, algo vai muito, mas mesmo muito mal.

Anónimo disse...

drª Helena S.Cabral!
passo muitas vezes por aqui,porque gosto, mas hoje fiquei deprimida com os comentarios será que nada se aproveita na educação?que professores temos? a escola não ensina nada?:)
Almerinda.