sexta-feira, 7 de julho de 2017

E se fosse um governo de direita?!


"Quantas vezes ouvimos um General ir ao Parlamento dizer que se sentiu humilhado? E quantas vezes ouvimos isso na véspera de um ministro da Defesa ser ouvido no mesmo Parlamento? E alguma vez essas audições aconteceram quando o mesmíssimo Parlamento discute as cativações or
çamentais que podem ter fragilizado as funções de soberania? E alguém consegue lembrar-se de quantos ministros já tiveram que ir de urgência ao Parlamento ou quantas respostas por escrito teve o governo que enviar em tão poucos dias aos deputados?
Podia fazer este Expresso Curto só com perguntas, mas o estilo seria forçado e cansativo, e, mais relevante, falharia o essencial: as respostas. Ora, respostas é o que o País precisa. Precisa o Parlamento, precisam os deputados, precisa o povo que os elegeu e precisa toda a população.

A sucessão de acontecimentos extraordinários ligou Pedrógão e Tancos para sempre. O governo bem pode tentar dizer que são coisas diferentes (e são), que não têm uma a ver com a outra (e não têm), que uma teve razões extraordinárias (e teve), que outra podia ter acontecido há mais tempo (e podia), que se devem separar os dois casos (e até devia), mas a vida é mesmo assim e a vida política sempre foi e será assim. Quem não perceber isto, não percebe a política, muito menos a razão pela qual existe: servir o país."...

                          Ricardo Costa in Expresso Curto

Tudo o que eu dissesse a mais seria desnecessário. Ricardo expressa os nossos receios e põe o fulcro, como todos nós, nas respostas urgentes à perguntas, mais de 15 dias passados sem que saibamos como é possível ter informações tão contraditórias sobre estes dois assuntos.
Estamos sem governo? Não. Até temos um governo de esquerda suportado pela esquerda. 
E vamos continuar assim por muito tempo?! 
O que se não teria já dito se tivéssemos um governo de direita e quantas cabeças não estariam já a prémio?!

HSC

9 comentários:

Anónimo disse...

Ai se fosse um governo de direita? olhe, a comunicação social não estava assim ao rubro como está. Não tenha dúvidas.

Nidja Andrade disse...

Tudo isso é um processo reinventado. Um papo longo e sem conclusão, difícil de opinar diante da complexidade do assunto.
AbraçO

Silenciosamente ouvindo... disse...


As suas perguntas e as suas dúvidas têm razão de ser.

Se algum dia teremos as respostas certas, isso é que

eu não tenho a certeza.

Ontem Manuela Ferreira Leite no seu comentário na TVI

disse que as férias do PM no momento em que foi, que é

"um enigma" e realmente é estranho, e não que ele não tenha

direito a ter férias. Mas há momentos e momentos.

Enfim eu acho que estão a passar-se coisas estranhas na

política portuguesa.

Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Anónimo disse...

Ó! seria uma tragédia galáctica,não seria?
Manuel

onónimo quiescente disse...

coitados dos governos de "direita". tão sérios, tão empenhados na prosperidade, tão melindrados com as críticas da "esquerda". pobrezitos.

Anónimo disse...

Andava tudo na linha a toque de caixa.
Miguel M

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Onónimo
Que bom que é ser crente nos impolutos de esquerda!Tadinhos!

onónimo quiescente disse...

impolutos?!
é óbvio que não conhece a minha opinião acerca da "esquerda".

Teresa disse...

Nos somos e pequeninos, só queremos vinganças, quando não se consegue por meios económicos, aproveitam a desgraça, ponham os olhos em Londres,com o horror que aconteceu no incêndio da torre, não há está caça as brumas!!