sábado, 6 de fevereiro de 2016

TAP



Na privatização inicial da TAP Neelman e Pedrosa detinham 61% da companhia. Agora, Costa guarda para si 50% dos riscos de exploração que, sabe-se, são muitos. Mas, estranhamente, entrega aos outros 50% a gestão da empresa. Qual é a contrapartida que justifica esta decisão e qual a vantagem que ela traz ao país?

HSC

9 comentários:

Anónimo disse...

este governo vai tentar reverter a venda do país a retalho e ao desbarato, é o que é.

Fatyly disse...

Não faço a mínima ideia Dª. Helena, como outras jogadas políticas. Oxalá que tudo corra pelo melhor...mas não sei, não!

Bom domingo

Anónimo disse...

Não percebi... Entram seis administradores, por parte do Estado? Só achava bem se fossem buscar pilotos já reformados, mas que sabem o que se passa e, sobretudo, sabem o que é um avião... Se são só boys, preocupo-me e muito por quem lá trabalha, a sério e com enorme profissionalismo, com ordenados congelados há anos.
Veremos... se o ministro explicar alguma coisa...

Anónimo disse...

A esbardalhar o país é o que é.Sabem fazer alguma coisa mais?!Não me parece.

Virginia disse...

Transcrevo aqui o protesto do meu Presidente da Câmara, exemplar na defesa do Norte contra a macrocefalia de Lisboa e dos governantes.

"Faltava saber o que o Governo, que prometera a reversão da privatização e controlo da empresa, iria fazer. Agora, sabemos. Optou por recomprar 11% da TAP aos privados para quem, assim, tudo fica mais barato. Mas continuam a mandar na companhia. Uma verdadeira parceria público-privada. Nós todos, do Minho a Faro, pagamos com os nossos impostos o custo e os prejuízos de uma empresa gerida por privados, que não nos presta serviço, e dedicada exclusivamente a servir a nossa capital."

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/…/…/rui_moreira/detalhe/tappp.html

Anónimo disse...

Preparem-se para os sustos do governo das gárgulas.

Observador disse...

Como está, o Governo tem o poder do veto, o que é muito importante.

Creio que o 'novo desenho' da TAP é favorável à própria empresa e aos trabalhadores. Logo, ao país.
O que não deveria acontecer com a maioria da companhia aérea entregue ao privado.

Aqui, não há 'jogadas políticas' nem 'vendas ao desbarato'.

Cumprimentos, Helena.

João Menéres disse...

SEIS ADMINISTRADORES ?
Poder de veto ?\
- Vetar o quê ?
Que vete então a supressão dos voos do Porto e já !
( Voos com 90% de ocupação, lembro...)

Melhores cumprimentos.

Anónimo disse...

Seis a somar aos que existem...
Certamente para «boys»...