segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

O país das medalhas


Em Portugal medalha-se por tudo e por nada. Pode até medalhar-se o criador das toillettes da Dra Maria Cavaco Silva que, como Primeira Dama, levou para fora de portas a moda regional, já que me dizem o homenageado ser de e viver em Viseu.
Tudo bem. Por mim desde que a Zara e a HML me vendam as pecinhas de roupa de que careço para embelezamento pessoal, a preço compatível, eu fico contente. Mas, claro, eu não levo a moda para além de França, Espanha ou de Inglaterra que por enquanto são "os meus destinos" e não represento nada que não seja eu própria!
Ora em 40 anos de democracia portuguesa, os quatro Presidentes da República já distribuíram 8400 condecorações. Tanta gente condecorada, num país tão pequeno, obriga à divulgação dos seus feitos que, creio, na maioria desconhecemos. Urge, pois, fazer essa divulgação sem a qual, um dia, até eu, uma ilustre desconhecida posso, meu Deus, acordar medalhada... 
Um País sem riqueza, quase miserável, com elites medianas e a ter mais de 8 mil heróis condecorados, levanta muitas dúvidas. São heróis de quê?!

HSC

No Estado da Arte fala-se de felicidade!

16 comentários:

C.N. Gil disse...

Excepcional pergunta!

Merecia uma resposta que não existirá...

:)

Observador disse...

"Em Portugal medalha-se por tudo e por nada". Muitas vezes é mais por nada que por tudo.
8.400 condecorações? A dividir por quatro (presidentes) temos uma média de 2.100 por cada.
O que diria o 'Zé das Medalhas'?
Cumprimentos

Anónimo disse...


Helena
Não sei...confesso a minha ignorância.

Carla

Fernando Brandao disse...

Boa tarde. Não tem mal nenhum, mas não é de Viseu o senhor que vestia a Dra. Maria Cavaco Silva. É do Fundão.Chama-se Carlos Gil.

Isabel Mouzinho disse...

Não Helena, com tanta medalha distribuída assim "a torto e a direito"quem não tem medalhas é que marca a diferença e por isso se distingue. Um pouco na linha do "Se o Dantas é português, eu sou espanhol"... ;)

Virginia disse...


Espere até condecorarem as Teresas Guilhermes deste país. Ao nível a que isto chegou, tudo é expectável.

João Menéres disse...

8.400 condecorações !!!
Mais uns tempos e esgotam as fitas que as suportam.

Melhores cumprimentos.

maria isabel disse...

Já se dá medalhas a quem comprar de uma só vez dois kilos de arroz carolino. Pouco falta!!!!!
Arre tanta medalha,até já mete nojo.
Desculpem a minha falta de paciência.
Maria Isabel

Silenciosamente ouvindo... disse...

E deixar para os últimos dias de mandato a distribuição
contínua...
Deveria sism ser obrigatório explicar a razão da
condecoração.
Cumprimentos
Irene Alves

Titus Adrianus disse...

Uma critica vaga. Nestas coisas apontam-se alvos. Veja-se a última condecoração a Sousa Lara. Mas, Cavaco tem mais. Foi o quem mais ignóbil gente condecorou. Cavaco até ao fim do mandato, de provocação em provocação. Um PR a esquecer. Uma nota de rodapé da História de Portugal.

Anónimo disse...

"Parece que tem uma mala cheia de condecorações que tem de entregar antes de se ir embora", ironizou Pilar del Río

Anónimo disse...

O outro era hábil em inaugurações... Cada um é para o que nasce. Este ficou-se pelas medalhas...

Manuel Pereira disse...

Cara Helena. Tenho 50 anos. Casável. Trabalho na "City Pombalina" (muitas estórias para contar). Corri atrás do meu sonho de juventude, escrevi um romance. Quando chegar o fim, apenas Frank Sinatra (pelo menos foi à minha maneira). Quero viver e não apenas sobreviver. Laclos,Bronté,Honoré, Simone e Saramago escreveram os romances da minha vida: As ligações perigosas, O monte dos vendavais, Esplendor e misérias das cortesãs, A convidada e Levantado do chão, respetivamente. A Helena é para mim uma fonte de inspiração: serena e resolvida perante a vida, e VIVA! Terei talento? Adorava que a Helena lesse o meu "A Terra de Ninguém". Como fazer?
M. Ó Pereira
PS. As suas receitas são o máximo.

Maria do Porto disse...

Este acto de condecorações tornou-se tão corriqueiro, tão vulgar que até surgem sátiras a estes acontecimentos.
E foi através de um mail que li a última graça: uma imagem com Cavaco e Sócrates, lado a lado a conversarem. Dizia Sócrates:
-Então, não há uma medalhinha para mim? Responde Cavaco:
- Você já não tem uma pulseira?

Bjs

nelsonfaustinopt disse...

Porque não oferecer medalhas de cortiça? Assim sempre se promovia um dos produtos made in PT ;).

Anónimo disse...

Cara Dra Helena eu gosto de apreciar a entrega de medalhas.É muito bom homenagear alguém e reconhecer o seu valor.Penso que quatro presidentes vezes dois mandatos cada serão uns longos 40 anos.É uma vida!
Ora 40 anos vezes os doze meses do ano teremos 480 meses.Dividindo as 8400 condecorações por esses 480 meses termos mais ou menos 18 medalhas/ mês.
Será muito? Não acho pois este país está cheio de Gente Fantástica.
Eu acho que os portugueses são muito bons em muitas áreas.Somos mesmo os Melhores do Mundo no Desporto ,Ciência , Artes,Cultura,Pintura ,Gastronomia,Telecomunicações,Engenharia,Arquitectura,Moda etc etc.
Acho é que muitas vezes nem nós damos valor a nós mesmos.
Prefiro presenciar homenagens que ser bombardeado com notícias de violações de tráfico ( humano e droga),de assassinatos,de guerras,corrupção,etc etc.
Venham daí as medalhas,e uma que para si era muito bem entregue pela excelente pessoa e escritora que é.
Viva Portugal e os Portugueses pois somos muito bons.Eu acredito.
A Gória a quem merece porque somos Imortais.
E termino com o Hino de Portugal

Heróis do mar
Nobre Povo
Nação Valente...

Zé ( sem medalhas)