quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Saber esperar

Por norma não sou inflexível. Fui educada por um pai rigorosíssimo e por uma mãe muito á frente do seu tempo. A caldear a mistura explosiva, tive uns avós que souberam sempre mostrar-me o lado positivo de tal nascimento. Resultado, tenho muito poucas certezas absolutas, mas as que possuo, acompanham-me de forma consciente há cerca de 50 anos. 
Entre elas, a pouca simpatia - neste tempo de festas, parece-me o termo mais adequado - pela vida partidária e a mágoa de nela ter tido os meus dois únicos filhos. Sabia - as mães sabem sempre - que essa via os impediria de terem uma vida familiar feliz. Um decidiu, sem sucesso, experimenta-la. O outro não.
Quando olho os meus netos penso como teria sido bom que eles tivessem podido ter conhecido melhor o pai deles e como isso, na altura, lhes fez tanta falta e tanto os teria enriquecido. Foi tarde demais que o Miguel o percebeu, apesar de, nos dois últimos anos do seu caminho, ter tentado superar-se nesse campo.
Disse muitas vezes que o grande pesar da minha vida tinha a ver com a opção que ambos haviam feito. E, confesso, nunca tive esperança de ter a alegria de os ver seguir o exemplo paterno, cujo compromisso político se foi esbatendo com o tempo. Não no pensamento ou ideologia, julgo eu, mas na praxis da vida quotidiana.
Deus compensou-me e permitiu que, em vida, eu pudesse ter esse conforto. E hoje pude passar um dia tranquilo, sem ler ou ouvir as barbaridades de ódio que, por certo se terão dito, no meio de alguns elogios que, acredito, outros possam ter feito. Esse é o mundo da política. Que, espero, passados uns meses, já não faça mais parte do meu.

HSC

34 comentários:

Fátima Freitas disse...

Compreendo o seu alívio, quero expressar a minha admiração como político e governante que foi. Não voto no CDS, não falo como militante. Que seja feliz, também a Dra Helena, como Mãe orgulhosa que é.

g. disse...

minha querida amiga quando pela manhã cedo li a notícia no resumo que recebo no mail o meu primeiro pensamento foi em si e como deve estar feliz. depois o pensamento foi para o seu filho e como 'acalmar o bichinho da política' vai ser difícil principalmente nos primeiros tempos. depois um cartoon fez-me sorrir ao imaginar se daria a sua gargalhada que tão bem a caracteriza ou ficaria com os cabelos em pé só de imaginar essa opção.
os pais fazem sacrifícios pelos filhos mas há filhos que também o fazem pelos pais, como eu o Paulo também a vai compensar por estes 16 e muitos anos de ausências e amarguras.
beijo grande e estou muito feliz por si

Fatyly disse...

Em todos os aspectos e mais alguns...ser MÃE...é tão difícil, como deve ser ainda mais de dois, cujos caminhos opcionais foram os da política e totalmente opostos.

Nunca é tarde Dª. Helena e acredito que os seus netos conseguiram conhecer bem o pai, porque os miúdos captam tudo mais rapidamente do que julgamos.

Digo-lhe o que digo muitas vezes à minha mãe...embora custe não oiça, não leia e mude de canal:)

Quando estiver mais em baixo...o melhor é pensar no seu grupo descrito ali mais em baixo e com um título que ne fez rir muito...Cair na gandaia" e como é tão bom:)

Um bom dia embora esteja a chover a potes

Anónimo disse...

Calculei que ficasse feliz com a decisão tomada!
Eu pessoalmente tenho pena, o seu filho faz falta na política!!
Aproveito para lhe desejar um Feliz 2016, com Saúde e Paz!
Beijinho
FL

Virginia disse...


É preciso coragem para se ser político.

E a Helena pode orgulhar-se de ter tido dois filhos intervenientes, que tentaram mudar este país, mesmo em campos opostos (?).

Pode ser que, a partir de agora, possa usufruir da companhia do seu filho mais velho em paz e sem tanto sobressalto. Bem merece.

Um 2016 recompensador e feliz!

Anónimo disse...


Helena
Sei do que fala, fiquei surpreendida com a decisão.
É desgastante a vida na política, penso que existem outras outras profissões de menor desgaste, e mais prazerosas. Onde a realização profissional pode ser mais gratificante e menos ingrata.

Carla



Anónimo disse...

Daqui a uns meses não se fala mais nisso... Isso aconteceu com todos os outros grandes políticos... A vida é mesmo assim: está sempre em transformação!
Um Bom 2016.

Teresa disse...

Eu também me lembrei de si,mas o que ouvi a seguir não sei não!! Ora dizem que vai para o Parlamento Europeu, ou como ontem num debate televisivo que estava a preparar terreno para a Presidência da República!!

Joaquim de Freitas disse...

Sim, como deve ser difícil ter filhos que escolheram a política e, ainda para mais, caminhos opostos.
Tenho pensado na Senhora, que conheci aqui no blogue e pelo nome de família que aprendi na escola primária.
Ser Mãe não impede de ser também cidadã, e de ter a sua opinião politica , como ia dizer , como não importa qual outra cidadã. Mas é realmente possível ser uma cidadã como outra, quando se é a Mãe dum político do nível do filho , independentemente da ideologia que professa?

Não sei responder, mas sei que quando um Pai é obrigado a emigrar para fugir à PIDE, um filho só pode enfileirar na opinião política do Pai. Foi o meu caso. E se hoje vivo em França, foi por solidariedade pelo meu Pai e pelo resto da família que o seguiu.

Mas nunca esquecerei o rosto da minha Mãe quando descobriu a terra onde veio parar, aqui entre as montanhas mais altas da Europa, longe das amigas, obrigada no dia seguinte à chegada nestas terras de cultura e língua diferentes, de ir fazer as compras para fazer o jantar, sem saber como exprimir-se.

Este sendo o drama de todas as Mães e Esposas portuguesas que foram obrigadas pela vida a expatriar-se. Perdidas que são, durante meses, antes de se adoptarem , e que a nostalgia agarra à terra que as viu nascer até ao fim.

Longe do campanário da sua igreja onde ia rezar pelos seus, longe da luz daquela terra simples de Guimarães, da rua bem no centro da cidade, onde tudo era tão fácil, a minha Mãe nunca perdoou àqueles políticos que se acomodavam da politica dum regime, que a obrigou a partir.

Por isso digo , que os políticos, quaisquer que eles sejam, se soubessem verdadeiramente a responsabilidade que portam na sua consciência sobre o destino dos cidadãos que convencem da sua capacidade e da sua honestidade a dirigir uma Nação, deviam olhar longamente para as suas Mães, antes de subir para o poder .

Porque se tantos cidadãos Portugueses se viram constrangidos à emigração, desde os anos sessenta e, o que é inaceitável, ainda hoje, é que durante décadas, houve políticos que se içaram ao poder supremo unicamente por ambição e interesse próprio, e não realmente porque queriam encaminhar os compatriotas para o caminho do progresso e na valorização de cada um.

Os meus respeitosos cumprimentos.

Helena Sacadura Cabral disse...

Joaquim de Freitas
Leio sempre com atenção o que escreve no blog do Embaixador e o que por vezes aqui deixa escrito.
Tocam-me fundo as suas palavras porque as sei produto da vida que levou os seus a emigrar.
Em quase todas as famílias há casos que se assemelham ao seu. Até na minha. E bem chegados.
Sempre fiz escolhas ideológicas. Só nunca fui capaz de ceder a uma escolha partidária que desfez o meu casamento e destruiu tudo aquilo em que eu acreditava e por que me bati.
Levei muito tempo a refazer-me e a aprender a gostar de mim. Mas também aprendi a não gostar da política, seja ela qual for. Vi, com os meus olhos o mau uso que todos fizeram e fazem dela. Foi disso que, penso, ter-me finalmente livrado!
Para si e para os seus os meus votos de um 2016 em paz. E a esperança de que os seus filhos já não tenham que passar por nada do que os seus ancestrais passaram.

Anónimo disse...

🌷

Anónimo disse...

Um beijinho e bom 2016!
Conserve o seu lindo sorriso!
Es.

Anónimo disse...

Um novo ano com muita SAÚDE, para si, seu filho, netos, irmão e restante família.
Percebo completamente o que escreveu. Espero que este seu filho, bom filho e homem brilhante (tal como o irmão, de quem eu era muito amiga e me ensinou a gostar deste)e completamente singular, nessa categoria dos «políticos» portugueses, possa, para já, descansar a sério. O que fará a seguir será o que ele quiser, já que, ao contrário da maioria, profissões tem mais que uma, cultura muita, saúde e juventude também. Bons momentos para ambos! O meu, a trabalhar no Natal e Ano Novo, levou-me com ele pelo Natal e lá passámos quase dois dias a passear em NYC (com 20 graus e chuvita miudinha), naquela incrível cidade, viva vinte e quatro horas. Que bem me soube. Grande abraço para os dois da Conceição Jordão

Anónimo disse...

Parabéns ao Dr Paulo Sacadura Portas pela carreira política e pela dignidade com que honrou o país.Obrigada por ter sido um digno Vice-Primeiro Ministro.
Parabéns a si pela Māe que é.
Aqui fica uma vénia aos dois com todo o meu respeito.
Jo

ERA UMA VEZ disse...

Querida Helena

A política traz necessariamente dissabores mas não deixa de ser um serviço generoso dedicado à comunidade.

Creia que ambos, com olhares diferentes sobre o mundo, o terão feito.

Entendo que não terá sido a sua opção para eles.

Por mim, ideologias à parte, admirei os dois na sua autenticidade.
Quero acreditar que terão sido muito felizes no caminho que escolheram.

E eu tenho muito orgulho em conhecer "de perto" A MULHER que os educou no respeito pelas diferenças.

Quanto a uma despedida da política, bem...não será antes uma travessia mais que merecida?...

BOM ANO NOVO. Graaaaaaaande abraço!!!!!

António Henriques disse...

Drª Helena

O contrario do Amor não é o Ódio mas sim a Indiferença... E.W. Nobel da Paz

Todos fazemos falta no nosso País agora mais do que nunca.

Mas o que eu tenho é saudades ... muitas saudades de ouvir o Miguel como numa noite de Outubro de 1999 no teatro Gil Vicente em Coimbra.

Já reparou quantas pessoas empregam a expressão "NESTE PAÍS" ou "ESTE PAÍS" quando deviam ser mais inclusivos e usar "NOSSO PAÍS"?

Um bom 2016

Joaquim de Freitas disse...

Senhora Dona Helena Sacadura Cabral : Muito obrigado pela gentileza de me responder. Compreendo perfeitamente o seu sentimento. Como lhe escrevi um dia, tive um grande respeito e admiração pelo seu filho Miguel. Necessitou muita coragem para defender as ideias que defendeu. Mas não deve ter sido fácil de gerir ventos contrários, lá em casa.

A Senhora fala dos meus filhos: Sabe o que me entristece mais no drama da gestão da nossa Pátria desde a República? Foi de termos perdido tantos filhos , a maior parte deles para sempre. A minha família , espalhada agora entre a França e a Suécia, está perdida para sempre para Portugal.

Apresento-lhe igualmente os meus sinceros votos dum Novo Ano Feliz e Próspero, , assim como para toda a família, e sobretudo a melhor saúde. Notei que nascemos no mesmo ano. Tem razão : é tempo de olharmos por nós.


Com os meus respeitosos cumprimentos.

Anónimo disse...

So nice see you happy.So,let the music play and dance and fly,and smile...feel the Love in your life,in the air,in,in,in...

http://youtu.be/PYEJFSsfEcs

Ghost

Sandra disse...

Também pensei o mesmo que muitos comentadores já referiram - quando ouvi a notícia comentei com o meu marido que a Helena estaria feliz e aliviada. Como a entendo... esse coração de Mãe merece agora usufruir de paz e do amor do seu filho. Portanto, para 2016 desejo que seja ainda mais feliz, que tenha muita saúde e serenidade na sua/vossas vidas. Beijinhos

Anónimo disse...

Hand in hand

A

Anónimo disse...

Maria (publicamente anónima)

Drª Helena! Desejo-lhe um Feliz Ano 2016. Muita saúde para si e toda a sua família. Continue como é e a brindarmo-nos com muita e boa escrita. Obrigada por ser quem é.
Um grande abraço e um beijinho
BOM ANO
Maria M

Observador disse...

Deixo-lhe um abraço fraterno, 'apenas'.
Gostaria que neste gesto sentisse o meu apreço pela sua pessoa enquanto mulher, mãe e, claro, escritora.
Tinha um grande apreço pelo Miguel.

Um 2016 maravilhoso, Helena.

Anónimo disse...

🌟⭐️🌟⭐️🌟

Anónimo disse...

Imperatriz Feliz

Que o Novo Ano
Lhe traga um bom plano
Vindo de um arcano
E cantado por um soprano
Ao som dum piano

Que o Novo Ano
Lhe traga um bichano
Que pode ser mexicano
Iraniano,italiano
Ou até marciano
Lá de Urano

Quizás hawaiano
Ou cubano
Mas não insano ou leviano
Nem desumano
Senão vai pelo cano

Aposto num anglicano
Seu hermano
Com um bom tutano
E lhe dê La Mano
E um Bom Ano
Com um Bom Plano

Gralhas
Feliz 2016

Anónimo disse...

Quem espera... Sempre alcança.

Maria do Porto disse...

Como Mãe compreendo-a bem.
Mas, segundo os analistas políticos isto é só uma pausa para outros vôos... Será?
Boa sorte.
Bjs

Tété disse...

Lembrei-me tanto de si e acredite que senti o seu alívio.
Agora é que vai ser gozar o prazer de um filho presente.
Quem me dera que eu possa fazer o mesmo.
Feliz Ano Novo "inigualável" Helena

Helena Sacadura Cabral disse...

Maria do Porto
Se assim for, espero que seja depois de eu ter partido.
Ao contrário do Miguel, que era muito parecido comigo - até nos defeitos -, o Paulo é igual ao Pai, felizmente com o meu humor.
E o progenitor, com a mesma idade, deixou-se de política e foi tratar da vida profissional. Fez muito bem, já que é um excelente urbanista.
Acredito que com o filho possa acontecer o mesmo. Sabe, Maria, gostar muito, também é saber dizer basta.
Heróis na família tenho um. E morreu tragicamente, sem que o país o recorde muito.
Os que não são heróis, nem em nota de rodapé ficam!
Por isso, deixe os comentadores falar. É para inventar finais, felizes ou infelizes, que eles são pagos!

Anónimo disse...

🌹🌹🌹

Anónimo disse...

Huummm será apenas um pequeno intervalo, certamente. Um bom ano para si. Pedro

Anónimo disse...

Faz tanta falta - Uma Pessoa Pouco Comum como é o seu filho Paulo.
Gosto de pessoas incomuns e que vingam por essa mesma diferença e não desistem daquilo em que acreditam.
Gosto de génios.Sempre gostei de Francisco Sá Carneiro.O seu filho tomou em mim o seu lugar.Vou ter saudades e saber esperar por ...um Dia.
Bem haja grande mãe pelos filhos lindos e esse amor maior que o Paulo sempre sentiu e sente pelo irmão que sempre me fascinou.
É disto que os Heróis são feitos,de Amor.E quem ama não precisa de rodapé ... o Amor é o seu alimento.
CS

Anónimo disse...

Por uma vez, não resisto e tenho que comentar porque também o meu pensamento foi logo para si, fiquei tão feliz por si!
Agradeço-lhe por ser como é e partilhar connosco essa energia fabulosa nos seus bons, e menos bons, momentos.
Para mim, e eu cresci com o Indy, o Paulo é o filho da Helena.
Para a Mãe e seu filho, desejo o melhor da Vida - muito Tempo partilhado!

Um 2016 com muita saúde e gargalhadas à sua moda
Paula Duarte

Anónimo disse...

Ó Mãe VPM! Que saudades eu vou ter do seu menino lindo! Com ele aprendi a quebrar o meu orgulho.A ter a dignidade de inverter a marcha quando o caminho assim indica para melhor.
Afinal,até Shakespeare já dizia que: "ser flexível não é ser fraco".E,a vida ensinou-me que é precisamente o contrário...
Paulo Portas é um nome que Orgulha o País.
Um enorme bem haja aos dois!
Joana

ana disse...

Gosto muito destes seus "desabafos". Gosto muito de a ler. Bem haja. E um feliz 2016 :)