sexta-feira, 16 de outubro de 2015

O Partido dos abstencionistas


Agora que já se encontram todos os votos contados, será que os políticos - esses iluminados que tudo sabem e sem os quais, dizem, não existe democracia - terão olhado com seriedade para o que significa este quadro de abstencionistas? É que ele representa o maior partido nacional...
E os donos da política - como os donos de isto tudo no passado - deveriam perceber que quaisquer que sejam as alianças que se façam à direita ou à esquerda, metade do país não quer saber delas. E, pior, mesmo em caso de a chamada maioria absoluta, que tanto se apregoa, ela pouco passa da um quarto dos cidadãos que essa élite pertende governar. 
Felizmente que há quem continue a acreditar que a democracia é o menor de todos os males!

HSC

17 comentários:

Observador disse...

A abstenção deve ser o único valor em permanente crescimento no nosso País.
Há culpados mas ninguém quer assumir.

Com este tipo de democracia ninguém precisa de ditadura.

Cumprimentos, estimada Helena.

Virginia disse...


Acho que o abstencionismo cá em Portugal também é facilitado pela liberdade de voto, pela burocracia infernal que rodeia quem quer votar fora do país ou do local onde está inscrito - sei que o meu filho seria obrigado a votar em Mountain View quando estava em NY a milhares de kms - muitos votos de imigrantes forem considerados nulos e as listas estão datadas. Se tudo corresse de um modo mais fácil e ágil, com certeza que a abstenção diminuía.

Por fim, a consciência dos cidadãos também ainda carece de aperfeiçoamento. Há muitos que não acreditam nos políticos, esquecendo-se que são eles que vão determinar a nossa vida e cena política. O distanciamento entre os deputados e os cidadãos é um desastre. Ninguém sabe quem é que nos representa.

João Menéres disse...

44,14 de ausentes nas urnas ?
Nunca tal se viu !
Seguramente, não eram costistas !


Melhores cumprimentos.

TERESA PERALTA disse...

Querida Helena:
Deixe vir as novas eleições que a abstenção vai diminuir substancialmente. Muita gente pensava que o próprio voto não faria diferença. Mas, depois dos mais recentes acontecimentos, o panorama vai mudar. Os portugueses são muito sensatos, de modo que, duvido que queiram entrar num programa de “Portuxit”...
Beijinho :)

Silenciosamente ouvindo... disse...

Realmente parece que ninguém se importa com a abstenção,
com os votos em branco ou nulos.
Os partidos políticos também não se importam com
a regularização dos cadernos eleitorais.
Enfim parece que há muitos interessados em que tudo
esteja "baralhado".
Os meus cumprimentos.
Irene Alves

Madalena Ferreira disse...

Olá,

Felizmente, conheço bem esse partido.Durante muitos anos dei o meu contributo para esse dever cívico, quase sempre como secretária. Em 1975, ano em que tudo estava à experiência, os cadernos eleitorais utilizados, eram muito diferentes dos de hoje! Assim, encerrado o acto eleitoral, todos os nomes dos não votantes - abstenções -, teriam de ser transcritos ou para um outro caderno, ou acta, não me lembro bem?!
A meu favor contou, estar na mesa com a letra « M », e quase não haver abstenções!
Se fosse hoje, não sei como seria? Talvez uma directa, pois nunca faltei no meu local de trabalho!
Tudo era novo, tudo valia a pena - achava eu!?

Um abraço,

MC disse...


"quaisquer que sejam as alianças que se façam à direita ou à esquerda, metade do país não quer saber delas"

Mais do que não querer saber, as pessoas não acreditam. É muito triste, o estado de desolação colectiva que se vive. :(



(Gosto muito da forma como escreve e da sua lucidez.)

Anónimo disse...

Há que pensar, seriamente, na obrigação de todos os eleitores votarem. Lembro que no Brasil, entre outros países, assim acontece. Mas será que os "nossos" políticos estarão de acordo em aprovarem uma lei desta natureza? Eles é que sabem se isso lhes convém!...

Virginia disse...



Custa a acreditar , mas houve muito mais audiência para o reality show , A Quinta,que é uma aberração televisiva do que para a noite eleitoral, somados todos os canais!!! Revela o atraso deste país.

Helena Sacadura Cabral disse...

Virginia tem toda a razão!

Fatyly disse...

Concordo inteiramente, mas será que ligarão alguma? Não acredito!

Bom fim de semana

Anónimo disse...

O realy show é a verdade da vontade dos eleitores e essa foi clara - PaF sair vencedora.
Se o cenário for novas eleições, veremos a dita cuja abstenção, transformar-se numa maioria absoluta da PaF.
Veremos...

Ana Coucello disse...

Cara HSC, um exercício interessante seria comparar o número de eleitores/as com o número de habitantes em cada círculo.... Palpita-me que em muitos se encontrariam mais eleitores/as que habitantes... Ninguém estranha que haja mais de nove milhões de inscritas/os?

Helena Sacadura Cabral disse...

Anónimo das 20:34
Não me admirava nada que acontecesse!

Pedro disse...

Para se obter um número mais objetivo, dever-se-ia, no mínimo adicionar o número de votos brancos. Mas se adionássemos, também os nulos, que na maior parte têm a intenção explícita de rejeição, estaríamos no número mítico da democracia dos 50%. Porém, se quiséssemos ser mais profundos e juntar o número dos que votaram nos partidos que não elegeram ninguém, estaríamos com uma maioria negativa confortável e poderíamos fazer as projeções que dariam ao PSD/CDS 20% dos eleitores, ao PS 18%, ao Bloco cerca de 6% indo A CDU para a casa dos 4%. O que morta o fim e a ilegitimidade democrática desta farsa de democracia.

Anónimo disse...

Lá fora foi 3 / 1.Chega para confirmar o valor da PaF.
Se todos da PaF votassem chegaria aos 7 / 1.Contas simples e fáceis de prever.O povo quer novamente a PaF e o resto são lérias.

Anónimo disse...

E por falar de abstenção,de atitude,sem querer enviesar o tema do post,todos os eleitores da PaF aguardam que o mais sexy não se abstenha do seu cargo vencedor...que continue como 1 Ministro de Portugal.Assim o Presidente da República faça acontecer o que é justo e digno .E se os perdedores boicotarem...vamos a eleições novamente e com mais força para uma MAIORIA.
Marta