domingo, 13 de setembro de 2015

Amor não tem idade....


“Li algures que Vargas LLosa oficializou a sua relação com Isabel Presley. Se não me engano, isto faz deste escritor, galardoado com o Prémio Nobel pela excelência da sua obra literária, uma espécie de padrasto do Enrique Iglesias, o tipo que cantabailando, bailando, subiendo y bajando. Mais do que o realismo, às vezes é mesmo a realidade que é mágica.”

                        Rui Rocha in http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt

Devo confessar a minha pecha. Divirto-me imenso com a imprensa cor de rosa do país vizinho e considero a Hola! o seu expoente máximo. Nela tudo tem uma explicação, desde os divórcios, aos casamentos ou à viuvez.
Por supuesto las viudas lhoran pero no renuncian al amor. Fue lo que hacio Isabel Presley, que depois do divórcio de um ex jogador de futebol que se tornou cantor - Julio Iglesias - se foi sucessivamente casando e divorciando, até chegar a Miguel Boyer, um ministro e homem importante na vida financeira e política de Espanha.
Faltava-lhe passar para a área da cultura internacional. O que conseguiu após ter enviuvado e cativado o coração de um Premio Nobel da Literatura, Vargas Llosa. Facto que deu algum brado e sururu por parte da ainda sua mulher e da elite do seu país de origem, o Perú, que viram neste amor tardio do octogenário, um risco para o destino das suas obras e para os direitos de autor.
Já com Cela, também escritor, se tinha passado algo semelhante e quer a primeira mulher quer o filho ainda andam em tribunais. Quem é que disse que o amor tem idade e que os intelectuais se comportam como se o fossem?!

HSC

22 comentários:

Sérgio S disse...

Como diria um grande intelectual do Peru, mesmo o maior dos intelectuais, mesmo o mais bravo dos guerreiro, perante uma mulher, se tornado num mero pató.

TERESA PERALTA disse...

Só assim partilham a eterna juventude, fazendo jus ao pensamento que se diz ser de Jeanne Moreau:
"A idade não nos protege contra o amor, mas o amor protege-nos contra a idade".

Beijinho querida Helena, e nunca se esqueça de continuar assim: linda de verdade!… :) :)

Maria do Porto disse...

Também eu leio a Hola desde pequena porque a minha Mãe era assinante e agora é uma minha irmã. Aliás aprendi a falar correctamente castelhano com esta revista. Sendo assim estou mais ou menos a par de algumas "vidas" e pessoas de nuestros hermanos. As de cá não compro, nem sei quem é o nosso jetset. Há novelas atrás de novelas, que não vejo e sempre "estrelas" a pulular sem jeito.
Mas voltando ao tema, é verdade que o amor não tem idade, mas o exemplo apontado, da Isabel Preysler e de Vargas Llosa, francamente não é o mais adequado.
São uniões baseadas no interesse, seja ele económico, de mais protagonismo e outros. Muito artificialismo, muito estudado, muito calculado. Basta conhecer o passado da dita senhora... :-)
Mas é bonito ver um casal apaixonar-se a sério, nestas idades. É o carinho, a compreensão, a maturidade e a compreensão de um pelo outro. Gosto e conheço felizmente alguns casos, onde só o olhar e o sorriso dizem tudo.
Bjs

Anónimo disse...

🌹🌹🌹

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Maria do Porto
O exemplo que escolhi é justamente para ilustrar o que a Maria disse.
Há uma idade para tudo. E os 80 anos não serão exactamente a idade mais adequada à paixão. Ou já estamos apaixonados ou então convém pensar várias vezes antes de nos metermos nessa!

Helena Sacadura Cabral disse...

Ai! Sergio que pató tão inteligente...

Helena Sacadura Cabral disse...

Caros comentadores
Sei que a paixão pode bater à porta em qualquer idade. Sei, por experiência, que até se pode tardiamente descobrir essa felicidade, numa idade em que já não se pensa que tal aconteça.
E é por o saber que estranho a necessidade deste casal - ele em particular - expor o "amor/paixão" que sentirão um pelo outro.
Ao que sei, a senhora não tem modo de vida e LLosa ainda tem responsabilidades familiares com uma mulher - a segunda - que é um icon no Perú.
Logo, aconselharia o bom senso, creio, que vivessem a sua "estoria" com alguma privacidade. É que a falta de senso aos 80 anos é muito triste!

CF disse...

Não vivemos o amor todos da mesma forma, acho... Há os que precisam de o gritar aos sete ventos, como se de outra forma não o vivessem... Há os do recato e de casa... Na questão das idades, tudo me faz sentido, desde que seja verdadeiro, é exactamente como na questão de géneros... Só não me faz lá grande lógica os que só vivem debaixo dos holofotes, e menos ainda os que vivem à luz de um interesse. Mas a esses, não costumo chamar amor, acho que nem lhe chamo nome algum...

Beijinho, Helena.

Anónimo disse...

Amor não tem idade...e anda sempre no ar.

:-)

Anónimo disse...

Essa mulher tá cada vez mais nova... tão nova que qq dia volta a ter acne!

Anónimo disse...

!Hola!
Asì funciona el Amor
http://youtu.be/yvdBjnBFenQ
Paco

TERESA PERALTA disse...


Confesso que nem sabia dos meandros desta nova relação. Sendo assim, a Helena tem toda a razão.
De jovem passará certamente a adulto, repensando a Cultura Contemporânea, que denominou de "Civilização do Espectáculo" e que tanto apregoou como errada, apalhaçada, desprovida de moral, e da qual se tornou um perfeito representante.
Beijinho :) ate amanhã.

Fatyly disse...

Não critico e até fico feliz por serem felizes, mas para mim o casa/descasa...deve ser cá uma "cânsêeera":)

Um bom dia sorridente

Madalena Ferreira disse...

Olá!

Dra.Helena, será que existe amor?

O gostar de alguém, para mim nem sempre é amor!
Neste caso, será tudo menos isso!!!

Boa semana, um grande abraço,

Anónimo disse...

E quem não se lembra do casamento de Jacqueline Kennedy/Aristóteles Onassis? O amor (dinheiro) vence tudo...Especialmente quando uma das partes rondam os "oitenta"...

Anónimo disse...


Helena
Ontem, no mercado das antiguidades de Azeitão, vi um casal ela trinta e poucos ele 55/56 charmoso, questionei-me pai/filha, marido/mulher, logo surgiram os abraços ,beijos apaixonados que deram certeza à minha dúvida. Porque será que só se apaixonam por homens velhos e com dinheiro? O mais velhos com vida económica média/baixa não os vejo com mulheres novas. Conheço um medico de 65 anos está casado com uma brasileira de 30 e picos, sendo ele um homem inteligente( com livros publicados ) não vê que ela só o quer para usufruir da sua situação económica. Costumo ir à sua clinica, a brasileira já assegurou o futuro, uma menina de 15 meses faz as delicias do papá.
O amor não escolhe idades, mas o dinheiro escolhe.
Vi, em Azeitão Rui Rio com a familia.

Carla

Anónimo disse...

Amor com o 33 - Assunto para tratar com pinças.
Muito feio uma ex namorada (F Câncio) vir á praça pública dizer cobras e lagartos...coisa de pasquim.
Mas praça é praça.
Lídia

Anónimo disse...

Não é amor,só desamor .
http://expresso.sapo.pt/blogues/Telegramasdasadalimpa/2015-09-12-Sete-coisas-que-so-nos-e-que-vimos-na-foto-de-Socrates--e-uma-que-ainda-estamos-a-investigar-
José Gonçalves

Helena Sacadura Cabral disse...

CF
É verdade, sim, que não vivemos todos o amor da mesma forma. Mas, confesso, julgo que o amor precisa, naquilo que tem de mais íntimo, de alguma privacidade, de algo que só a dois pertence.
Quando começamos a torna-lo público, a exibi-lo, parece que há um elo que se quebra e fazemos entrar nesse amor quem não devia lá estar.
E estou consigo no que respeita ao amor sob as luzes dos holofotes. Tão lamentável!
Beijo

Anónimo disse...

Qualquer semelhança com o Zé Nuno Pinto da Costa e a brasileira é pura coincidência.As do Zé Nuno têm idade de filha.

Luís Vieira

Anónimo disse...

Sinceramente, quem somos nós para acharmos que sabemos alguma coisa dos outros?... se tantas vezes nem de nós sabemos... O que quer que os mova, espero que sejam felizes, e só, e que valha a pena, que os anos avançados deste senhor sejam enriquecidos com risadas joviais, quiçá alegria, ou cuidados ternos, presentes dados, trocas de favores, o que quer que seja, talvez tomar o pequeno almoço olhando uma mulher bela, talvez uma mão macia e um terno beijo à noite, porque não? porquê falta de bom senso? bom senso é o amor!!!... holofotes? para alguns são inevitáveis! que pintem os dias com as cores que imaginaram sejam elas quais forem. Não os conheço, não sei o que move cada um deles.

Anónimo disse...

Amor não tem idade...nem juízo!

:-)))