sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O retorno

Judite de Sousa voltou ontem ao ecrã da TVI, com uma entrevista a Cristiano Ronaldo. As marcas da dor pela qual passou - e passa - estão bem visíveis. Não no rosto, ou no vestuário, impecáveis. Mas no olhar e na voz porque, esses, não há tecnologia que disfarce. Pelo contrário, intensifica-os.
Nunca escondi a minha admiração por Cristiano Ronaldo. Pelo homem que veio menino sozinho para Lisboa traçar o seu futuro, pelo desportista que fez mais pelo nome de Portugal do que muitos "emproados" que a tal se outorgam e pelo chefe de família em que se transformou. Mas, sobretudo, por esse orgulho de ser quem é, de ser português e de nunca renegar as suas origens. Não é pouco, no mundo actual. O resto são floreados.
A primeira parte da longa entrevista referiu-se, sobretudo, à vida profissional. Não sendo especialista na matéria, julgo que Cristiano respondeu sabiamente às perguntas que lhe foram feitas. Já não é, mais, o jovem que cometeu alguns erros. É um homem que soube tirar deles as devidas lições e que os não nega. 
Tocou, aliás, numa matéria muito importante: a ideia que cada um tem de si próprio. Para dizer que precisa de se considerar o melhor para fazer o que faz, mas que isso não implica que ele seja o melhor. Só esta resposta merecia, por si só, uma entrevista. A ele Cristiano e a muitos de nós.
Judite esteve bem. Triste, mas boa profissional. Hoje veremos, ao que sei, a parte afectiva e familiar do nosso craque. Da qual falarei amanhã, se a matéria o justificar.
Mas dei por bem empregue o tempo que passei junto ao televisor. É que a conversa valeu muito mais do que os medíocres debates televisivos a que, por norma, estamos sujeitos.

HSC

24 comentários:

Virginia disse...


Estou 100% de acordo. Penso que Ronaldo é um Homem, um desportista, um patriota, um produto genuino da nossa terra com raízes insulares, mas com laços fortes ao Portugal continental onde aprendeu a jogar.
Não acho que nada do que ganhou lhe tenha subido à cabeça, a sua simplicidade - sobretudo no modo de falar - é total, mesmo que a aparência por vezes o traia, dado que ele próprio é foco de publicidade e atenção de milhões se não de biliões e tem de manter a aparência.
Fico orgulhosa de o ver receber prémios atrás de prémios sem alarde, mas com um brilhozinho nos olhos.

Quanto a Judite, só se foi abaixo no início quando disse que Ronaldo tinha 29 anos - e certamente pensou na promessa que o seu filho representava aos 29 anos ainda há dois meses atrás.
A vida é cruel, a morte é estúpida e vil, mas Judite mostrou estar à altura. Tenho a certeza de que vai encontrar na sua profissão - em que é tão boa como o/as melhores - um consolo e refúgio para a sua imensa dor.

Palmas para os dois vencedores, cada um na sua grande área!

Observador disse...

Estimada Helena
Sobre Cristiano Ronaldo, pouco a dizer que já não tenha dito. Os meus créditos para com o madeirense, são feitos pontualmente.
Esteve bem. Era de esperar de quem pediu a entrevista. Sim porque foi ele a pedir a Judite de Sousa que o entrevistasse.
Terá contribuído, com este gesto, para 'puxar' pela Judite? Não tenho dúvida em dizer que sim. O que por si é já um louvor.

Quanto a Judite, nota-se que está, ainda, sob o efeito do luto. O que se aceita sem condicionantes.
A profissional esteve lá. O ser humano surgiu naturalmente abalado.
Não é habitual ver Judite tremer. Na entrevista, aconteceu, mais que uma vez. E quando Judite questionou Ronaldo sobre o que o fez chorar quando recebeu o prémio de 'a bota de ouro', depois de ver o seu filhote correr para ele e abraçá-lo, foi perceptível na jornalista um incómodo que se mostrou por um quase abanar da cabeçae um piscar de olhos inusitado.

Estão de parabéns, os dois. Judite pelo regresso, Ronaldo pela atitude.

Os meus cumprimentos.

Um Jeito Manso disse...

Olá Helena,

Também vi (parte da) entrevista e também concordo. Sou neutra em relação a Cristiano Ronaldo embora lhe reconheça o talento futebolístico mas, da parte que vi, apreciei a sua auto-confiança que é, sem dúvida, parte de uma vida bem sucedida.

Quanto à Judite, ao vê-la, tentando seguir em frente, e, à medida que a entrevista ia decorrendo, quase voltando ao tom afável e empático do costume, lembrei-me de si, da sua força.

A vida continua, o trabalho salva e quem tem fibra consegue erguer-se e seguir em frente. Mas não deve ser fácil fazê-lo com as câmaras apontadas ao rosto.

Também escrevi sobre isto lá no meu canto:

http://umjeitomanso.blogspot.pt/2014/08/judite-de-sousa-entrevista-cristiano.html

e fi-lo, sobretudo, para realçar a força exemplar das mães corajosas que, mesmo amputadas, se levantam e sorriem.

Um abraço, Bárbara Helena.

Anónimo disse...

Boa tarde Dra Helena,muito me apraz hoje este seu post.
Vi com extrema emoção o regresso de uma mãe á sua profissão depois da mais dura e cruel provação a que um ser humano pode passar.
Judite Sousa foi Grande no seu sorriso mesmo com o coração sangrando.Faz-me acreditar que é possível o impossível ...superar a morte de quem mais amamos.
Só desejo que Deus a abençõe e guarde o seu André.

Quanto ao Cristiano - obra de D.Dolores - está á vista mais uma vez o seu carisma.
Fico contente por finalmente o verem com um outro olhar.
É uma luta hercúlea que trava constantemente dentro de campo e fora com as coisas tão pequeninas a que foi sujeito nos média e não só.

E porque um momento nobre em televisão é de louvar,o meu agradecimento e reconhecimento a Judite Sousa,a Cristiano,á TVI e a todos aqueles capazes de dar a mão ao próximo.

A si,cara Dra Helena,- o "seu cromo" da bola -,ofereço o sorriso do meu coração por mostrar que o "futebol"também tem momentos mágicos.
Bem haja!

Alguém

Anónimo disse...


Helena,
a Judite continua bonita, elegante, mas o sofrimento atroz com que se debate não se consegue esconder, é bem visivel.
Todavia, foi de uma grande coragem ter começado a trabalhar, como ela disse e bem " O trabalho salva-nos".
O Ronaldo está mais adulto, gostei do que ouvi.
Admiro pessoas que se fazem por elas próprias, não esquecem as origens e familia.
A sua frase foi de uma sabedoria tremenda, aqui reside o caminho para o sucesso profissional. Chama-se a isto auto-estima, segurança, valorização pessoal, só assim conseguimos vencer!!
Em tempos ouvi dizer que os atletas de alta competição são seguidos por psicoterapeutas, o que importa é que cresceu e muito.

Muito bom!!

«Para dizer que precisa de se considerar o melhor para fazer o que faz, mas que isso não implica que ele seja o melhor»

BFS
Carla

olinda silva disse...

Cara Helena,
Também gostei muito da entrevista, e o nó que a Judite tinha na garganta fez-me soltar umas lágrimas. E hoje soube pelo facebook da Rita Ferro Rodrigues, isto: "Foi Cristiano Ronaldo que desafiou Judite de Sousa para esta entrevista.
Que coisa bonita e que demonstra tanta sensibilidade e grandeza de carácter .
Eu como mulher e mãe, agradeço -lhe muito .
Ronaldo não precisava de dar esta entrevista ... Tem milhões de solicitações ....mas pediu a Judite para o entrevistar. Pediu -lhe para regressar . Não lhe permitiu um não .
É, simbolicamente , das coisas mais bonitas que vi acontecer, entre dois portugueses, de grande nível .Muito comovente e inspirador.
Ronaldo , o melhor do mundo ."
Ainda fiquei mais agradada.
Um beijinho para a senhora.

Anónimo disse...

Grande momento.E Eusébio tenho a certeza que gostaria de aplaudir.Caso para dizer - Avé Maria!
Como tal aqui fica http://youtu.be/pwp1CH5R-w4 como homenagem um cantor lírico que tanto apreciava.
Obrigado!
:-)

rosaamarela disse...

Ouvi hoje que foi ele que se ofereceu para a entrevista, caramba o rapaz tem caracter e ainda ganha premios.




Fatyly disse...

Por várias vezes e ao longo de anos sempre disse que não gostava de Judite de Sousa. Quando digo isto sobre quem quer que seja, mediático, político, atleta etc., é apenas PROFISSIONALMENTE e nunca como o "SER HUMANO" que é.

Seria hipócrita se agora dissesse o contrário...só porque...mas vi a entrevista mais pelo Ronaldo que admiro, embora não seja fã de futebol. Tinha anotado a frase que realça.

Vi uma Judite muito abatida mas com a coragem que lhe é característica de voltar ao trabalho, o que não é nada fácil daí o meu maior respeito por ela e por todos que perdem os seus filhos...como a minha mãe que ficou/ficámos sem o nosso João com 21 anos!

Assim pudessem pais e mães que perderam os filhos voltarem a trabalhar, mas em dois casos bem recentes, que conheço...pois...o trabalho fechou portas, mas não estão a baixar os braços!!!!

Um abraço Dª. Helena

Madalena Amaral disse...

Cem por cento de acordo!

Anónimo disse...

Olá dra boa tarde!
Que entrevista arrepiante.Dou a Ronaldo a terceira bola de ouro.O que Sir Alex Ferguson fez com ele quando lhe faleceu o pai,ele agora fez com a dra Judite Sousa.
Muito bom!
E depois de ganhar a bola de ouro,o melhor da Europa não é chamado á Seleção!
Força e coragem para todos nos momentos difíceis.
Kkkkkkk

Isabel Mouzinho disse...

Não partilho a sua enorme admiração por Cristiano Ronaldo, a quem reconheço valor, naturalmente, mas que me pareceu sempre, também, algo arrogante. Mas, até nisso, está bem melhor. Provavelmente porque amadureceu e a idade ajuda-nos a relativizar as coisas. Todas.
E, no entanto, concordo com o que diz aqui, Helena. Eu assisti à entrevista inteirinha (estou agora a ver a segunda parte); e gostei.
Quanto a Judite, é impossível não nos sentirmos tocados pela sua dor, como pela sua coragem. Daquelas que só quem vive pode saber.

Um abraço enorme, Helena!
(Gosto muito de si, já sabe...)

bea disse...

Propositadamente, não vi a entrevista. Não consigo pensar em olhar Judite de Sousa e dar por mim a esmiuçar o que nela é desgosto, mesmo que por bem querer, esse olhar - o meu - parece-me devassante, agasta-me, arranha-me o âmago. Cristiano Ronaldo é um fenómeno mundial, mas não me empolga; no entanto, a atitude ficou-lhe bem.

maria isabel disse...

Estou de acordo com a comentadora Bea:
Não vi a entrevista,porque falar de futebol não me interessa e ver um rosto triste a voltar ao trabalho também não tenho curiosidade.
Parabéns ao Ronaldo,porque ganhou outro prémio e um forte abraço Para a Judite e para todas as mães que depois de passar por uma dor imensa, tenham força para seguir a sua vida, com um buraco tão grande na alma que não há remendo que o tape.

Maria do Porto disse...

Vi um jogador mais maduro e assertivo e uma mulher muito frágil e sofrida.
Espero sinceramente que o trabalho a ajude a aliviar este sofrimento que será eterno...

Anónimo disse...

Bom dia, querida dra Helena:

Pareceu-me fragilizada (como é obvio) mas também acho que esteve muito bem.

Beijinhos,
Vânia

rosaamarela disse...

Ontem vi a 2 parte, ela mt fragilizada, mas aguentou-se, ele bem e pareceu me mt franco e a vontade em todas as respostas gosto mt que ele use o termo " a nossa familia "

Anónimo disse...

É por actos destes que se vê o Valor dos seres humanos.
Um bom sábado
MFK

Anónimo disse...

Mais uma pérola das suas...
Fátima

Antonieta Barona disse...

Emocionei-me várias vezes durante a entrevista.
Não sendo grande apreciadora do estilo Ronaldo, gostei muito de constactar no homem em que se transformou.
Como mãe não deixei de me colocar no lugar da Judite de Sousa e achei que esteve muito controlada e profissional no seu grande desgosto.
Gostei muito de ver a entrevista.

Ailime disse...

Sra. Dra. Helena, boa noite,
Se me da licença assino por baixo.
Comungo inteiramente da sua opinião, pois se fiquei feliz por ver regressar ao trabalho Judite de Sousa, fiquei deslumbrada com a maturidade e inteligência de Ronaldo.
Um beijinho.
Ailime

Anónimo disse...

De salientar a maturidade adquirida de Cristiano Ronaldo, excelente! Pode servir de exemplo para alguns políticos da nossa praça. Judite de Sousa, de admirar a sua força de vontade em superar o seu drama, com um esforço sobrenatural. Ambos estão de parabéns!

José Pinho disse...

A classe da entrevistadora e a maturidade do entrevistado: um resultado brilhante.
Pena que Judite tenha querido entrar na vida privada de Cristiano esquecendo-se que, no momento trágico que passou, pediu respeito pela sua privacidade.
Ficava-lhe bem ter respeitado a privacidade de Cristiano Ronaldo.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Helenamiga

Embora venha um tanto atrasado, tenho de te dizer que a segunda parte da entrevista foi igual à primeira. Conheci Cristiano quando ele veio da Madeira para o meu Sporting, e só posso dizer: como ele cresceu!

Conheci a Judite quando ela veio do Porto durante a Guerra no Golfo. Trabalhámos juntos, pois eu comentava. Agora apenas posso dizer-lhe que estou com ela. Ponto

Qjs