quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Emídio Rangel


O jornalista Emídio Rangel faleceu hoje, vítima de cancro. Estava há já alguns meses a fazer tratamento e a reincidência da doença foi assumida publicamente pelo próprio em abril deste ano, em declarações à revista "Flash!". "É muito duro lidar com esta situação outra vez. É outra vez um cancro na bexiga", confirmou então o antigo diretor da SIC, numa alusão ao cancro que tinha conseguido ultrapassar há sensivelmente dez anos. 
O combate à doença fez com que Emídio Rangel se tivesse afastado do espaço mediático no último ano, depois de ter deixado de ser comentador político na RTP Informação. Desde aí, as últimas informações profissionais que tornou públicas foram o cargo de consultor do canal Afro Music Network para os países lusófonos, que aceitou no final de 2013. 
A sua carreira profissional foi iniciada em Angola - país onde nasceu -, como jornalista na Rádio Club de Huíla. Haviam de suceder-se cargos vários em que o reconhecimento pelo seu trabalho lhe valeria o convite de Francisco Pinto Balsemão para assumir a direção de informação da SIC, o primeiro canal privado de televisão em Portugal, que a Impresa se preparava para lançar. 
A liderança absoluta de audiências da SIC durante quase uma década foi uma das grandes coroas profissionais de Rangel. Mas o crescimento da TVI no virar do milénio, com o fenómeno Big Brother a potenciar o sucesso da aposta nas telenovelas portuguesas, viria a quebrar esse ciclo. E pouco depois, Rangel acabaria também por deixar a SIC. 
Depois de sair da estação, aceitou em 2001 o convite para o cargo de diretor-geral da RTP. Mas não ficou muito tempo na empresa pública e em 2002, negociou a sua saída da empresa. 
Em 2008 esteve ligado - com um grupo de outros profissionais que incluía Carlos Pinto Coelho - ao projecto de criação de um novo canal de televisão de sinal aberto, a Telecinco, onde estava previsto que assumisse o cargo de diretor. O projecto acabou, no entanto, inviabilizado com o chumbo da Entidade Reguladora para a Comunicação Social aos dois projetos a concurso. 
A última iniciativa nos media em que esteve publicamente envolvido foi a tentativa de criação de um novo grupo de comunicação com o antigo administrador da PT, Rui Pedro Soares. 

Trabalhei com Emídio Rangel, quando da estreia da SIC, com um programa de entrevistas chamado "Segredos". Guardo dessa época uma grata recordação.
Rangel era um homem polémico mas competente. Encarou a doença com uma enorme dignidade e, confesso, fui apanhada de surpresa com a notícia da sua morte. A televisão nacional perde alguem que sabia do seu ofício.

HSC


4 comentários:

Observador disse...

Quando se fizer a história do jornalismo em Portugal, Emídio Rangel vai ter um lugar de destaque.
É bom lembrar que Rangel foi um dos fundadores da TSF.

Deixou de sofrer. Que descanse em paz.

Anónimo disse...

Que descanse em paz.Infelizmente várias pessoas de família partiram por causa de cancro,um irmão Jorge e sobrinha Magda,pai e filha que tive o enorme gosto em conheçer.E deixaram uma saudade enorme.
Um abraço sentido a toda a família.
Deus os guarde.

Fatyly disse...

Nunca mais esqueci o seu programa "Nocturno" como locutor da Rádio Comercial de Angola. Um bonitão!

Deixou de sofrer e que descanse em paz!

Anónimo disse...

Linda homenagem,sentidas palavras de José Alberto Carvalho.

«Amigos

Partilho aqui o texto que rascunhei esta manhã para ler numa circunstância particularmente dolorosa. Espero que quem gosta e foi tocado, seja de que maneira for, se possa sentir representado nestas breves palavras. Nenhuma vida cabe nas quatro tábuas de um caixão. A dele já não cabia no mundo. Não pode deixar de ser, portanto, um breviário incompleto e precipitado. Foi o que consegui... perante o pedido irrecusável da Ana e do Rui.

Obrigado Emídio

Por estranha mas óbvia movimentação cósmica a Lua ficou hoje mais longe. No entanto não desapareceu! Irei procurá-la mais logo...

Quem está aqui hoje tocou nela, porque tu nos inspiraste a fazê-lo. Deste-nos forças e talentos que desconhecíamos. Foste um criador, um inventor, um escultor, um lutador, um sonhador. E, como diz a música, acreditavas que não eras o único. Obrigado por nos teres ajudado a sonhar. E, mais do que isso, por nos teres ensinado a sonhar!

Estamos hoje aqui filhas, irmãos, sobrinhos, primos, tios, camaradas, homens e mulheres, novos e velhos. "Companheiros" como tu gostavas de dizer.

Estão aqui pessoas. De várias raças e cada um com a sua própria história.

Mas a história de nenhum de nós seria o que é sem a tua inspiração.

De ti, levo inúmeras lições.

E cada um de nós, acredito, leva a tua própria história.

Contigo aprendi , aprendemos! Tanto!

Para mim e uma vez que me foi pedido este testemunho difícil que é quebrar as tábuas deste caixão, quero lembrar a tua grandiosidade, a tua generosidade, o teu génio e coragem. Isso sim, é o que vale a pena recordar. E não as coisas mesquinhas, os momentos dolorosos em que também sofreste e fizeste sofrer. O tempo faz justiça aos justos.

E tu provaste essa agonia. Muitas vezes - ironia! - as notícias disseram coisas a teu respeito. Na maioria dos casos por sentimentos menores e mesquinhos e pela tentação mórbida que os humanos têm de apoucar os que ousam ser diferentes, os inconformados, os que não se ficam... Os que não se deixam levar.

Contudo, Emidio, contigo aprendi que não vale a pena querer ser exemplar. Não! Ninguém é exemplar!!! Mas vale a pena batalhar em nome de um exemplo, de uma ideia, de uma paixão; em nome de uma multidão, de um exército ou de um simples soldado de trincheira. E em nome de um filho, um amigo, uma mulher, um camarada, mesmo o mais anónimo dos indigentes.

E o teu exemplo de generosidade e de paixão perdurará. Comigo, irá perdurar até ao dia da minha própria morte.

Nos últimos dias todos sublinharam a tua importância para o jornalismo. Fizeste dele um sítio melhor. Não, nesta profissão, ainda não encontrámos o paraíso. Mas sabemos o caminho. E sabemos que nunca o alcançaremos, mas é preciso fazer o caminho.

Como jornalista e como homem obrigado ainda por me ajudares a acordar cada dia com vontade de abraçar o desconhecido; de estar disponível para tudo, incluindo - e sobretudo - aquilo que não sei.

Essa disponibilidade para o novo, para o impossível é a tua grande inscrição nos nossos corações e nas nossas vidas. E a paixão que colocaste em tudo, tudo, o que fazias.

Estás em nós.

Nós vamos levar-te connosco, meu irmão, meu amigo, meu pai, minha fonte de inspiração sabendo que nunca seremos como tu. Sabes... És como as notícias: não há duas iguais. E isso é maravilhoso.

Agora, companheiro, espero e desejo que descanses em paz.

Até sempre».

Obrigado José A Carvalho