domingo, 6 de julho de 2014

A Alice e os seus dois Mários


Fui muito amiga do Mario Castrim e a ele devo uma parte da coragem que tive de me atirar à escrita. Conhecia a Alice Vieira, mas o elo forte era com o marido, uma pessoa de carácter, um católico praticante e um comunista sério.
Quando o Mario morreu eu recebi uma parte da sua herança: a Alice e a Catarina, filha de ambos, cujos dotes de escrita bem mereciam ser mais conhecidos. E, cofesso, este "lote" que me coube foi o melhor património que ele me podia ter deixado. Foi, então, que "descobri" a AlIce, o seu talento, o seu enorme coração e alegria de viver.
Anos decorridos sobre a sua viuvez, ela havia de encontrar um outro Mário - que, por acaso do destino, havia antes namorado - e apaixonar-se de novo. Os amigos ficaram contentes e, aos poucos. foram-se afeiçoando a ele. Foi o meu caso que gosto de histórias românticas e de segundas oportunidades. 
Sexta feira o seu núcleo de amigos indefectíveis - passávamos de vinte - lá estava com ela, na maior alegria, a festejar os anos do Mário. 
Ambos merecem a felicidade de que disfrutam. E dá gosto ver o prazer com que a sabem partilhar. Eu fui das eleitas. E, posso garantir-vos, muito poucas coisas me dariam tanto gosto como este jantar!

HSC

13 comentários:

Isabel Mouzinho disse...

Também adoro uma boa história de amor (eu que sou uma romântica incorrigível) e há pessoas com percursos fantásticos.

Não conheço a Alice pessoalmente, mas se a Helena diz, é porque é; e por isso estou certa de que será um prazer partilhar a felicidade do Mário e da Alice.

Beijinho

TERESA PERALTA disse...

Querida e fiel Helena
Um caso para dizer: As voltas que o amor dá!!....
Parabéns ao Mário, à Alice e também à Helena, por ser que é...
Beijinho e abraços grandes.

Virginia disse...

Recebi um prémio no Diário de Lisboa Juvenil das mãos do Mário Castrim. Confesso que adorava as suas crónicas de TV. Tinha imenso humor.
O que não compreendo é como é que se pode ser católico praticante e comunista. Então os comunistas não são Marxistas? Para eles não há Deus!!
Não que me importe com isso, cada um sabe de si...

Manuela Inês Niza disse...

Eu par contre, fui "adoptada" pela a Alice. A alice que eu admirava de Chocolate è Chuva e de tantas irmãs chamadas Rosa!!! Cresceu a amizade e fui uma das privilegiadas dessa sexta feira. O Mário I não conheci para além das linhas lidas. o MárioII esse sim .É é lindo, tão lindo quando se ouve uma bela e sentida declaração de amor como a que assistimos na sexta-feira!!! Aos dois as maiores felicidades. Mas que digo eu? as maiores já eles têm. Aos dois mais 120 anos de felicidade!!!
Manuela Niza

Fatyly disse...

Não os conheço e como tal respeito e desejo que sejam muito felizes.

patricio branco disse...

nunca li a alice vieira, mas sempre que vejo algo sobre ela sinto curiosidade em a ler...

Defreitas disse...

A Virgínia: E se a pergunta fosse, por exemplo: "Como se pode ser fascista, como Pinochet, Franco, Mussolini e muitos outros e ir a missa todos dias ?

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Querida Helenamiga

A "minha" Alice é tão minha Amiga que até esteve nas nossas Bodas de Oiro (depois, envio-te uma foto). Vem a nossa casa diz ela para comer os picantes da Raquel.

É uma Jornalista fabulástica, como sabes; e uma Escritora do melhor que temos (ambas com caixa alta). Gosto muitíssimo dela e a Raquel também.

E a estória dos dois Mários é uma delícia. Mas, vou puxar as orelhas à minha (in)subordinada para a festa de anos do II...

Qjs

Anónimo disse...

O título do seu blogue fez-me lembrar uma obra do Jorge Amado. Mas o conteúdo é bem diferente...

Anónimo disse...

E neste momento estou a vê-la e a escutá-la na RTP 2 no programa - Tanto para conversar.
Felicidades e longa vida com saúde e amor do seu Mário.
Bem haja!
Fátima

Anónimo disse...

Mágica, a escrita de Alice Vieira.

Pouco conhecida, creio. infelizmente!

Permita-me dois exemplos,ao acaso dos meus arquivos, no pc, HSC. Agradecido. Cumprimentos.

***


Pois é. Eu escrevo cartas. À mão. Com caneta. Com tinta. E – o que ainda torna tudo muito pior – gosto muito.

[…]

O prazer de tocar no papel, de sentir o aparo deslizar, de saborear as palavras que se vão alinhando, o prazer de escrever cartas de amor ridículas, cartas de adeus desesperadas, cartas banais da pequena intriga familiar, cartas enormes como as que escrevíamos na nossa adolescência, quando os amigos nos faziam tanta falta e os dias eram desmesuradamente grandes.

E olho para as prateleiras da estante, com aqueles volumes de correspondência de escritores, que sabe tão bem ler, e penso que tudo isso vai acabar também, e as cartas, e os selos, e os bilhetes postais, e os marcos-de-correio-de-portinha-ao-centro, e as canetas e os tinteiros vão transformar-se muito rapidamente em peças de museu para mostrarmos aos netos dizendo «a avó ainda usou isto», e eles a olharem para nós e a não acreditar.


Alice Vieira, “Peças de Museu”

Anónimo disse...

(por exceder o n.º de caracteres, agora, o Poema. peço perdão, mas não sei fazer a devida formatação.).

***

até pode ser que nem gostes muito destas palavras
nem de mim agora que os meus gestos
são tão diferentes
agora que recordas tanta coisa que eu esqueci
e ainda bem ninguém pode viver
com o peso do que ficou para trás
agora que os livros as canções as laranjeiras
ficaram para sempre naquele cenário de primavera
que fazia de nós todos o garantiam
presas tão fáceis

pressinto que hás-de culpar-me sempre
pelos anos que perdemos por becos ruas avenidas
esquecendo à toa aquilo
que só um ao outro deveríamos ter ensinado

talvez até tenhas razão mas eu chegara
àquele lugar da vida onde só se pode
amar para sempre e sem remédio
e de um dia para o outro a minha boca
desaprendeu disciplinadamente o sabor da tua
e os teus passos a tua voz o céu de paris
a janela sobre os telhados os domingos de sol
atravessaram as mais arrastadas fronteiras
e estabeleceram os seus limites do lado de lá
de todas as madrugadas que eram nossas

houve mesmo um tempo desculpa em que esqueci
as cartas os cigarros as fugas os recados
as canções as camélias o jardim
onde me esperavas às nove da manhã
a velha que nos olhava abanando a cabeça
entre estátuas decepadas e gatos vadios

talvez um dia quem sabe o destino
volte a ter novos contornos e nos olhe de frente
e ainda sobre tempo para reaprender a soletrar correctamente
todas as palavras que admitiam ter nascido
do teu corpo da tua voz do sabor da tua boca
tempo para povoar de novos sons os velhos discos de vinil
e sonhar com mundos à espera de serem salvos
pelas nossas palavras

tempo para nos olharmos e encontrarmos
sem remorsos
a maneira de nos perdermos de novo nos caminhos
que levam ao coração absoluto da terra

talvez um dia quem sabe eu volte
a faltar às aulas para esperar por ti



Alice Vieira, “12”, in Dois Corpos Tombando na Água


***

fatima MP disse...

Longa vida a Alice Vieira e ao seu amor, já que a vida precisa tanto de pessoas felizes e pessoas que saibam amar e fazer os outros felizes. E isto já não seria pouco. Mas ainda há os livros e as histórias deliciosas que generosamente nos tem oferecido. Parabéns, Alice!