domingo, 8 de junho de 2014

O que se diz por cá (4)


Ao sétimo dia, o Presidente falou. E fe-lo para lembrar lembrar que o preço a pagar por uma crise política, neste momento, seria "muito, muito elevado". Aconselha, por isso, "serenidade" aos vários actores políticos - a mensagem segue em várias direcções - e esclarece que, naquilo que depender de Belém, não haverá eleições antecipadas. Antes de mais, porque não encontra em Portugal um funcionamento das instituições nem mais nem menos regular que na generalidade dos países europeus.
Perante esse cenário, o PCP foi o primeiro a avançar, ao pedir uma audiência ao Presidente da República para levar a mensagem de que estaria em causa o regular funcionamento das instituições de soberania.
Para os que falavam em clima irrespirável entre os vários órgãos de soberania, o Presidente deixou o recado: "Se alguém pensa que está a pressionar-me, é melhor desistir, porque eu não cedo a nenhumas pressões venham elas de onde vierem, eu guio-me exclusivamente por aquilo que considero o superior interesse nacional". E garantiu que não será ele a fazer uso da bomba atómica.
"O Presidente da República nunca irá fazer qualquer ingerência" no espaço de acção dos partidos, até porque o executivo "responde politicamente perante a Assembleia da República".
A alternativa, dissolver a Assembleia - essa, sim, função do PR - é um cenário fora de questão. Numa palavra, eleições antes de tempo, nem pela mão do Presidente, nem (espera Cavaco) por iniciativa do governo.
Sobre a origem do actual momento político - o chumbo do TC -, Cavaco Silva não fala, "por respeito pelo principio constitucional da separação de poderes".


Se alguém pensava que o Presidente, no meio de uma crise no maior partido da oposição iria tomar a iniciativa de dizer mais do que disse, não conhece o Presidente nem a interpretação que ele faz do seu papel...

HSC

6 comentários:

Anónimo disse...

Exma. Senhora,

Que grande produção dominical.
Diria, que, está tão "pelos cabelos" como eu.

Desejo-lhe um almoço reconfortante!

Anónimo disse...

ah ah ah ...ao sétimo dia!!!...

Observador disse...

Com um Presidente que se tem mostrado tão frágil em determinadas circunstâncias, tudo se pode esperar, desde que não interfira com a sua simpatia partidária.
Ainda bem que Cavaco Silva não ser ele a usar a bomba atómica. Temo que nem com uma bomba nuclear o Presidente acerte ... em coisa nenhuma.

Com todo o respeito, apresento os meus cumprimentos, estimada Helena.

Anónimo disse...

sugiro 'o que se diz por cá (5)'
http://expresso.sapo.pt/contrasemantica=s25734

Cumprimentos

zia disse...

Tem graça a sua forma de separar facções...
Andam. os ditos políticos, a mostrarem o que na realidade são, uns grandes imaturos e sem o mínimo de consciência do que é ser cidadão consciente e responsável.
O Presidente foi a cereja no topo do bolo - país triste de se viver, mas há que dar graças pois ele é lindo, o povo simpático e o clima optimo...
Um abraço amigo, Zia

Anónimo disse...

ah ah ah. cabelo verde?!
Copiou a Maria José Valério e é do Sporting,ou então está verde das trapalhadas da política?!
Linda cor,fica lindo!
ah ah ah ...