domingo, 8 de junho de 2014

O que se diz por cá... (1)



Não tenho a certeza se Seguro vai ser passado e Costa futuro. Se me fizessem a pergunta antes da batalha do Vimeiro [Comissão Nacional], diria que a probabilidade de Costa conseguir conquistar o partido era bem mais elevada. O que se passou nesse dia foi uma mudança radical, uma inversão de marcha de Seguro, que passa de uma posição altamente defensiva para a de contra-atacante e faz das suas críticas a sua maior força. Alterou radicalmente a posição de ‘entrincheirado’ e passa a ter o poder de iniciativa política”.

A autora sublinha que não é partidária do PS mas sim “uma simpatizante da convergência à esquerda”, acrescentando que se apresentou apenas num evento socialista, a convite de António José Seguro, onde aproveitou para “expressar ideias”.

Começam as subtis declarações enquanto não se vislumbra para que lado cai o machado. Este é um dos aspectos menos aliciantes da política e seguramente um dos que afasta dela todos os que recusam tal tipo de manobras. Aliás, deve ser esta a razão pela qual tenho tanta dificuldade em entender os independentes nas listas partidárias. Independentes de quê e de quem?!

HSC

1 comentário:

Observador disse...

«O que se passou nesse dia foi uma mudança radical, uma inversão de marcha de Seguro, que passa de uma posição altamente defensiva para a de contra-atacante e faz das suas críticas a sua maior força. Alterou radicalmente a posição de ‘entrincheirado’ e passa a ter o poder de iniciativa política”».

Cuidado com o trânsito, até com o intestinal.