sexta-feira, 13 de junho de 2014

Na Feira


Sem orgulhos desmedidos, mas também sem sombra de falsa modéstia, devo ter sido uma das autoras - não sou escritora nem nunca deixei que de tal me apelidassem - que mais tempo passou na Feira. Estive lá nove dias, distribuindo-me diariamente por duas editoras, embora nos vinte e quatro anos que levo a publicar livros - e já publiquei vinte e um -, tivesse trabalhado com seis. E à excepção de uma delas, em todas fui bem tratada e de algumas fiquei, mesmo, amiga.
Muita gente me pergunta por que faço isto, que é bastante esgotante. Respondo sempre que devo isso aos meus leitores que, em lugar de comprarem uma vistosa peça de vestuário, preferem adquirir um livro meu. É deles que vivo - estaria menos bem, de certo, com a minha "vultuosa" ( é assim que costumam apelidá-la) pensão do Banco de Portugal - e, por isso, ouvi-los, conversar com eles ou dedicar-lhes um livro, é o mínimo que posso fazer pela gratidão que lhes devo.
Terminei oficialmente hoje. Os fãs deram-me churros, flores e até objectos. Um deles, com enorme deficiência física esperou, na sua cadeira de rodas, que eu lhe desse um sorriso. Dei-lhe um imenso abraço e comovi-me às lágrimas com a sua manifestação de apreço.
Vendi muito. Ganhei eu e as editoras. Mas a verdade, é que muito mais do que isso, foi aquilo aquilo que os outros me deram em estima pessoal. E que fez transbordar o meu coração!

HSC

5 comentários:

Isabel Mouzinho disse...

A Helena merece toda a estima que lhe dedicam e muito mais. E eu, que também passei por lá e tive o privilégio de lhe dar um abraço, pude testemunhar a sua generosidade, simpatia, boa disposição e "cercanía". Não conheço ninguém que não a admire, ou que não goste de si. E é fácil perceber porquê. É que a Helena é uma pessoa muito querida, daquelas que apetece encher de beijinhos, e um ser humano excepcional. Eu gosto muito de si!

xi-coração ;)

Isabel

Anónimo disse...

Parabéns Helena pelas vendas, já passei os olhos pelos seus livros gostei do que li, mas ainda não li nenhum.
Adoro ler, prefiro chegar ao fim de um livro e só depois comprar outro, entre ofertas tenho alguns pendentes... já admiro como pessoa creo que vou admirá-la como escritora, a sua personalidade fascina-me, gostava de ter um pouco de si.
Já pensou em escrever um post sobre como conseguiu ser a pessoa que é?
Penso que existem leitores que gostariam de ler o porque do seu positivísmo, frontalidade, força, transparência, coragem...
São tantos os adjetivos que me invoca.. passei por uma dor que me deixou fragilizada, perda de pai ,felizmente estou a recuperar com ajuda , não se recupera vamos aprendendo a viver com a dor,a ausência...fui batizada e crismada aos 38 anos, sempre fui crente hoje já não sei em que crer, sinto que fiquei zangada com a minha dor, procurei respostas algumas obtive, em relação à religião não...

Desejo-lhe um bom fim de semana

Carla

E.M. Valmonte disse...

Depois deste testemunho, acho que lhe devo agradecer. Pelo bom exemplo que deixa,pelo carácter e pela consideração que tem, por quem a lê. Sabe bem aos leitores, que os escritores/autores olhem de frente para eles.
Muito Obrigado.

Observador disse...

Quando se oferece estima, recebe-se estima.
Não tenho qualquer espécie de dúvida em afirmar que a estimada - cá está a estima - Helena, a distribui e em quantidades muito acima do normal.
Bem haja por isso.

Deixei passar a Feira do Livro sem lhe dedicar uma fracção de tempo. Este fim de semana, outros compromissos determinam (justificam?) a impossibilidade de lá ir.

Remeto-me à condição de observador que por controlo remoto acompanhou o evento.
Não estive lá, não 'consegui' dar-lhe o abraço que merece.

Para si, parabéns. Simplesmente parabéns.
Escreva, escreva, escreva, até que os dedos lhe doam.
A malta agradece.

Cumprimento-a, de longe. Not so far away like seems.

Anónimo disse...

Maria (publicamente anónima)
Dr.ª Helena! Ainda bem que a feira do livro correu bem para a Senhora. Eu como visitante e compradora adoro a feira do livro. Há muitos anos que não posso deixar de passar por lá mesmo que seja só uma ou duas vezes. Este ano foi particularmente feliz para mim, conseguir comprar o seu último livro, trazer comigo o seu autógrafo e o seu sorriso e boa disposição...foi mesmo muito bom. Obrigada.
Estou muito contente, andava um pouco ansiosa com receio de não conseguir passar por lá nos dias que a Drª Helena tinha marcado para autógrafos, mas felizmente consegui e fiquei muito contente. Desculpe o desabafo, mas pareço uma criança com um brinquedo novo. O seu último livro é uma verdadeira obra de arte, obrigada por escrever estas coisas bonitas. E também por partilhar um pouco a sua história de vida.
Beijinhos
Maria M