segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

O Acordo Ortográfico e a Assembleia


"No próximo dia 28 a Assembleia da República vai discutir a "Petição pela desvinculação de Portugal do Acordo Ortográfico de 1990". O qual era suposto ter entrado em vigor a 1 de Janeiro de 1994. Mas calma, ainda só passaram 10 anos. E se tudo não piorar nunca chegará a vigorar.
Não nos antecipemos porém. Primeiro faça-se uma declaração de interesses. Assim:
1) Apesar de não ser membro do Parlamento, também quero ser parte dessa discussão. Porque a Língua Portuguesa não é do Estado. Nem sequer só de Portugal.
2) Não sou nem pretendo ser imparcial nesta questão. Como sabe quem me lê, recuso-me a escrever segundo as pretensões da pretensa ortografia pretensamente nova.
3) Fui um dos primeiros subscritores contra o assim chamado “Acordo Ortográfico “ e editei mais do que um livro contra o dito cujo.
Entre 1712 e1720 foi publicado o primeiro grande inventário da nossa Língua  (o monumental “Vocabulário portuguez e latino”, de Rafael Bluteau). De então para cá tivemos, nomeadamente, a 1ª reforma ortográfica de 1911 e o 1° Acordo Ortográfico entre Brasil  e Portugal em 1931. Mas a língua é uma realidade dinâmica, pelo que a fixação das regras da sua sintaxe e da sua ortografia incumbe aos filólogos, às universidades e às academias. Já a fonética, o léxico e a semântica são aquilo que em cada momento os seus falantes decidirem."
              ( Paulo Teixeira Pinto no jornal Publico )
Todos os que me lêem sabem o que penso do Acordo Ortográfico. Espero que haja o bom senso que esta questão exige e que esta petição cumpra o seu objectivo!
HSC 

4 comentários:

Rafael S. disse...

Também sempre me opus a essa reles concordata sem grande sentido, todavia, por força académica, já interiorizei o Acordo.

Como eu, milhares de alunos já aprenderam as novas regras, milhares de crianças estão a aprender a escrever nesta nova moda que estragou a nossa língua.

Se voltarem atrás - coisa que apoiaria - muita gente vai ficar sem saber como escrever.

O mal maior já foi feito, esse não dá para apagar...

Isabel Mouzinho disse...

Já agora, a propósito: no Público de amanhã (25/02) sai um artigo de Maria Alzira Seixo sobre o AO. Mesmo sem o conhecer ainda, recomendo-o já e penso que ele deverá ser tão divulgado quanto possível.
Porque sei o que MAS pensa sobre este (des)acordo e porque é uma pessoa que sabe muito bem do que fala, sem qualquer tipo de desprimor para todas as outras opiniões, também muito válidas desde que argumentadas, naturalmente. :)

Sou visceralmente anti-acordo, porque prezo muito a língua portuguesa que tão maltratada anda...

TERESA PERALTA disse...

Estou ao seu lado, aguardando, convictamente, o "Ano da morte do novo Acordo Ortográfico"...



B. Nazareth disse...

Também sou anti Acordo Ortográfico e subscrevi a petição. O pior de facto vai ser para os estudantes que já estão "enfronhados" nestas regras e a desvinculação vai criar alguns problemas, se calhar de mais fácil resolução do que a adesão...