segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Reabertura de discussões sobre AO?

A senadora Ana Amélia Lemos defende a reabertura das discussões, entre todas as nações lusofonas, para a criação de um acordo que seja "fruto de um entendimento geral" e consensual em que nenhum dos países se sinta prejudicado.
Dois conceituados professores de língua portuguesa do Brasil reunir-se-ão, em novembro, em Lisboa, com representantes de Portugal, para avaliar a possibilidade de reabrir as discussões sobre o Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa, disse à Lusa fonte oficial brasileira.
De acordo com a parlamentar, o próximo passo será a reunião dos professores brasileiros Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto com os representantes portugueses para avaliar se há disposição em reabrir o debate sobre o acordo.
Em Portugal, por sua vez, existe uma petição na Assembleia da República, pedindo que o país se retire do Acordo.
Os representantes brasileiros pretendem também manter contactos directos com representantes dos demais países lusófonos atraves de um site na internet e de um sistema de videoconferência para divulgar e receber sugestões "simplificadoras"..
"O nosso objetivo é simplificar e facilitar o acordo", observou a senadora, acrescentando que a comissão do Senado brasileiro se preocupa com o facto de o acordo não ter sido de todo consensual e ter gerado insatisfação nos restantes países lusófonos, o que ficou demonstrado com o facto de Angola ter assinado, mas não ratificado o documento.
A senadora defende assim a reabertura das discussões, entre todas as nações lusófonas, para a criação de um acordo que seja "fruto de um entendimento geral" e consensual para que nenhum dos países se sinta prejudicado.

Haja, enfim, esperança para todos aqueles que, como eu, entendem este acordo como uma forma espúria de unificar a língua portuguesa.

HSC


8 comentários:

João Menéres disse...

Que não haja A. O. !


Melhores cumprimentos.

Luisa disse...

Sou professora de português e, sinceramente, tenho vontade de chorar cada vez que sou obrigada a ensiná-los a escrever com erros. Só espero que haja coragem para acabar com o maldito acordo assassino.
Luísa Moreira

rmg disse...


Há muita gente no mundo a falar e escrever o francês ou o castelhano , muitíssimos mais o inglês .

Nem todos os falam e escrevem da mesma maneira, muito pelo contrário, basta ver o cuidado que os franceses põem nos livros traduzidos do inglês com o seu aviso "traduit de l'anglais des États-Unis" , por exemplo .

E não me consta que essas enormes comunidades falantes se percam nestas bizarrias .

Até parece que não nos entendíamos e não nos líamos todos uns aos outros há centenas de anos antes disto ...

RuiMG

Anónimo disse...

Não mesmo!

Vânia Baptista

Anónimo disse...

O que quer dizer "espúria"?

Anónimo disse...

O A.O. deveria passar por não existir.
Continuo a escrever sem o dito AO e não tenciono começar a escrever com erros tão gritantes.
Quanto ás declarações da senadora brasileira, não me parece que tenham nada a ver com o AO, mas sim com um "passar a mão no pêlo" de Angola. aproveitando o mau-estar que se instalou com Portugal. Politiquices.
Beijinhos
Inês

Anónimo disse...

Ao Anónimo das 9,03
Quer dizer adulterado, falsificado, ...

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Anónimo das 15:06
Muito obrigada pela sua gentileza.
Eu não respondi ao Anónimo das 09:03 porque ele tem, de certeza, um dicionário onde poderia ter visto o significado da palavra. Se tem computador para fazer a pergunta, nesse mesmo computador, tem a resposta. Basta procurar...
Entendidos?