sábado, 10 de agosto de 2013

A consciência da idade

Não sei se foi do calamitoso calor que se fez sentir nos dois últimos dias ou se foi do facto de eu estar mais atenta ao que me rodeia - as férias também servem para isso, ao contrário do que muitos pensam -, a verdade é que dei comigo a pensar nas diversas maneiras como cada um encara a idade. E pensei sobretudo nas mulheres. Porque estas, por norma, entendem que pouco nada ganham com o passar dos anos, e porque talvez seja uma realidade que conheço melhor.
À partida começo por confessar que tenho dificuldade em compreender quem esconde a idade. Não considero que seja necessário badala-la de forma sistemática, mas não vejo qual seja o benefício de a não revelar, uma vez que, tal como a filiação consta de um documento público de identificação. Esconder qualquer delas parece-me um contra senso.
Dito isto, a consciência da idade desempenha um papel fundamental na nossa vida. O que se escreve, o que se diz, o que se pensa, a forma como nos olhamos depende de factores vários, cujo enquadramento específico é a nossa experiência vivida e, por isso, também a idade que então temos. Se assim é, porque será que tanta gente sente necessidade de a reduzir ou de a esconder? Alguma razão válida deve haver que eu não descortino.
Ao contrário, pugno para que cada uma de nós tenha consciência dos anos que tem e os enriqueça e embeleze. Que saiba valorizar-se física e intelectualmente, sem jamais cair na tentação ridícula de pretender fazer-se passar por quem já foi, vestindo-se e maquilhando-se em concorrência com as próprias filhas e submetendo-se ao vexame que tal situação sempre representa...

HSC

17 comentários:

João Menéres disse...

Quando era um jovem adolescente, cismava que não passaria dos 21 anos !
Quando fiz 22 anos,foi um alívio !...
Por volta dos 50, dei comigo a pensar que chegaria talvez aos 60 ou pouco mais.
Se Deus me der vida e saúde, para o ano entro nas oito décadas !
De espírito, julgo ser ainda um jovem.
Gosto de dar as minhas gargalhadas e meto converso com todas as pessoas que me aparecem à frente
( não é exactamente assim, mas a HSC deve saber o que quero dizer ).
Até muitas vezes, por engano, digo que faço os tais 80 neste Novembro...
Apreciei tanto a sua crónica que me meti na "conversa" !

Melhores cumprimentos.

Helena Oneto disse...

Não posso estar mais de acordo consigo, querida amiga. Mas ver o corpo envelhecer, n'est pas drôle, du tout!

Anónimo disse...

" pugno para que cada uma de nós tenha consciência dos anos que tem e os enriqueça e embeleze", desculpe-me a citação. Assim sendo, vou pegar nos meus 28 anos, arranjar-me para um belo passeio em família.

Um beijinho e bom Domingo,
Vâniax

Dalma disse...

A imagem é muito interessante! Reflete uma anorexia ao contrário, a adolescente vê-se gorda, logo feia ao espelho... Neste caso, alguém com as mazelas próprias do avançar da vida "vê-se" bela no mesmo espelho!

Virginia disse...

Não posso deixar de concordar com tudo o que escreve a este respeito.

Aliás, olhando para si, não nos interrogamos nunca sobre a sua idade, mas admiramos o seu sorriso, a sua ironia, o sorriso e a boa disposição. Esse é que é o grande milagre da juventude eterna, passem os anos que passarem.....

Anónimo disse...

As pessoas são como os automóveis pois há carros novos com 200.000kms e que já teem muitos problemas.Há carros velhos com pouca quilometragem e que estão novos.Estou com 82 anos e que Deus me conserve a saúde que me tem dado, pois há muitos com 50 -60-70 que se fizessem uma corrida comigo enquanto eles ainda estavam no ponto de partida, já eu estava a chegar á meta. Não é presunção pois a saúde é tudo na vida. Quanto á beleza,quem já andou, já não tem para andar e aceite a vida como ela é.A SnrªDrª tem toda a razão pois o caricato ...

Manuela Silva Mergulhão disse...

Pois na verdade também gosto de ouvir a sua gargalhada sabe Deus com o coração triste. Mas falando no passar dos anos deixei de me ver ao espelho e sinto tristeza de não ter aproveitado um pouco a vida, os anos correram rápidos, e se não me amedronta o (final)o lar entristece de mais, como pensa nisso ?....

Dalma disse...

Manuela S.M., também eu raramente paro para me olhar ao espelho pois já não me pinto e como o cabelo é branco e o uso sempre muito curto também não necessita de grande contemplação!
Há uns anos quando a Alice era minha empregada e já andava nos 70, um dia e já não sei a que propósito disse-me que não gostava de se ver ao espelho. Perguntada sobre o porquê disse-me: Sra. é que eu já tenho pescoço de tartaruga! Na altura eu tinha 40 e disse-lhe palavras de circunstancias, hoje quando preciso de me demorar mais tempo em frente do espelho lembro-me sempre dela... E já adivinhou porquê!

zia disse...

Penso que a idade ou antes o envelhecimento físico é o espelho da idade e penso que a fuga ao medo da inevitável morte obriga muitas pessoas a esconderem-se atrás de modificações físicas e ao uso de roupas menos adequadas.
As modificações físicas para mim começam por esconder o cabelo branco.
A morte pode acontecer em qualquer idade mas quanto mais se os anos aumentam o corpo vai envelhecendo e por conseguinte aproximando-o limite da vida...
Um abraço, lb/zia

maria isabel disse...

Para envelhecermos bem devemos evitar as coisas que nos façam engordar para nos sentirmos melhor , tais como: fotografias, balanças e espelhos. Depois rir como faz a Doutora Helena
Beijinhos a todos a quem a idade está a chegar depressa
maria Isabel

DNO disse...

É a idade de fazer balanços, no meu caso o balanço é negativo, acho-me uma velha feia e sem obra feita. Gostaria de renascer hoje e viver a vida como ela deve ser vivida, não aproveitei, só me resta a amargura e a frustração. Gostava muito de ser como a Helena, mas as condicionantes da minha vida não deixaram. Admiro-a muito, direi mesmo que é um dos meus ídolos. Um abraço.

Anónimo disse...

Parabéns e queixinhas da 'velha senhora' (que parece roer-se de inveja!):

claro filha tem razão
nem os digo nem escondo
tantos anos que em mim vão
sobre o lombo se depondo

mas de pouco já me vale
ser discreta e educada
não estando assim tão mal
ai ninguém me quer pra nada
do que muito inda me interessa
que é amar quanto apeteça

tem a amiga sorte ou arte
parabéns da minha parte

continuo a amar quem seja
meu doente e toda a gente
mas saudades tenho e inveja
doutro amar ah diferente
mais cumovente

Isto e aquilo disse...

De facto não há nada mais patético que querer parecer uma idade que não se tem, insistindo numa juventude perdida.
E, "malgré tout" todas as idades têm coisas boas e más. O que está no BI acaba por ser menos importante do que o espírito com que se encara a passagem do tempo e os seus inevitáveis "estragos".
Havendo saúde, que é o fundamental, pode sempre tirar-se um excelente partido da idade que se tem, digo eu, que me considero infinitamente mais interessante hoje do que quando tinha vinte anos.

Beijinho
Isabel Mouzinho

nobady's listen disse...

tem tanta mas tanta razão naquilo que escreveu...

Anónimo disse...

Qdo li este texto veio-me à ideia uma Srªbem conhecida de todos nós,pelas plásticas ou afins,que faz,para ficar mais nova e mais bonita,diz ela,e eu pergunto porque então não fica,que há uns tempos disse:"detesto envelhecer"sic.
Confesso que na altura,só me ouvi dizer:por favor dá um tiro na cabeça,espero que acertes,e assim não envelheces.Eu que me acho sensata e raramente falo sem pensar primeiro,a minha voz ecoou sem me ter dado tempo a pensar,nesse dia meu tico tava de folga e o teco atirou-se à dita.A idade é tão bonita qdo estamos em sintonia com ela,não chamamos a atenção pelo corpo,chamemos pela alma,é tão mais bonito.Qdo olho para o espelho,vejo uma cara mais ou menos,e um corpo menos ou mais,não tá velho,ta crocante,sempre que mexo só ouço crec crec,a pele despenca,a lei da gravidade não perdoa.Fico feliz com tudo despencando?só se fosse idiota,mas qtos não teriam dado tudo para envelhecer?Saibamos envelhecer com dignidade,e não viremos barbies,com cara toda igual.A beleza vem de dentro para fora,por isso há gente tão cheia de luz,conheço uma que espelha bem isso,e tô usando o blog dela para postar rssss pois se escrevesse no meu ninguém lia...
No dia em que o meu corpo me incomodar mais,não mudo de corpo,tiro o espelho...
No alto dos meus 54 apenas quero saude, o resto é resto e ninguém para ser feliz precisa de restos.
bjs
fátima Duarte

Anónimo disse...

"A tragédia da vida é que ficamos velhos cedo demais. E sábios, tarde demais."
Benjamin Franklin

Antonio Almeida disse...

Tenho 64 anos, neste momento não tenho companheira e descobri, por acaso, no princípio do ano mais uma maneira de me divertir.
Aprender a dançar, nunca me tinha passado isto pela cabeça aliás até achava ridículo aqueles concursos de dança que por vezes via na tv.
A dança que estou a aprender numa escola (Danças do Mundo) chama-se Forró Universitário para se distinguir do forró tradicional.
Comecei em Janeiro passado e neste momento já consigo dançar razoavelmente. Já agora, há danças quase todos os dias. Para dançar a grande maioria são jovens até aos 35 anos. Gosto de dançar com elas, é sempre bom ter uma mulher nos braços, mas se aparecerem mulheres menos jovens, são bem vindas.
Sou sempre o mais velho, na escola, nas danças etc, mas sou também um dos que mais dança.